Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A crescente ameaça estratégica de Israel à nossa liberdade de expressão

Soldados israelenses lançam granadas de som contra um grupo de pessoas, incluindo jornalistas, perto de um portão que leva à rua principal de Hebron, al-Shuhada, fechada por tropas no início de fevereiro, durante uma manifestação anual em memória do massacre da Mesquita Ibrahimi em 1994, na cidade dividida de Hebron, na Cisjordânia, em 22 de fevereiro de 2019. [Hazem Bader/ AFP via Getty Images]
Soldados israelenses lançam granadas de som contra um grupo de pessoas, incluindo jornalistas, perto de um portão que leva à rua principal de Hebron, al-Shuhada, fechada por tropas no início de fevereiro, durante uma manifestação anual em memória do massacre da Mesquita Ibrahimi em 1994, na cidade dividida de Hebron, na Cisjordânia, em 22 de fevereiro de 2019. [Hazem Bader/ AFP via Getty Images]

Há um velho ditado que diz que não se deve colocar a raposa tomando conta do galinheiro. Faz todo o sentido, mas é exatamente isso que os governos ocidentais estão fazendo cada vez mais no que diz respeito às suas políticas de liberdade de expressão. Deixando de lado a fanfarronice sobre o “cancelamento da cultura”, a principal ameaça à liberdade de expressão no mundo hoje é a crescente repressão ao direito de se manifestar em apoio aos palestinos.

A ditadura militar de Israel contra os palestinos na Cisjordânia e na Faixa de Gaza; seu regime de apartheid contra seus próprios cidadãos palestinos; e sua negação inflexível do direito legítimo dos refugiados palestinos de retornar às suas terras são injustiças tão transparentes que a causa palestina sempre foi popular em todo o mundo. Isso significa que Israel não pode vencer a discussão em nível popular. Em vez disso, deseja suprimir a liberdade de expressão do tipo que estou empregando aqui e proibir a exposição pública e a discussão de suas violações do direito internacional e dos direitos humanos. Isso, é claro, começa na Cisjordânia ocupada.

Sob o regime de Israel, os palestinos não têm o direito de se manifestar contra a ditadura militar que controla todas as facetas de suas vidas. Eles podem ser jogados na prisão sob a palavra de um oficial do exército, sem acusações ou qualquer aparência de devido processo, condições comparáveis às prisões do AI-5. Os protestos são banidos rotineiramente; jornalismo, poesia e literatura que se manifestam contra a ocupação recebem o rótulo de “incitamento” e são eliminados, repetindo a mesma receita da censura, e ativistas e ativistas palestinos desarmados são rotineiramente jogados na prisão.

Khalida Jarrar é apenas um exemplo; ela é uma importante ativista pelos direitos das mulheres e legisladora socialista palestina. Em 1º de novembro do ano passado, ela foi sequestrada por bandidos do exército israelense e jogada na prisão. Mais de um ano depois, ela continua detida sem acusação ou julgamento.

LEIA: Especialistas da ONU basicamente dizem ‘Israel não é uma democracia’

Em contraste, os cidadãos judeus de Israel – incluindo os colonos que dominam a Cisjordânia em suas colônias ilegais – têm direito à liberdade de expressão sob a lei israelense. Esta é uma evidência clara de que Israel não é apenas uma ditadura militar, mas também uma ditadura militar do apartheid, como ocorreu na África do Sul, e um estado de supremacia judaica. Na verdade, essa é a realidade do sionismo.

No entanto, o controle total das vidas e da fala dos palestinos não é suficiente para satisfazer a sede de Israel por dominação. O estado sionista conta com o apoio dos governos europeus e – especialmente – dos Estados Unidos. Este último subsidia as forças armadas de Israel em US$ 3,8 bilhões todos os anos, com este número parecendo aumentar em um novo acordo que o lobby pró-Israel está almejando durante a presidência de Joe Biden.

Caricatura de Carlos Latuff - Críticas a Israel rotuladas como antissemitismo [Twitter]

Caricatura de Carlos Latuff – Críticas a Israel rotuladas como antissemitismo [Twitter]

A posição de Israel como uma pequena colônia de colonos europeus cercada por milhões de indígenas tratados como nativos hostis (uma “vila na selva”, como o racista primeiro-ministro Ehud Barak disse certa vez) torna esses subsídios militares e políticos essenciais se Israel quer que seu regime injusto sobreviva. Isso significa que qualquer ameaça a esse apoio político e militar a Israel nos países ocidentais deve ser combatida rapidamente.

É por esta razão exata que Israel há anos trava o que chama de “guerra” contra o movimento BDS, a campanha popular para pressionar Israel por meio de Boicotes, Desinvestimentos e Sanções até que cumpra com os requisitos da lei internacional sobre os direitos humanos palestinos. Uma parte importante desta “guerra” contra os palestinos e seus direitos está em Israel pressionar, convencer e fazer lobby com os governos ocidentais para suprimir e proibir as campanhas de solidariedade à Palestina, como o BDS. É por isso que Israel representa uma grande ameaça à liberdade de expressão na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos.

No ano passado, o então ministro de “Assuntos Estratégicos” de Israel, Gilad Erdan, assumiu o crédito em nome do governo israelense por uma onda de leis e medidas anti-BDS nos EUA. “Nossos esforços estão produzindo resultados”, disse ele. “Vinte e sete estados dos EUA agora têm legislação contra o BDS. Vamos dar uma mão a todos os governadores e legisladores estaduais que apoiaram esta lei. Eles a merecem”.

Desde então, esse número subiu para 30 estados americanos, com 202 projetos de lei anti-BDS introduzidos até o momento.

Além disso, apenas esta semana, o primeiro-ministro canadense Justin Trudeau ungiu o lobista pró-Israel Irwin Cotler como o “embaixador especial” do Canadá contra o antissemitismo. O verdadeiro papel de Cotler, porém, não será proteger os judeus contra a intolerância ou o ódio. Em vez disso, será para implementar e fazer cumprir a falsa definição de antissemitismo da International Holocaust Remembrance Alliance, que confunde crítica a Israel e sionismo com ódio aos judeus.

Como a organização canadense Independent Jewish Voicesexplicou na quarta-feira, Cotler “há muito é um dos principais defensores do discurso do ‘novo antissemitismo’, que descreve os defensores dos direitos humanos palestinos como antissemitas. Sua indicação hoje para este cargo é preocupante. ”

LEIA: BDS condena acusações de antissemitismo de Washington

A nomeação de Cotler por Trudeau é bastante semelhante à nomeação de Kenneth Marcus por Trump em 2018 como o principal defensor dos direitos civis do Departamento de Educação dos Estados Unidos. Em ambos os casos, os governos ocidentais estavam colocando a raposa no comando do galinheiro. Durante anos, Marcus foi o pioneiro da estratégia “lawfare” de abuso da lei dos direitos civis dos Estados Unidos, tentando mobilizá-la em defesa dos crimes israelenses e argumentando que as críticas a Israel eram “antissemitas”. Trump nomeou Marcus a pedido do lobby pró-Israel para comandar o mesmo departamento governamental em que ele vinha fazendo lobby por anos como um “agente da lei” em nome do Estado de Israel.

Enfrentamos uma ameaça semelhante na Grã-Bretanha, com a nomeação pelo governo de John Mann – um ex-parlamentar trabalhista que era tão anti-socialista que renunciou ao partido de Jeremy Corbyn e recebeu um título vitalício em troca – já que é o chamado “Anti -Semitism Tsar “. A ironia é óbvia, visto que os verdadeiros czares eram brutal e violentamente antissemitas na Rússia antes de serem derrubados pela revolução comunista em 1917.

Mann basicamente baseou toda a sua carreira em difamar o ativismo de solidariedade palestina como “antissemitismo”. Mais uma vez, em um grande país ocidental, a raposa foi encarregada do galinheiro. A ameaça estratégica de Israel à nossa liberdade de expressão está de fato crescendo.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoInquéritoIsraelOpiniãoOriente Médio
Show Comments
Show Comments