Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Greves de fome expõem a detenção injusta e prisões políticas em Israel

Manifestação em Gaza para apoiar Maher Al-Akhras, um prisioneiro palestino em greve de fome em 23 de outubro de 2020 [Ali Jadallah / Agência Anadolu]
Manifestação em Gaza para apoiar Maher Al-Akhras, um prisioneiro palestino em greve de fome em 23 de outubro de 2020 [Ali Jadallah / Agência Anadolu]

Exigir a liberdade de um prisioneiro político palestino é o que Israel espera da comunidade internacional. O último detido a fazer greve de fome para protestar contra a ordem de detenção administrativa que o mantém na prisão por tempo indeterminado, sem acusações formais nem julgamento, é Maher Al-Akhras. Seu protesto já ultrapassou 90 dias e ele está em uma condição frágil. Motiva a “preocupação” da ONU com os direitos humanos ao mesmo tempo em que esta desconsidera a violência colonial israelense que prendeu milhares de palestinos meramente por exercerem seu direito à resistência anticolonial.

Al-Akhras foi preso em 27 de julho e submetido a uma ordem de detenção administrativa renovável em agosto, supostamente por ser membro da Jihad Islâmica. Foi submetido ao mesmo calvário em 2009 com ordem de administração por 16 meses, e também em 2018 por 11 meses. Três outros prisioneiros palestinos iniciaram suas próprias greves de fome em solidariedade a Al-Akhras; sua situação ainda não é terrível o suficiente para justificar a atenção da mídia ou declarações da ONU, porque as vidas dos prisioneiros palestinos dentro do contexto internacional são relevantes apenas em termos de quão perto eles estão da morte.

Prisioneiro palestino Maher Al-Akhras e sua filha

Prisioneiro palestino Maher Al-Akhras e sua filha

Em uma declaração sobre a deterioração da saúde de Al-Akhras, o Relator Especial da ONU, Michael Lynk, condenou o conceito de detenção administrativa como “um anátema em qualquer sociedade democrática que segue o Estado de Direito”. As forças de segurança israelenses, disse Lynk, “não forneceram nenhuma evidência convincente em uma audiência pública para justificar sua alegação de que ele [al-Akhras] é uma ameaça à segurança”. A ONU sabe que Israel justifica suas ações por meio de sua narrativa de “segurança” e “autodefesa”, sem o ônus de realmente provar que existe qualquer ameaça à segurança.

LEIA: Israel submete crianças palestinas a abusos físicos e psicológicos

A detenção administrativa é indiscutivelmente uma das práticas que mais define Israel e o que ela representa: a perpetuação da violência opressiva na qual os palestinos não têm direitos e qualquer reconhecimento de tais violações da comunidade internacional requer representações da mídia de um prisioneiro palestino à beira de morte. Em outras palavras, a menos que a mídia sensacionalize as greves de fome, a ONU – a suposta guardiã dos direitos humanos – não se sente responsável por agir. Presumivelmente, isso ocorre porque a comunidade internacional está acostumada a ver palestinos mortos ou moribundos, e interromper tal violência normalizada não é um bom presságio em termos da manutenção das violações pela instituição para manter sua relevância.

Fora do contexto atual, as práticas de detenção administrativa de Israel não preocupam a comunidade internacional, assim como os prisioneiros palestinos não chamam a atenção a menos que sejam transformados pelas narrativas da mídia em grevistas de fome e, portanto, dignos de publicidade. Quem se lembra de Samer Issawi agora? Uma vez transformado em ícone de resistência, apenas para ser esquecido uma vez liberado, pois seu nome não tinha mais função de mídia.

A verdade é que os palestinos em greve de fome são forragem para exploração e quando seu propósito é atendido, sua identidade se perde nas estatísticas. O sensacionalismo em relação às greves de fome está desviando a atenção da realidade da detenção administrativa por meio da qual Israel mantém os prisioneiros políticos palestinos atrás das grades. A cada ocorrência repetitiva, o ativismo está sendo aprisionado na ilusão de vitória. Se Al-Akhras for libertado, não deve ser exibido como uma vitória até que o sistema penitenciário injusto da ocupação deixe de funcionar e também a vigilância militarizada imposta aos palestinos.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
BlogBlogs - PoliticsIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments