Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Lutador de MMA brasileiro afirma ter sido coagido a perder luta no Afeganistão

Leonardo Barbosa (à esquerda) perde no segundo round para Ahmed Wali Hotak em Kabul, Afeganistão [Foto: Reprodução]
Leonardo Barbosa (à esquerda) perde no segundo round para Ahmed Wali Hotak em Kabul, Afeganistão [Foto: Reprodução]

O lutador de MMA brasileiro, Leonardo Barbosa, afirmou ter sido ameaçado por um homem armado durante os intervalos da sua luta no Afeganistão, que o coagiu a perder propositalmente. Ele enfrentou o lutador afegão, Ahmed Wali Hotak, na principal disputa do evento de artes marciais mistas TCGFC 11, do dia 11 de fevereiro.

Em entrevista ao site MMA Fighting, Barbosa afirma que entregou a luta depois que um homem armado e agressivo entrou duas vezes em seu vestiário nos intervalos da luta, gritando e mostrando que portava uma arma. “Ele continuou gritando, extremamente agressivo. Ele chegou perto do cage [ringue] entre os rounds e começou a dizer algo semelhante ao que ele disse no vestiário, mas com mais agressividade. Eu estava vencendo a luta, ganhei bem o primeiro round, meu adversário estava com o nariz quebrado e precisou de uma cirurgia no dia seguinte, e achei que poderia ter vencido, mas me senti incapaz de fazer qualquer coisa naquela luta”.

“Voltei diferente para o segundo round, uma série de coisas estava passando pela minha cabeça. Eu tenho filho, tenho uma família.”, contou na entrevista.

O brasileiro viajou ao Afeganistão sozinho, pois seu empresário, que o acompanharia, testou positivo para covid-19 um dia antes da viagem.

O CEO da TGFC, Abdul Wasi Sharifi, concordou em oferecer uma revanche a Barbosa em um novo evento em Dubai. O lutador brasileiro disse estar disposto a aceitar, afirmando que iria com uma estrutura diferente, acompanhado de seus “cornermen” (profissionais que prestam auxílio ao lutador no ringue). “Eu nunca vou viajar novamente sem meus cornermen. Essa revanche será diferente”, diz Barbosa.

“Eu acredito que posso vencer essa luta com facilidade, para falar a verdade”, concluiu na entrevista.

LEIA: Brasileiros esperam uma Copa do Mundo excepcional no Catar 2022

Categorias
AfeganistãoAmérica LatinaÁsia & AméricasBrasilNotícia
Show Comments
Show Comments