Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Arábia Saudita condena aval israelense para 800 novas unidades de assentamentos ilegais

Assentamento ilegal israelense na cidade de Nablus, Cisjordânia ocupada, 18 de outubro de 2020 [Shadi Jarar’ah/Apaimages]
Assentamento ilegal israelense na cidade de Nablus, Cisjordânia ocupada, 18 de outubro de 2020 [Shadi Jarar’ah/Apaimages]

A Arábia Saudita condenou hoje (13) a aprovação israelense para a construção de 800 novas unidades de assentamentos ilegais, na Cisjordânia ocupada, ao descrever a medida como ameaça a uma solução política e pacífica para a região.

Em nota, o Ministério de Relações Exteriores da Arábia Saudita afirmou: “Condenamos veementemente a decisão de Israel de aprovar o estabelecimento de 800 novas unidades de assentamentos na Cisjordânia e reiteramos nosso repúdio categórico a esta medida, como nova violação da legitimidade internacional, ameaça à paz e prejuízo aos esforços para a solução de dois estados”.

A condenação pública ocorre um dia após o Primeiro-Ministro de Israel Benjamin Netanyahu ordenar o avanço de planos para construir 800 novas casas a colonos instalados nos assentamentos exclusivamente judaicos de Beit El, Tal Menashe, Rehelim, Shavei Shomron, Barkan, Karnei Shomron e Givat Zeev, na Cisjordânia ocupada.

A data para início das obras não foi divulgada.

LEIA: Reconciliação no Golfo pode ajudar a solucionar problemas regionais

Apesar de reiterados alertas de aliados israelenses contra a construção de novos assentamentos na Cisjordânia – considerados ilegais, segundo a lei internacional –, Tel Aviv insiste em seus esforços de expansão colonial, a fim de aprofundar a ocupação nos territórios palestinos e asseverar domínio sobre áreas estratégicas.

A França também condenou a decisão israelense.

O repúdio saudita contrasta com o contexto de especulação em torno da possível normalização das relações entre a monarquia islâmica e Israel, após acordos do tipo serem assinados por Emirados Árabes Unidos, Bahrein, Sudão e Marrocos, na segunda metade de 2020.

A Arábia Saudita não descartou a possibilidade, mas reiterou que os palestinos devem primeiro obter seus direitos de igual representação e autonomia, antes de qualquer medida de normalização ser implementada com o estado sionista.

Em outubro último, o chanceler saudita, príncipe Faisal Bin Farhan, declarou: “Sempre vislumbramos que a normalização ocorreria, mas para tanto também precisamos de um estado palestino e de um plano de paz palestino-israelense”.

Não obstante, certo revés acometeu recentemente as relações cada vez mais próximas entre Riad e Tel Aviv.

Mohammed Bin Salman, príncipe herdeiro e governante de fato da Arábia Saudita, junto de um oficial próximo, Turki al-Faisal, condenaram em dezembro o “muro do apartheid” de Israel, ao argumentar que sua construção isola os palestinos em “campos de concentração”, ao efetivamente negar direitos iguais a cidadãos não-judeus.

LEIA: Netanyahu’s visit to Saudi Arabia has serious implications for the region

Categorias
Arábia SauditaIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments