Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A África do Sul vai desvendar o mistério Palestina-Israel #VisaScandal?

Protesto fora da Embaixada de Israel na África do Sul, em 14 de agosto de 2020. [#Africa4Palestine]
Protesto fora da Embaixada de Israel na África do Sul, em 14 de agosto de 2020. [#Africa4Palestine]

A petição do governo sul-africano liderado pelo ANC para suspender as restrições punitivas aos vistos para palestinos que desejam viajar para o país é um exercício embaraçoso, mas necessário. Muitas pessoas, incluindo veteranos da luta anti-apartheid familiarizados com a luta pela liberdade da Palestina e cientes dos profundos laços históricos entre os dois movimentos de libertação, ficam chocadas ao descobrir a existência de tais exigências injustas de visto.

A discriminação na fronteira, entretanto, permite que cidadãos israelenses entrem na África do Sul sem vistos. Esse é um insulto à memória dos milhares que lutaram contra os males duplos do apartheid e do colonialismo.

Embora alguns possam rejeitar os padrões duplos inerentes aos requisitos de visto que favorecem os opressores e punem os oprimidos como reflexo de uma era em que a conveniência supera a moralidade, isso não significa que seja certo. Além do fato de que é insustentável ter tal discriminação contra os palestinos ocupados enquanto favorece a potência ocupante, isso vai contra os valores de direitos humanos sobre os quais se baseia a política externa da África do Sul.

LEIA: Como lobistas de Israel ocuparam o legado de Mandela

Os membros do governo liderado pelo ANC em Pretória deveriam ficar tão horrorizados quanto o público em geral ao descobrir que os palestinos, mas não os israelenses, precisam de vistos para entrar na África do Sul, o que é indevidamente restritivo e racista. Nesse caso, cabe a eles reverter essa injustiça.

Desde a derrota do apartheid e o advento da democracia, o governo sul-africano proclamou orgulhosa solidariedade com a luta pela liberdade da Palestina. Em busca desse imperativo dos direitos humanos, Pretória demonstrou notável coragem ao enfrentar o principal benfeitor de Israel, os Estados Unidos da América, nas Nações Unidas.

Iniciar resoluções na Assembleia Geral da ONU e fazer lobby regularmente nos Estados membros do Conselho de Segurança para defender os direitos palestinos e se opor ao crescente colonialismo colonizador de Israel estão entre as características marcantes da política externa sul-africana. No entanto, descobrir que essas áreas substantivas de solidariedade estão sendo minadas como resultado de vergonhosos padrões duplos é desprezível.

Mais prejudicial é a noção de que, em meio a uma pandemia severa logo após a corrupção endêmica, a África do Sul parece estar se debatendo mais uma vez com o que foi chamado de #VisaScandal. Compreensivelmente, o foco da mídia tem sido o alto índice de mortalidade em decorrência da covid-19 e o debate sobre se o governo do presidente Cyril Ramaphosa falhou ou não em antecipar a escala da segunda onda deixou o país mal preparado para garantir vacinas a tempo. É um debate que continuará à medida que argumentos conflitantes a favor e contra a eficácia de várias formas de vacinação entrem no domínio público. Na verdade, a confusão que resultou em atrasos extraordinariamente longos nas travessias de fronteira, particularmente na Ponte Beit, no norte, causando sofrimento incalculável e trágica perda de vidas, não pode ser varrida para debaixo do tapete.

LEIA: Covid-19 sob Apartheid: como Israel manipula o sofrimento dos palestinos

Ninguém pode argumentar que estes são tempos desafiadores para a África do Sul. Os cidadãos esperam que os funcionários do governo atendam às suas necessidades e direitos. Esse último está consagrado na constituição e flui perfeitamente através da Declaração de Direitos. Como há impacto nas políticas externas, é razoável, portanto, questionar por que são aplicados padrões duplos que discriminam injustamente os palestinos.

Assim, é compreensível que os principais membros dos movimentos de direitos civis na África do Sul e no exterior apoiem a campanha #VisaFreePalestine, lançada pela Media Review Network para fazer uma petição a Ramaphosa para intervir urgentemente e retirar os requisitos de visto. Entre as pessoas envolvidas, estão ícones da luta, como o lendário Don Mattera, além de ativistas palestinos pela justiça, Dr Ramzy Baroud e Haidar Eid, por exemplo. Os críticos judeus da ocupação ilegal de Israel, como o acadêmico Richard Silverstein, também apoiaram e promoveram ativamente a campanha.

A África do Sul está com a Palestina. [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

A África do Sul está com a Palestina. [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

À medida que a lista de apoiadores e signatários da petição cresce, também cresce o ímpeto para que esse protocolo sem sentido e embaraçoso seja alterado sem demora.

Embora alguns meios de comunicação tenham levantado questões sobre esse assunto, é lamentavelmente verdade que os detalhes sobre as circunstâncias relacionadas à imposição de tais padrões duplos permanecem escassos. Por exemplo, seria importante contextualizar a aplicação de “Nenhum visto para israelenses” e os requisitos de visto de linha dura para palestinos se isso for um legado da era do apartheid herdado pelo governo liderado pelo ANC. Se for esse o caso, é razoável perguntar por que o governo pós-94 democraticamente eleito não só falhou em reverter essa injustiça, mas também continua a aplicá-la. Se, por outro lado, foi introduzido depois de 1994, precisamos saber por que e sob qual administração: Mandela, Mbeki, Zuma ou Ramaphosa?

Por mais intrigante que pareça, uma pergunta subsequente seria se os padrões conflitantes surgiram de quaisquer “trade-offs” com o estado de ocupação do apartheid ou qualquer outra pessoa. Se for esse o caso, quem foi feito para apaziguar e por quê?

Que essas sondagens são necessárias para desvendar o mistério do #VisaScandal Palestina-Israel, nem é preciso dizer. Esperançosamente, jornalistas investigativos estarão à altura da ocasião e ajudarão a produzir algumas respostas.

LEIA: Um balanço de 2020 e a “normalização” com o Apartheid israelense

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaÁfrica do SulArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments