Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Jerusalém foi alvo de Israel e da administração Trump

A Cúpula da Rocha, no complexo das mesquitas de Al-Aqsa e a Abadia da Dormição na Cidade Velha de Jerusalém, em 15 de janeiro de 2021. [Ahmad Gharabli/AFP via Getty Images]
A Cúpula da Rocha, no complexo das mesquitas de Al-Aqsa e a Abadia da Dormição na Cidade Velha de Jerusalém, em 15 de janeiro de 2021. [Ahmad Gharabli/AFP via Getty Images]

Com o novo presidente dos EUA na Casa Branca, está claro que o antecessor de Joe Biden almejou a Jerusalém ocupada dando luz verde a Israel para enfraquecer a presença palestina na cidade sagrada e colocar mais restrições à população indígena. Os palestinos estão de costas contra a parede desde que Trump mudou a embaixada dos Estados Unidos para Jerusalém e reconheceu a cidade como a capital “indivisa” de Israel.

Os israelenses acreditam que mesmo que o presidente Biden queira mudar os efeitos da política de Trump em Jerusalém, ele terá dificuldades em fazer isso porque o ex-presidente ajudou a cimentar a ocupação de Israel no leste da cidade.

A mudança da embaixada foi um momento decisivo. Deu ao governo israelense a chance de aprofundar seu controle sobre os palestinos de Jerusalém e seus bairros. A política do estado de ocupação é separá-los de seu interior na Cisjordânia e aproximá-los do status dos palestinos que vivem em Israel.

Cerca de 356.000 palestinos vivem em Jerusalém no momento, o que representa 38% da população total da cidade. Apesar das dificuldades financeiras que enfrentaram desde a construção do Muro do Apartheid, muitos ainda têm ligações estreitas com a Cisjordânia, devido ao trabalho ou laços familiares. Sua conexão com Jerusalém Ocidental não foi interrompida ao longo dos anos.

LEIA: O que o Presidente Biden não fará no Oriente Médio

Sob Trump, a Autoridade Palestina foi enfraquecida e não houve processo político; Israel recebeu rédea solta. Ele foi o primeiro presidente dos EUA a visitar o que os palestinos conhecem como Muro de Buraq, mas os israelenses chamam de Muro das Lamentações. Sob o “acordo do século” de Trump, revelado há um ano, Jerusalém ficou sob a soberania israelense, incluindo a Cidade Velha e os bairros palestinos de Jerusalém Oriental. Planos para aumentar o tamanho dos assentamentos ilegais de Israel na cidade, construindo milhares de novas unidades habitacionais, foram aprovados desde então.

O legado de Trump no Oriente Médio. [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

O legado de Trump no Oriente Médio. [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Um dos resultados imediatos da política de Trump em Jerusalém foi um aumento no número de palestinos de Jerusalém que se candidatam à cidadania israelense. Entre 2000 e 2003, o número desses pedidos foi inferior a cem. Em 2009, o número era superior a 700, e, no ano passado, 1.633 inscrições foram enviadas.

Também houve um aumento no número de alunos de Jerusalém que estudam o currículo israelense, uma mudança que Israel está promovendo como parte do plano de cinco anos para Jerusalém Oriental aprovado em 2018. Os presentes de Trump para Israel não significaram uma mudança fundamental na política do estado de ocupação em Jerusalém; eles simplesmente o fortaleceram. Com quase 400.000 jerusalemitas palestinos sem direitos à cidadania, Israel pode não querer conceder-lhes nenhum.

Uma das imagens mais memoráveis ​​do mandato de Trump no cargo foi do embaixador dos EUA, David Friedman, quebrando um muro em um túnel no bairro de Silwan, na presença da esposa do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, Sarah, ex-prefeito de Jerusalém, MK Nir Barkat, e o enviado dos EUA Jason Greenblatt. Isso foi em apoio às organizações Elad e Ateret Cohanim, que buscam desenvolver o turismo israelense na Cidade Velha, enquanto expulsam palestinos e fortalecem assentamentos ilegais.

A presidência de Trump claramente deu a Israel a confiança para expandir sua presença na Jerusalém Oriental ocupada, com mais e maiores assentamentos e instituições judaicas. Uma presença tão forte foi desencorajada durante o governo Obama e pode enfrentar dificuldades semelhantes sob Biden.

LEIA: Biden poderá condicionar recursos dos EUA a mais concessões palestinas?

Desde a ocupação de Jerusalém Oriental em 1967, nenhuma medida israelense estruturada foi tomada para conceder cidadania aos residentes palestinos. Os principais obstáculos para isso são a necessidade de aprender hebraico e depois obter uma autorização dos serviços de segurança, pois cidadania não é apenas a permissão para entrar em Israel, mas também a naturalização para quem mora lá. Tal movimento inevitavelmente enfrentaria uma batalha política com grupos de direita israelense e partidos políticos se recusando a permitir que 400.000 ou mais palestinos se tornassem cidadãos israelenses e alterando ainda mais a demografia do país, que em qualquer caso está se inclinando para a população árabe como resultado das maiores taxas de natalidade.

Além disso, os próprios palestinos não solicitaram a cidadania israelense em massa, porque fazer isso seria interpretado como o reconhecimento da soberania israelense na cidade. Isso serviria aos interesses de Israel e daria algum grau de justificativa para o que Trump fez desde 2017.

 

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments