Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Comitê palestino faz campanha pela vida de Maher Al-Akhras

Prisioneiro palestino na prisão israelense Maher Al-Akhras [Agência Mostafa Alkharouf / Anadolu]
Prisioneiro palestino na prisão israelense Maher Al-Akhras [Agência Mostafa Alkharouf / Anadolu]

Após uma greve de fome de 100 dias, a vida de Maher Al-Akhras, sob detenção israelense, está eminentemente ameaçada.

O comitê da campanha por Boicote, Desinvestimento em Sanção (BDS) lançou uma chamada aos grupos de solidariedade de todo mundo para que intensifiquem a pressão sobre o regime de apartheid israelense para que liberem Maher Al-Akhras de forma imediata e incondicional.

O cidadão palestino Maher Al-Akhras, de 49 anos e pai de seis filhos, está em greve de fome desde 27 de julho de 2020 até hoje, 100 dias, em protesto à sua detenção administrativa (detenção sem acusação ou julgamento) por parte das forças de ocupação israelense. Esta é a quinta vez que Israel o prende. Sua única exigência é ser liberado.

Embora a saúde de Al-Akhras esteja se deteriorando e a sua vida esteja em grave perigo, o regime de apartheid isralense, com a cumplicidade do seu Tribunal Superior, o mantêm detido sob vigilância em um hospital israelense.

O Conselho de Organizações de Direitos Humanos Palestinos (PHROC, por suas siglas em inglês) disse que “a vida de Maher está grave e eminentemente ameaçada no Centro Médico Kaplan. Devido a uma deficiência de sais e líquidos em seu corpo e sua negativa em tomar suplementos nutricionais, Maher tem passado por convulsões frequentes, dores de cabeças agudas, debilidade significativa em sua visão e audição, além de dores severas em todo o seu corpo, especialmente na área do peito”.

Michael Lynk, relator especial da ONU para os territórios palestinos ocupados, pediu a liberação imediata de Al-Akhras e o fim da prática ilegal de detenção administrativa por parte de Israel. A Associação Internacional de Advogados Democratas pediu a liberação imediata de Al-Akhras e pediu aos governos, incluindo o governo dos Estados Unidos e o governo europeu, que deixem de apoiar os crimes de guerra israelenses e os crimes contra a humanidade.

LEIA: Greves de fome expõem a detenção injusta e prisões políticas em Israel

O Comitê Nacional Palestino de BDS (BNC), a maior coalizão da sociedade palestina convoca os grupos de solidariedade de todo o mundo a intensificar a pressão sobre Israel para liberar Maher Al-Akhras de forma imediata e incondicional. O regime de extrema direita de Israel deve ser obrigado através do BDS e outras formas de pressão pacífica a cumprir com suas obrigações de acordo com o direito internacional e respeitar os direitos dos palestinos, incluindo os presos políticos.

As empresas israelenses e internacionais que se beneficiam do encarceramento, da ocupação militar e do apartheid israelense devem enfrentar graves consequências em termos de contratos perdidos, licitações e investimento. Uma forma poderosa de apoiar os direitos palestinos é apoiar os boicotes a estas empresas, incluindo a Elbit Systems, por vender armas provadas em palestinos; G4S, por dirigir a Academia Central de Treinamento da Polícia de Israel; e a HP, por fornecer tecnologia para os postos de controle de Israel e o registro da população sob apartheid, entre outras.

A detenção administrativa é um procedimento que permite às autoridades de ocupação israelenses manter prisioneiros indefinidamente com informações “secretas”, sem acusá-los ou permitir que sejam submetidos a um julgamento justo. Na prática, Israel usa rotineiramente a detenção administrativa em violação dos parâmetros estritos estabelecidos pelo direito internacional.

De acordo com a organização de direitos dos prisioneiros palestinos Addameer, Israel tem atualmente mais de 4.400 presos políticos palestinos, 350 detenções administrativas e 155 crianças presas em suas masmorras. Israel usa regularmente tortura e maus-tratos contra detidos palestinos, incluindo crianças, conforme documentado por organizações palestinas, israelenses e internacionais de direitos humanos.

LEIA: Gaza solidariza-se com o prisioneiro em greve de fome Maher Al-Akhras

Além disso, Israel não protegeu adequadamente os prisioneiros políticos palestinos do coronavírus. Por exemplo, apenas no último dia, Israel anunciou mais de 73 novos casos de COVID-19 entre prisioneiros palestinos na prisão “Gilboa”.

A campanha BDS diz que é “hora de agir para salvar a vida de Maher Al-Akhras e defender os direitos humanos básicos de todos os palestinos”

Publicado originalmente em Comitê Nacional Palestino do BDS (BNC)

Traduzido por Juliana Siegmann

Categorias
BDSIsraelNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments