Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Armênios em Israel protestam contra venda de armas ao Azerbaijão

Exército do Azerbaijão disparando contra posições armênias em 20 de outubro de 2020 [Ministério da Defesa do Azerbaijão/ Agência Anadolu]
Exército do Azerbaijão disparando contra posições armênias em 20 de outubro de 2020 [Ministério da Defesa do Azerbaijão/ Agência Anadolu]

As vendas de armas israelenses para os focos de conflito globais ganharam as manchetes novamente. Desta vez, armênios que vivem no estado sionista se reuniram em Tel Aviv para protestar em frente às principais empresas de radiodifusão do país, exigindo que cobrissem o papel de Israel no fornecimento de armas ao Azerbaijão.

Os detalhes do protesto foram cobertos pelo Asbarez, um jornal diário bilíngue armênio-americano. “A arma do ‘exército mais moral do mundo … a única democracia no Oriente Médio’, como Israel se apresenta, é usada hoje para atacar civis inocentes, mulheres, crianças, idosos, para bombardear hospitais e igrejas”, disse o jornal ao explicar a crescente indignação contra o estado sionista.

Os manifestantes acusaram a mídia israelense de ignorar o papel do país em armar o Azerbaijão, que declarou estar em estado de guerra com a Armênia no final de setembro. Diz-se que Israel fornece 60 por cento do armamento militar do Azerbaijão, incluindo drones e bombas explosivas mortais, que são proibidos por quase 100 países.

Entre o arsenal vendido pelos israelenses ao Azerbaijão está um “drone suicida” ou “drone kamikaze”. Estima-se que cerca de dez dessas armas letais foram vendidas para o Azerbaijão.

LEIA: Onde vai Nagorno-Karabakh?

“O silêncio mata”, disseram os manifestantes. “Seis milhões de judeus foram assassinados no Holocausto porque o mundo permaneceu em silêncio. Viemos para lembrar a mídia que um país que lida com o trauma coletivo do Holocausto não tem o direito moral de contribuir e fechar os olhos para o genocídio da outra nação. ”

A venda de armas israelenses para alguns dos maiores focos de conflito é um tema comum que atraiu críticas da ONU. Em 2019, a ONU atacou as vendas de armas israelenses a Mianmar em seu relatório sobre o genocídio de Rohingya.

Ontem, a BBC previu uma nova “corrida armamentista” no Oriente Médio liderada por Israel e os Emirados Árabes Unidos. Os dois países normalizaram as relações em agosto.

Categorias
ArmêniaAzerbaijãoIsraelNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments