Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Quase dois milhões de israelenses vivem abaixo da linha da pobreza

Shekels israelenses marcados com apelos pela libertação da Palestina, na cidade de Ramallah, Cisjordânia ocupada, 7 de março de 2011 [Abbas Momani/AFP/Getty Images]
Shekels israelenses marcados com apelos pela libertação da Palestina, na cidade de Ramallah, Cisjordânia ocupada, 7 de março de 2011 [Abbas Momani/AFP/Getty Images]

Quase dois milhões de cidadãos israelenses vivem abaixo da linha da pobreza, equivalente a 23% da população total, reportou ontem (21) o Instituto Nacional de Segurança Social. Cerca de um terço das crianças em Israel estão incluídas neste número.

Segundo as informações, a taxa de pobreza entre cidadãos árabes de Israel chega a quase 50%, o dobro do índice entre cidadãos judeus.

A estatística cobre o ano de 2020, mas a chamada linha da pobreza em Israel é calculada com base nos limites instituídos em 2018 – 3.593 shekels por pessoa e 5.750 shekels por casal.

As autoridades previdenciárias destacaram que a pandemia de coronavírus não afetou apenas os níveis mais baixos da pirâmide socioeconômica.

As taxas de pobreza de Israel não melhoraram desde sua filiação à Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OECD), em 2010, apesar de sucessivos aumentos nos impostos, cuja receita tributária está entre as maiores do mundo.

O desemprego, porém, continua a bater recordes desde o terceiro lockdown decorrente da pandemia, imposto em 27 de dezembro. O número de pessoas sem trabalho devido ao covid-19 deve exceder um milhão até fevereiro.

O Ministério das Finanças de Israel espera que a crise do desemprego continue ao longo do ano, mesmo caso bem sucedida sua campanha de vacinação contra o coronavírus, que poderá incorrer na suspensão das restrições em breve.

Segundo o ministério, mesmo no cenário mais otimista, com retomada da normalidade e abertura completa das atividades econômicas, a taxa de desemprego deve permanecer alta, com previsão de 8.6% da população ativa, neste ano.

Entretanto, caso a crise de saúde não dê trégua, o desemprego deve atingir o recorde de 11.6% da população.

LEIA: Israel será responsável por mais mortes palestinas se retiver a vacina de covid-19

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments