Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

França exige que países árabes impeçam boicote a suas empresas

Kuwaitianos levantam cartazes contra o presidente francês Emmanuel Macron na Cidade do Kuwait, em 24 de outubro de 2020 [AFP/ Getty Images]
Kuwaitianos levantam cartazes contra o presidente francês Emmanuel Macron na Cidade do Kuwait, em 24 de outubro de 2020 [AFP/ Getty Images]

A França exortou os países árabes e de maioria muçulmana a interromper as campanhas de boicote aos produtos e negócios franceses, após apelos à ação sobre a publicação francesa de caricaturas satíricas do profeta islâmico Maomé (SAAS).

Um comunicado divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores da França ontem condenou os apelos por um boicote aos produtos feitos e vendidos por empresas francesas, como produtos alimentícios e acessórios de moda, além de pedir o fim dos protestos contra as recentes ações da França. “Essas chamadas de boicote são infundadas e devem parar imediatamente, assim como todos os ataques contra nosso país, que estão sendo promovidos por uma minoria radical”, disse o comunicado.

Nas últimas semanas, o presidente francês Emmanuel Macron lançou uma feroz campanha contra o que chamou de “separatismo islâmico”. O fato foi desencadeado pela decapitação de um professor de francês por um extremista por causa de sua exibição de caricaturas do Profeta Maomé (SAAS) em sua classe, resultando em uma repressão do governo contra uma organização não governamental muçulmana dentro do país.

Macron também se recusou a condenar as caricaturas desrespeitosas divulgadas, afirmando que o país não desistirá de fazer as caricaturas do profeta Islâmico com base na liberdade de expressão. Em um tweet que postou ontem, ele enfatizou que “Não cederemos, nunca”, alegando que “Respeitamos todas as diferenças em um espírito de paz. Não aceitamos discurso de ódio e defendemos um debate razoável. ”

A repressão do governo francês à comunidade muçulmana francesa e sua insistência em publicar as charges foram vistas como um insulto por muitos muçulmanos ao redor do mundo e levaram alguns no Oriente Médio a iniciar o boicote.

A União das Sociedades Cooperativas de Consumo do Kuwait, por exemplo, já teria retirado produtos de empresas francesas das prateleiras das lojas. De acordo com a agência de notícias britânica Reuters, o chefe do sindicato disse: “Todos os produtos franceses foram removidos de todas as sociedades cooperativas de consumo”. A mudança, que foi tomada independentemente do governo do Kuwait, foi justificada como resposta a “insultos repetidos” ao profeta.

LEIA: A politização de civilizações e ideologias: Macron, Charlie Hebdo e blasfêmia na França

Solicitações para implementar políticas semelhantes também foram feitas em países como Catar, Jordânia e Arábia Saudita. Nenhuma medida endossada pelo governo foi implementada até agora, no entanto, e não houve qualquer condenação do governo além da Turquia.

A questão prejudicou ainda mais as relações entre a França e a Turquia, com o presidente turco Recep Tayyip Erdogan sugerindo que Macron sofre de problemas de saúde mental. “Qual é o problema dessa pessoa chamada Macron com os muçulmanos e o islã? Macron precisa de tratamento em um nível mental ”, disse Erdogan durante uma reunião do partido na semana passada.

Ele condenou os disparos de Macron contra a comunidade muçulmana, perguntando: “O que mais pode ser dito a um chefe de Estado que não entende a liberdade de crença e que se comporta dessa forma para com milhões de pessoas que vivem em seu país e que são membros de um outra fé?”

Em resposta aos comentários de Erdogan, a França retirou seu embaixador da Turquia, condenando o “excesso e rudeza” do presidente turco.

LEIA: Macron está realmente trabalhando para desradicalizar o Islã?

Categorias
CatarEuropa & RússiaFrançaKuwaitNotíciaOriente MédioTurquia
Show Comments
Show Comments