Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Macron nega pedido de desculpas pelos crimes franceses na Argélia

O presidente francês Emmanuel Macron disse que não apresentará um pedido público de desculpas pelos abusos coloniais cometidos na Argélia

O presidente francês Emmanuel Macron disse que não apresentará um pedido público de desculpas pelos abusos coloniais cometidos na Argélia, informou a Agência Anadolu.

“Não haverá arrependimento nem desculpas” pelos 132 anos de ocupação da Argélia pela França ou pela brutal Guerra da Independência, informou seu gabinete segundo a emissora pública France 24. A Argélia conquistou a independência em 5 de julho de 1962.

Em vez disso, o presidente participaria de “atos simbólicos” destinados a promover a reconciliação, acrescentou o comunicado.

A declaração ocorre em um momento em que Macron está programado para se encontrar com o famoso historiador Benjamin Stora no Elysee na quarta-feira e aceitar seu relatório sobre a colonização da Argélia.

Stora foi encarregado do relatório por Macron em julho passado para garantir que “a história da guerra da Argélia seja conhecida e vista com lucidez”.

LEIA: Quatro crianças turcas e argelinas são ‘aterrorizadas’ por policiais na França

No passado, os argelinos exigiram que a França reconhecesse e se desculpasse pelas práticas discriminatórias e crimes cometidos durante o regime colonial no país.

Com base em estimativas de historiadores argelinos, 1,5 milhão de argelinos foram mortos durante sua luta pela independência. Historiadores franceses estimam esse número em 400 mil de ambos os lados durante a Guerra da Independência da Argélia de 1954-1962.

Embora Macron tenha refutado um pedido de desculpas oficial, ele está entre os poucos líderes franceses a reconhecer o passado colonial sangrento do país.

Como candidato presidencial, Macron em 2017 condenou inequivocamente a história colonial da França, chamando-a de “crime contra a humanidade” e, como chefe de Estado, insistiu na “necessidade de representar melhor certas partes de nossa história coletiva e integrar a história da colonização. ”

LEIA: O que você fez na Argélia, papai?

Categorias
ÁfricaArgéliaEuropa & RússiaFrançaJordâniaNotíciaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments