Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Mulher ateia fogo a si mesma e choca o Irã

Jovens iranianas caminhas em frente a um mural com a bandeira nacional, no centro de Teerã, capital do Irã, 23 de abril de 2019 [Atta Kenare/AFP/Getty Images]
Jovens iranianas caminhas em frente a um mural com a bandeira nacional, no centro de Teerã, capital do Irã, 23 de abril de 2019 [Atta Kenare/AFP/Getty Images]

Um incidente chocante, no qual uma mulher iraniana ateou fogo em si mesma, despertou indignação generalizada por todo o Irã, reportou a agência Anadolu.

O caso foi registrado na última quinta-feira (19), na cidade portuária de Bandar Abbas, na província de Hormozgan, sul do país, onde a cidadã de 35 anos tentou realizar autoimolação após sua casa ser demolida por autoridades locais.

De acordo com relatos próximos, a vítima vivia com seus dois filhos, junto de duas outras mulheres com suas respectivas crianças, em uma barraco localizado na região de Bist o Davam, na periferia da cidade.

A mulher, segundo as fontes, sofreu queimaduras substanciais e está em tratamento em um hospital da cidade costeira. Seus filhos e os outros ocupantes estão agora desabrigados.

Na sexta-feira (20), oficiais da província visitaram a vítima no hospital e reportaram ordens para abertura de um inquérito sobre todo o episódio, que viralizou nas redes sociais.

A cidade portuária de Bandar Abbas, situada estrategicamente na entrada do Golfo Persa, às margens do Estreito de Ormuz, foi vista durante muito tempo como potencial centro de comércio para toda a região.

LEIA: Irã solta temporariamente a advogada de direitos humanos Nasrin Sotoudeh

Contudo, foi reduzida a um conjunto de guetos ocupados por uma população empobrecida. Segundo estimativas oficiais, menos da metade da população na cidade – em torno de 240.000 pessoas – vivem em casas adequadas e devidamente autorizadas.

O incidente chocante retornou os holofotes à miséria que toma conta da província iraniana, sob condições cada vez mais difíceis de subsistência e evidente indiferença das autoridades locais sobre os problemas que afligem a população.

Oficiais da prefeitura de Bandar Abbas alegaram que um alerta foi dado aos ocupantes da residência para evacuarem o local, dado que a terra pertence ao governo, supostamente “situada sobre um canal de controle de inundações”.

Entretanto, os parentes da vítima relataram pedidos reiterados para que as autoridades municipais não executassem a demolição, ao argumentar que as famílias residiam no local “por necessidade, não por escolha”.

O incidente resultou em críticas contundentes às autoridades, por todo o Irã.

Samieh Rafiee, advogado em Teerã, capital do país, denunciou a ação e reivindicou “emendas às leis existentes”, a fim de impedir que tais injustiças aconteçam novamente no futuro.

Ali Reza Zakhani, advogado na cidade de Qom, descreveu o caso como “episódio amargo” e exemplo do “comportamento discriminatório” contra a população mais pobre do Irã.

LEIA: Mulher iraniana é presa por andar de bicicleta sem hijab

Categorias
IrãNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments