Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Biden realmente deveria dialogar com o Hamas

O então vice-presidente dos EUA, Joe Biden (esq.), e o presidente palestino, Mahmud Abbas (dir.), sentam-se durante uma reunião no complexo presidencial na cidade de Ramallah, na Cisjordânia, em 9 de março de 2016. [AFP via Getty Images]
O então vice-presidente dos EUA, Joe Biden (esq.), e o presidente palestino, Mahmud Abbas (dir.), sentam-se durante uma reunião no complexo presidencial na cidade de Ramallah, na Cisjordânia, em 9 de março de 2016. [AFP via Getty Images]

Agora estão surgindo relatórios confiáveis ​​de conspirações fracassadas de Donald Trump para subverter a democracia na América e derrubar o voto do povo. É por isso que o tema recorrente do dia da posse do presidente dos EUA, Joe Biden, foi que a democracia é preciosa.

Dizem que Trump está inconsolável por perder a eleição. Provavelmente é verdade que um presidente dos EUA nunca ficou tão irritado com o resultado de uma votação democrática desde que os palestinos na Cisjordânia ocupada e na Faixa de Gaza decidiram, em 2006, que queriam ser governados pelo Hamas. O então presidente George W. Bush aparentemente ficou furioso porque a eleição livre e justa verificada por observadores independentes havia produzido o Hamas como o partido vencedor. Estimulado por Israel, a resposta imediata de Bush foi isolar os palestinos; ele até tentou derrubar o resultado da eleição.

Bush também amarrou seu poodle britânico para participar do boicote ao governo do Hamas liderado por Ismail Haniyeh; o então primeiro-ministro Tony Blair ficou feliz em atender. Nos anos desde então, a perseguição aos palestinos pelo exercício de seus direitos democráticos continua vergonhosamente brutal.

É de se esperar, portanto, que as grandes palavras do presidente Biden sobre a democracia ao entrar na Casa Branca se estendam além das fronteiras da América e também se apliquem às eleições palestinas em maio. Depois de tal eloquência sincera nas escadas do edifício do Capitólio na semana passada, Biden deve certamente encorajar todos os envolvidos a prosseguir com sinceridade, incluindo o governo israelense – que pode impedir a eleição se quiser, simplesmente proibindo os habitantes de Jerusalém de participar – e então, não importa quem vença, aceite os resultados. Assim como deve Israel.

LEIA: A transferência da embaixada dos EUA a Jerusalém não passou de uma farsa?

O Hamas pode não ser a escolha preferida em Washington, Londres ou em qualquer outro lugar, mas isso não importa. Pela primeira vez, devemos ouvir o povo palestino e respeitar sua decisão, porque em qualquer democracia que se preze, o que importa é a escolha dos eleitores. Biden, Boris Johnson e os outros deveriam dar o exemplo, e não simplesmente dançar a música de Israel se – e provavelmente quando – gritar “segurança”, “ameaça existencial” ou qualquer outra pista falsa de “autodefesa”.

Biden afirma compreender que a democracia tem tudo a ver com o que as pessoas, não os poderosos, desejam. Se o candidato do Hamas se tornar presidente e outros ganharem um número significativo de assentos no Conselho Legislativo, o suficiente para formar ou ingressar no governo, então o novo governo em Washington deve – se as palavras do presidente dos EUA valem alguma coisa – começar a se envolver com o movimento.

A equipe de Biden pode preferir dialogar com representantes honestos, para começar, em quem todos os lados possam confiar, caso em que tanto o Catar quanto a Turquia devem assumir a responsabilidade e ajudar a reunir as partes para discutir o futuro de um estado palestino viável. Isso seria um progresso real porque, vamos admitir, os rostos regulares na mesa de negociações não conseguiram nada além da erosão dos direitos palestinos nas últimas três décadas.

O presidente dos EUA, Donald Trump, saudou o “amanhecer de um novo Oriente Médio” e matou o processo de paz. [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

O presidente dos EUA, Donald Trump, saudou o “amanhecer de um novo Oriente Médio” e matou o processo de paz. [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Em um raro momento de honestidade, Tony Blair admitiu, em 2017, que ele e outros líderes mundiais estavam errados em ceder à pressão israelense para impor um boicote imediato ao Hamas depois que o Movimento Islâmico venceu as eleições palestinas em 2006. Sem pensar muito no longo prazo. Como consequência, Bush, Blair e outros líderes cortaram relações com o governo recém-eleito até que, e a menos que, ele concordasse em reconhecer Israel, renunciar à violência e cumprir os acordos anteriores entre seus predecessores Fatah e o estado de ocupação. Previsivelmente, o Hamas não respondeu bem a essas exigências e foi demonizado e condenado ao ostracismo desde então. Os palestinos foram punidos por exercerem seus direitos democráticos, e a punição continua. Infelizmente, outros palestinos desempenharam um papel de liderança nesse tratamento miserável. Que vergonha para você e seus comparsas, Mahmoud Abbas.

Dessa vez, parece que há cabeças mais sábias e otimistas na Casa Branca, agora que Trump e sua equipe de líderes de torcida pró-Israel de extrema direita voaram para o pôr do sol. Em teoria, portanto, o futuro deveria parecer mais brilhante para o Hamas e o povo da Palestina, visto que o movimento passou anos no frio investindo na construção de pontes e alianças estratégicas.

LEIA: Propaganda sobre a precisão israelense tenta justificar o massacre de inocentes

Na minha opinião, Biden seria míope se não se envolvesse com a liderança do Hamas, até porque Ismail Haniyeh é, sem dúvida, uma figura extremamente respeitada em todo o Oriente Médio e além, entre grupos seculares e islâmicos. Haniyeh, como Biden, é alguém que tem um apego profundo e sincero à sua fé; ele é certamente um dos únicos líderes políticos na região que lidera regularmente a importante oração da sexta-feira e é conhecido e respeitado pessoalmente por inúmeras pessoas comuns.

Conheci o ex-primeiro-ministro em sua casa no Campo de Refugiados Al-Shati (Praia), nos arredores da Cidade de Gaza, após a devastadora ofensiva militar israelense de 2008/9, conhecida como Operação Chumbo Fundido. Sim, ele ainda mora no campo em que nasceu e foi criado. Foi um momento comovente quando nos conhecemos, pois foi a primeira visita de Haniyeh à sua casa em mais de 100 dias, devido à ameaça real de ser assassinado por Israel durante sua ofensiva. O estado colonial colonizador tem um histórico comprovado de alvejar os líderes políticos do Hamas.

Portanto, se Biden leva a democracia a sério como afirma ser, ele deveria apoiar os palestinos independentemente de em quem eles votem; encorajar eleições livres e justas e pressionar os intrometidos regionais, como os Emirados Árabes, para que se mantenham fora delas; e então se envolver com a liderança se, como está sendo sugerido, o Hamas emergir como um grande vencedor em maio. As eleições palestinas precisam ser tratadas por Washington com tanto respeito quanto à votação presidencial que entregou o novo presidente dos Estados Unidos ao Salão Oval na semana passada. Qualquer coisa menos que isso prejudica e desacredita os bons discursos feitos nos degraus do Capitólio.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEUAIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments