Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Irã nega que nº 2 da Al Qaeda tenha sido morto em Teerã

O Irã contestou uma reportagem recente do The New York Times de que um importante líder da Al-Qaeda teria sido morto em sua capital, Teerã, três meses atrás por dois assassinos israelenses

No sábado, o NYT disse que Abdullah Ahmed Abdullah, também conhecido como Abu Muhammad Al-Masri, o segundo no comando do grupo terrorista, foi morto a tiros na rua, em 7 de agosto, junto com sua filha, por assassinos em uma motocicleta, supostamente a mando dos EUA.

De acordo com funcionários da inteligência dos EUA, ele estava sob “custódia” do Irã desde 2003, mas vivia livremente no luxuoso distrito de Pasdaran, em Teerã, pelo menos desde 2015. Embora a organização jihadista sunita se oponha veementemente à teocracia xiita do Irã e tenha lutado contra isso em conflitos regionais, a reportagem explica ser plausível que, ao manter oficiais da Al-Qaeda em Teerã, o Irã receba alguma garantia de que o grupo não realizará operações dentro de suas fronteiras ou contra os EUA .

No entanto, horas depois da reportagem, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores iraniano, Saeed Khatibzadeh, rejeitou as afirmações como “uma encenação ao estilo de Hollywood” por autoridades americanas e israelenses, , afirmando que não havia terroristas da Al-Qaeda em seu país.

LEIA: Irã golpeia rebeldes na fronteira noroeste – mídia estatal

“Para se esquivar da responsabilidade pelas atividades criminosas desse grupo e de outros grupos terroristas na região, Washington e tentam, Tel Aviv de vez em quando, pintar o Irã como estando vinculado a esses grupos por meio de mentiras e vazamento de informações fabricadas para a mídia”, disse ele.

“Essa abordagem se tornou uma tendência perene sob o atual governo dos Estados Unidos, e a Casa Branca tentou fazer avanços em seu esquema de iranofobia repetindo tais alegações”, acrescentou Khatibzadeh.

A mídia iraniana identificou as vítimas como sendo o professor de História libanês, Habib Daoud, e sua filha Maryam, através de um canal de notícias libanês e várias contas não oficiais da mídia social no Irã, os quais mostram que Daoud era membro do Hezbollah, embora o artigo do Times tenha lançado dúvidas sobre a veracidade da história .

Al-Masri foi um dos membros fundadores da Al-Qaeda e foi considerado o primeiro na linha para liderar a organização depois de seu atual líder, Ayman Al-Zawahri, que sucedeu Osama Bin Laden desde junho de 2011, após sua morte. A filha de Al-Masri, Maryam, era viúva do filho de Bin Laden, Hamza. Há relatos não confirmados de que Al-Zawahiri morreu no mês passado devido a causas naturais.

LEIA: Irã e Iraque discutem fortalecimento da cooperação militar

Categorias
Ásia & AméricasEUAIrãNotíciaOriente MédioVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments