Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Outra mulher é assassinada na Líbia, mas ninguém é responsabilizado

Hanan Al-Barassi, conhecida advogada e ativista de direitos humanos foi assassinada na Líbia, em 10 de novembro de 2020 [PeaceMusicLovee/Twitter]
Hanan Al-Barassi, conhecida advogada e ativista de direitos humanos foi assassinada na Líbia, em 10 de novembro de 2020 [PeaceMusicLovee/Twitter]

Uma conhecida advogada e ativista de direitos humanos foi abatida a tiros em Benghazi, na Líbia, no último dia 10 de novembro. Hanan Al-Barassi, conhecida como “Vovó de Burqa”, foi assassinada em torno das 14 horas locais em uma das ruas mais movimentadas da cidade. Segundo a diretoria de segurança de Benghazi, um grupo de “homens mascarados não-identificados” tentou primeiro sequestrar Al-Barassi, ao arrastá-la à força de uma loja, então a executou a tiros.

Além disso, ainda em 10 de novembro, a filha única de Al-Barrasi, estudante de direito em uma universidade local, sobreviveu a uma aparente tentativa de sequestro, também conduzida por dois atiradores mascarados, que tentaram forçá-la a parar o carro nos subúrbios de Benghazi. A estudante conseguiu fugir.

Sequestros e desaparecimentos forçados são bastante comuns no país norte-africano. Mohamed Baiyou, Ministro de Informações do Governo de União Nacional, reconhecido pela ONU, com sede em Trípoli, foi sequestrado em outubro. Baiyou foi libertado em 10 de novembro e ninguém foi identificado como responsável, apesar do fato dos sequestradores serem aparentemente conhecidos.

Benghazi, como toda a região de Burqa, está sob controle do chamado Exército Nacional da Líbia (ENL), braço armado do governo paralelo sediado na cidade, não reconhecido por qualquer outro país ou pela ONU.

LEIA: OIM resgata 575 refugiados na costa da Líbia

Al-Barassi era célebre por suas duras críticas à corrupção, violação de direitos humanos, abuso de poder e nepotismo na Líbia, que denunciava especialmente por meio de seus vídeos amadores compartilhados no YouTube. Os vídeos reiteram sua crítica contundente à situação no leste da Líbia, controlada pelo general renegado Khalifa Haftar, líder máximo do ENL.

Na véspera de seu assassinato, a advogada postou um vídeo criticando Haftar e seus dois filhos, ao idenficá-los por nome e sobrenome. Al-Barrasi falou diretamente a Haftar, ao afirmar que o povo da Líbia não quer “um negócio de família” nos assuntos públicos. A família de Haftar é bastante temida no leste da Líbia e desfruta de grande influência na vida cotidiana da população local.

O sanguinário Haftar [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

O sanguinário Haftar [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Até então, ninguém assumiu responsabilidade pelo assassinato de Al-Barassi, mas muitas pessoas acreditam que a advogada e ativista foi executada justamente por aquele vídeo. Dedos em riste indicam responsabilidade do filho de Haftar, Saddam, ao invés do próprio comandante militar.

O Ministro do Interior no leste Líbia, Ibrahim Abu Shnaf, anunciou no Facebook ter ordenado todas as agências de segurança a trabalhar duro para capturar os criminosos e levá-los à justiça. Contudo, pouco se espera a seguir.

Em 12 de novembro, a diretoria de segurança em Benghazi publicou a suposta imagem de um dos suspeitos e apelou ao público para ajudar a identificá-lo. Muitos usuários das redes sociais, contudo, levantaram dúvidas sobre a imagem obscura e questionaram a própria seriedade das forças de segurança em Benghazi. Outros usuários foram além, ao acusar as agências de segurança e o ENL de tentar acobertar o crime.

LEIA: Líbia alcança um acordo de cessar-fogo imediato

Este último assassinato ocorre no contexto dos encontros do Fóum Político da Líbia, realizados em Túnis, sob os auspícios da Missão de Apoio das Nações Unidas na Líbia (UNSMIL). A delegação da ONU rapidamente condenou o assassinato, ao afirmar que a morte de Al-Barassi “ilustra as ameaças enfrentadas pelas mulheres líbias que ousam ter voz.”

É fato que sua execução não é o único exemplo de violência letal contra ativistas mulheres na Líbia. As mulheres enfrentam uma luta contra a corrente em um país caótico e sem leis, dominado por milícias armadas espalhadas por todo o território nacional.

Em 16 de julho de 2019, Siham Sergiwa, uma das muitas parlamentares líbias críticas à conjuntura, foi sequestrada de sua casa em Benghazi. Sergiwa desapareceu após participar de um programa de entrevistas na televisão, no qual questionou os ataques do ENL a Trípoli. Em abril daquele ano, as forças de Haftar lançaram uma ofensiva militar contundente contra a capital líbia, mas foram derrotadas em junho último.

Salwa Bugaighis, outra advogada e ativista de Benghazi, foi baleada e morta em sua casa, logo após votar nas eleições parlamentar de 25 de junho de 2014. Ninguém foi sequer indiciado por seu assassinato. Um mês depois, outra ex-parlamentar, Fariha Barkawi, foi executada em sua cidade natal de Derna, nordeste de Benghazi. Novamente, ninguém foi acusado.

Entretanto, o caso de Al-Barassi é único, de certa forma, pois ela jamais assumiu qualquer cargo público em sua carreira, tampouco trabalhava para qualquer partido político. Em seus muitos vídeos postados no YouTube, a maioria gravados enquanto dirigia, Al-Barassi defendia uma Líbia unida, pacífica e estável.

LEIA: Uma Líbia unida pós-colonial parece cada vez mais um sonho distante

De fato, apoiou logo no início a intervenção da OTAN no país norte-africano, em 2011, que ajudou rebeldes locais a depor o governo de Muammar Gaddafi. Nos últimos anos, contudo, mostrou pesar pela intervenção, ao ponto de solicitar julgamento sobre si própria por tal apoio. Em um de seus vídeos, Al-Barassi afirmou que Gaddafi jamais seria capaz de ferir uma mulher; ao contrário, costumava apoiá-las.

Um amigo de Al-Barassi, que – compreensivelmente – pediu para permanecer anônimo, relatou-me tentar advertí-la sobre os riscos, dois dias antes do assassinato, ao pedir à ativista que mantivesse discrição por algum tempo. Chegou a oferecer sua casa como refúgio em outra cidade, até que a situação se acalmasse em Benghazi. Al-Barassi, porém, recusou: “Caso queiram me matar, já não me importo mais”.

Ibrahim Abu Shnaf agora encontra-se em uma posição bastante difícil em termos morais e éticos, como Ministro do Interior no leste da Líbia. O promotor, certa vez respeitado e ilustre, sempre orgulhou-se de possuir uma consciência própria, antes de filiar-se à autoridade comandada por Haftar. Siham Sergiwa foi sequestrada durante sua gestão e Al-Barassi foi agora executada. O ministro, entretanto, não renunciou, o que seria razoável para alguém com o seu histórico. “Esperamos justiça dele”, declarou o amigo de Al-Barassi, “mas parece que ele é igual aos outros.”

Mesmo após todos esses assassinatos e sequestros, sequer um único oficial renunciou ou foi demitido. Sem ninguém para indiciar, parece que a impunidade persevera naquela parte da Líbia. A arbitrariedade torna-se rapidamente uma norma aceita.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoLíbiaONUOpiniãoOrganizações Internacionais
Show Comments
Show Comments