Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Por que Israel baniu Jenin, Jenin? O medo da narrativa palestina

O ator palestino Mohammed Bakri posa durante a photocall de “Golakani Kirkuk” (As flores de Kirkuk), no quinto Festival de Cinema de Roma, em 2 de novembro de 2010. O filme, do escritor e diretor curdo iraniano Fariborz Kamkari, foi filmado inteiramente no Iraque como a primeira produção internacional desde a Guerra do Golfo e conta a trágica história de amor de uma mulher iraquiana de classe alta que se apaixona por um médico curdo perseguido pelo regime de Saddam Hussein na década de 1980. [Andreas Solaro/AFP via Getty Images]
O ator palestino Mohammed Bakri posa durante a photocall de “Golakani Kirkuk” (As flores de Kirkuk), no quinto Festival de Cinema de Roma, em 2 de novembro de 2010. O filme, do escritor e diretor curdo iraniano Fariborz Kamkari, foi filmado inteiramente no Iraque como a primeira produção internacional desde a Guerra do Golfo e conta a trágica história de amor de uma mulher iraquiana de classe alta que se apaixona por um médico curdo perseguido pelo regime de Saddam Hussein na década de 1980. [Andreas Solaro/AFP via Getty Images]

Em 11 de janeiro, o Tribunal Distrital de Lod de Israel decidiu contra o cineasta palestino Mahmoud Bakri e ordenou que ele pagasse uma indenização pesada a um soldado israelense que foi acusado, junto com os militares israelenses, de cometer crimes de guerra em abril de 2002 no refugiado de Jenin acampamento na Cisjordânia ocupada.

Conforme relatado por israelenses e outros meios de comunicação, o caso parecia ser uma questão relativamente simples de difamação de caráter e assim por diante. Para aqueles que estão familiarizados com o choque massivo de narrativas que emanou do evento singular conhecido pelos palestinos como o “Massacre de Jenin”, o veredicto do tribunal não só tem conotações políticas, mas também implicações históricas e intelectuais.

Bakri é um palestino nascido na vila de Bi’ina, perto da cidade palestina de Akka, hoje localizada em Israel. Ele foi exposto repetidamente em tribunais israelenses e severamente censurado na grande mídia local simplesmente porque ousou desafiar o discurso oficial sobre a violência no campo de refugiados de Jenin há quase duas décadas.

O documentário do diretor Jenin, Jenin agora está oficialmente proibido em Israel. O filme, que foi produzido apenas alguns meses após a conclusão desse episódio específico da violência do Estado israelense, não fez muitas reivindicações por conta própria. Isso abriu um espaço raro para os palestinos transmitirem, em suas próprias palavras, o que havia acontecido com seu campo de refugiados quando unidades das Forças de Defesa de Israel, com cobertura aérea fornecida por caças e helicópteros de ataque, pulverizaram grande parte do campo, matando dezenas de pessoas e ferindo centenas mais.

LEIA: A África do Sul vai desvendar o mistério Palestina-Israel #VisaScandal?

Israel afirma ser uma democracia, lembre-se. Proibir um filme, independentemente de quão inaceitável seu conteúdo seja para as autoridades, é totalmente inconsistente com qualquer definição de liberdade de expressão. Proibir Jenin, Jenin, indiciar o cineasta palestino que o fez e depois compensar os acusados ​​de cometer crimes de guerra é ultrajante.

O pano de fundo da decisão israelense pode ser compreendido em dois contextos: um, o regime de censura de Israel com o objetivo de silenciar qualquer crítica à sua ocupação e ao apartheid; e dois, o medo de Israel de uma narrativa palestina verdadeiramente independente.

A censura israelense remonta ao início do Estado de Israel sobre as ruínas da pátria palestina, em 1948. Os pais fundadores do país construíram meticulosamente uma história conveniente sobre o nascimento do Estado, apagando a Palestina e os palestinos quase que inteiramente de sua narrativa. O falecido intelectual palestino Edward Said disse isso em seu ensaio Permissão para narrar: “A narrativa palestina nunca foi oficialmente admitida na história israelense, exceto como a de ‘não-judeus’, cuja presença inerte na Palestina era um incômodo ser ignorado ou expulso”.

Para garantir o apagamento dos palestinos do discurso oficial de Israel, a censura do estado evoluiu para se tornar um dos programas mais elaborados e bem guardados desse tipo no mundo. Sua sofisticação e brutalidade alcançaram o ponto em que poetas e artistas podem ser julgados e condenados à prisão por simplesmente desafiar a ideologia fundadora de Israel, o sionismo, ou por escrever poemas considerados ofensivos às sensibilidades israelenses. Embora os palestinos tenham sofrido o impacto da sempre vigilante máquina de censura de Israel, alguns judeus israelenses, incluindo organizações de direitos humanos, também sofreram.

O caso de Jenin, Jenin não é de censura de rotina, no entanto. É uma declaração, uma mensagem para aqueles que ousam dar voz aos palestinos oprimidos e permitir que falem diretamente ao mundo. Esses palestinos, aos olhos de Israel, são certamente os mais perigosos, pois demolem o discurso oficial israelense em camadas, elaborado, mas falacioso, independentemente da natureza, local ou momento de qualquer evento contestado, começando com a Nakba (Catástrofe), de 1948.

Meu primeiro livro, Searching Jenin: Eyewitness Accounts of the Israeli Invasion, foi publicado quase simultaneamente com o lançamento de Jenin, Jenin. O livro, assim como o documentário, teve como objetivo contrabalançar a propaganda oficial israelense por meio de relatos honestos e comoventes dos sobreviventes da violência contra o campo de refugiados. Embora Israel não tivesse jurisdição para proibir o livro, a mídia pró-Israel e os acadêmicos tradicionais o ignoraram completamente ou o atacaram ferozmente.

Reconhecidamente, a contranarrativa palestina à versão dominante israelense, seja sobre o “Massacre de Jenin” seja sobre a Segunda Intifada, que ainda estava em andamento na época, era humilde e amplamente defendida por meio de esforços individuais. Ainda assim, mesmo essas tentativas modestas de narrar uma versão palestina foram consideradas perigosas e rejeitadas veementemente como irresponsáveis, sacrílegas ou antissemitas.

O verdadeiro poder de Israel – mas também seu calcanhar de Aquiles – é sua capacidade de projetar, construir e proteger sua própria versão da história, apesar do fato de que a narrativa dificilmente é consistente com qualquer definição razoável da verdade. Dentro desse modus operandi, mesmo contra narrativas mesquinhas e despretensiosas são ameaçadoras, pois criam buracos em uma construção intelectual já infundada.

A história de Bakri sobre Jenin não foi atacada implacavelmente e acabou banida simplesmente como resultado da censura de Israel, mas porque ousou manchar a sequência histórica diligentemente fabricada por Israel, começando com um perseguido “povo sem terra” chegando à suposta “terra sem povo”, em que “fizeram o deserto florescer”. Esses são dois dos mais poderosos mitos fundadores de Israel.

LEIA: Israel vai proibir grupos de direitos humanos de visitar escolas

Jenin, Jenin é um microcosmo da narrativa de um povo que destruiu com sucesso a propaganda bem financiada de Israel. Enviou (e ainda envia) uma mensagem aos palestinos em todos os lugares de que até mesmo a falsificação da história por Israel pode ser contestada e derrotada.

Em seu livro seminal, Metodologias de descolonização: pesquisa e povos indígenas, Linda Tuhiwai Smith examina brilhantemente a relação entre história e poder. Ela afirma que “a história é principalmente sobre poder … É a história dos poderosos e como eles se tornaram poderosos, e então como eles usam seu poder para mantê-los em posições nas quais possam continuar a dominar os outros”. É precisamente porque Israel precisa manter a atual estrutura de poder que Jenin, Jenin e outras tentativas palestinas de recuperar a história devem ser censuradas, banidas e punidas.

O fato de Israel ter como alvo a narrativa palestina não é simplesmente uma contestação oficial da exatidão dos fatos ou algum tipo de medo de que a “verdade” possa levar à responsabilização legal. O estado colonial não se importa com os fatos e, graças ao apoio ocidental, permanece imune a processos internacionais. Em vez disso, trata-se de apagar; apagamento da história, de uma pátria, de um povo: o povo da Palestina.

No entanto, um povo palestino com uma narrativa coerente e coletiva sempre existirá, não importa a geografia, as adversidades físicas e as circunstâncias políticas. Isso é o que Israel teme acima de tudo.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments