Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Suíça investigará governador do banco central do Líbano sobre lavagem de dinheiro

Autoridades suíças abriram uma investigação contra o governador do Banco Central do Líbano por alegações de lavagem de dinheiro

Autoridades suíças abriram uma investigação contra o governador do Banco Central do Líbano por alegações de lavagem de dinheiro.

Riad Salameh, 70, está sob investigação por “possível desfalque” e “lavagem de dinheiro agravada” do banco central libanês, informou o Financial Times.

A investigação foi lançada a pedido do governo libanês, que está investigando relatos de que bilhões de dólares deixaram o Líbano, apesar da proibição de transferências para o exterior, de acordo com a Associated Press (AP).

A investigação se concentrará nas transferências para o exterior feitas pelo governador e seus associados próximos, mas as autoridades suíças ainda não confirmaram se Salameh é especificamente o objeto da investigação.

Salameh disse que as alegações de que dinheiro havia sido transferido para o exterior, “em seu nome, de seu irmão ou de seu assistente”, eram “notícias falsas”, em nota divulgada pelo Banco Central.

LEIA: Patriarca do Líbano conclama reconciliação entre presidente e premiê designado

A declaração foi emitida depois que o ministro da justiça do Líbano disse que as autoridades judiciais suíças solicitaram cooperação na investigação.

A ministra da Justiça, Marie-Claude Najm, confirmou que entrou com um pedido junto ao promotor público para cooperar com a investigação, segundo a Reuters.

Salameh já havia sido acusado de contravenções financeiras em um relatório do Projeto de Relatórios de Crime Organizado e Corrupção (OCCRP) e seu parceiro libanês Daraj, em agosto do ano passado.

O relatório afirma que Salameh e sua família possuem US $ 100 milhões em ativos em todo o mundo, incluindo imóveis na Alemanha, Bélgica e Reino Unido, e usaram várias empresas de fachada no exterior para acumular riquezas ilegitimamente.

Salameh recentemente foi criticado por lidar com a crise financeira do Líbano, que fez com que a moeda do país, a libra libanesa, perdesse mais de 80% de seu valor.

O governo deixou de pagar uma dívida de Eurobônus de US $ 1,2 milhão em março e iniciou negociações com o Fundo Monetário Internacional (FMI) para garantir um pacote de resgate, mas as negociações estagnaram.

Em um esforço para conter o colapso econômico do Líbano, os bancos impuseram controles de capital rigorosos, limitando os correntistas a retirarem tão pouco quanto $ 100 por semana, e proibiram as transferências para o exterior.

No entanto, durante o caos, surgiram relatos de que libaneses ricos, incluindo proprietários de bancos e funcionários do governo, ainda eram capazes de transferir capital para o exterior.

Em fevereiro de 2020, o diário local Al-Akhbar informou que cinco proprietários de bancos haviam transferido US $ 2,3 bilhões para o exterior desde outubro do ano anterior.

O primeiro-ministro interino, Hassan Diab, culpou Salameh pelas múltiplas crises, mas Salameh repetidamente defendeu seu papel.

ASSISTA: Hospitais libaneses esgotam capacidade em meio ao lockdown

Categorias
Europa & RússiaLíbanoNotíciaOriente MédioSuíçaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments