Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Empresa israelense vendeu secretamente spyware para Bangladesh por meio de uma gangue criminosa

Um equipamento de vigilância israelense vendido por um criminoso condenado está sendo usado pelo governo de Bangladesh para atacar a oposição política

Um equipamento de vigilância israelense vendido por um criminoso condenado está sendo usado pelo governo de Bangladesh para atacar a oposição política, descobriu uma investigação da Al Jazeera. Documentos classificados obtidos pela Unidade Investigativa do canal de notícias do Golfo mostram que o exército de Bangladesh comprou secretamente o equipamento israelense em 2018 usando um intermediário baseado em Bangcoc e um irmão de uma poderosa família de criminosos de Bangladesh intimamente ligada à primeira-ministra Sheikh Hasina.

Os detalhes da venda de spyware israelense foram uma das várias revelações bombásticas relatadas pela Al Jazeera no documentário de uma hora, “All the First Minister’s Men”, que foi ao ar na segunda-feira (01). O documentário revela como uma gangue criminosa está em conluio com as forças de segurança de Bangladesh e lucrando com ligações com o primeiro-ministro Hasina. Ele expôs como o assassino Haris Ahmed, um dos cinco irmãos pertencentes a uma família criminosa notória, está no centro do negócio com uma empresa israelense. Ele está sendo protegido por seu irmão mais velho, general Aziz Ahmed, chefe do Exército de Bangladesh e confidente íntimo de Sheikh Hasina.

Foram tomadas medidas para ocultar detalhes do negócio, incluindo a origem do spyware. Bangladesh não tem relações diplomáticas com Israel e o comércio com o estado sionista é proibido até que termine a ocupação militar da Palestina. Oficialmente, não reconhece Israel e os cidadãos estão proibidos de viajar para lá até que haja um estado palestino independente.

LEIA: O que um ex-espião israelense faz na cúpúla do Partido Trabalhista britânico?

O contrato de spyware envolvia papelada que tentava disfarçar a verdadeira natureza do negócio e envolvia empresas de fachada. Era, na verdade, um acordo entre a agência de inteligência militar de Bangladesh, a Diretoria Geral de Inteligência das Forças (DGFI) e a PicSix, uma firma baseada em Israel administrada por ex-agentes de inteligência israelenses. Um irlandês residente em Bangkok, James Moloney, atuou como intermediário.

Para ocultar a origem do equipamento, o acordo listou o país de origem como Hungria, embora gravações secretas da Al Jazeera mostrem que o intermediário baseado em Bangkok agiu em nome da empresa israelense dizendo explicitamente que o equipamento era de Israel. “É de Israel, então não anunciamos essa tecnologia”, disse Moloney, CEO de uma empresa registrada em Cingapura chamada Sovereign Systems. Outro empreiteiro pôde ser ouvido dizendo: “De jeito nenhum as pessoas em Bangladesh deveriam saber que este produto vem de Israel.”

O contrato para a aquisição do spyware israelense P6 Intercept foi assinado um dia depois de Aziz Ahmed, irmão de Haris, se tornar chefe do Exército de Bangladesh. A tecnologia permite que centenas de telefones celulares sejam rastreados e monitorados. As autoridades de segurança usam o spyware para rastrear os participantes durante protestos e manifestações. “A tecnologia é muito agressiva e intrusiva. Você não quer que o público saiba que você está usando esse equipamento”, disse Moloney.

Observadores atentos ao crescimento da tecnologia do spyware argumentaram que o estado sionista, com décadas de experiência no desenvolvimento de tecnologia para reprimir os palestinos, tornou-se indispensável para déspotas e ditadores que desejam métodos experimentados e testados de repressão para usar contra sua própria população.

As preocupações com a venda de tecnologia israelense usada para espionar civis foram levantadas pela Anistia Internacional. Um relatório do grupo de direitos humanos descobriu que o spyware vendido pelo Grupo NSO foi usado para atingir jornalistas e ativistas em todo o mundo – incluindo Marrocos, Arábia Saudita, México e Emirados Árabes.

LEIA: Tribunal israelense decide manter em sigilo audiência de empresa spyware

Categorias
Ásia & AméricasBangladeshEuropa & RússiaIrlandaIsraelNotíciaTailândiaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments