Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Na Prisão de Tora, no Egito, 75% estão em greve de fome

Torres de vigia na prisão de Tora, na capital egípcia Cairo. [Khaled Desouki/ AFP/Images]
Torres de vigia na prisão de Tora, na capital egípcia Cairo. [Khaled Desouki/ AFP/Images]

A greve de fome na Prisão de Tora Istiqbal em vigor desde domingo atingiu quase 75 por cento dos detentos da prisão.

A organização de direitos humanos We Record disse que todos os prisioneiros no Bloco A declararam estar em greve de fome, exceto quatro celas, enquanto 70 por cento do bloco B anunciou que entrariam em greve, 50 por cento da ala C e 100 por cento do bloco D.

A greve foi provocada pela tortura de dois internos com choques elétricos no início deste mês. Eles foram despojados de suas roupas, suas celas esvaziadas e eles foram levados para as celas disciplinares em suas roupas íntimas.

Outros detidos tiveram alimentos, colchões, ventiladores e pertences pessoais confiscados das celas, estão proibidos de visitar a clínica, a cantina e o pátio de exercícios e são algemados quando seus familiares vêm visitá-los.

Os detidos exigem que seja realizada uma investigação credível sobre o tratamento dos detidos e, até então, não estão a comer as pequenas quantidades de alimentos fornecidas pela administração penitenciária.

LEIA: Jovem egípcia morre após ser assediada sexualmente e arrastada por van

Já os idosos e presidiários com doenças crônicas ou condições de saúde em deterioração estão em risco com a escassez de alimentos.

No mês passado, o Ministro do Interior anunciou que quatro detidos e quatro guardas prisionais foram mortos depois de uma tentativa de fuga da prisão Scorpion, que também é parte do complexo de Tora, e defensores dos direitos humanos dizem que essas medidas arbitrárias são uma reação a este incidente.

Pouco depois, 15 presos políticos no mesmo quarteirão da suposta fuga da prisão foram executados, o que os defensores dos direitos humanos disseram ser um aviso para o resto das testemunhas ficarem caladas.

Grupos de direitos humanos lançaram suspeitas sobre a versão dos eventos dada pelo Ministério do Interior, uma vez que Scorpion é uma das prisões mais seguras do país.

As duras medidas contra os detidos também foram apontadas pelos grupos.

Em uma declaração conjunta, diversas ongs, incluindo o Comitê para a Justiça, ANHRI e Al Nadeem Center, rejeitaram o tratamento dado pelas autoridades egípcias aos detidos:

“As organizações de direitos humanos abaixo assinadas rejeitam categoricamente a contínua política de humilhação praticada pelas autoridades egípcias contra detidos, especialmente presos políticos.”

“Essa política só vai levar a consequências mais negativas, já que vários detidos na prisão de Tora Istiqbal , ao sul do Cairo, começaram uma greve de fome para se opor aos maus tratos da administração da prisão a dois de seus colegas.”

Eles também alertaram que essas medidas arbitrárias podem ser “prelúdio de uma repressão hedionda contra detidos políticos” à medida que campanhas semelhantes começam em outras prisões.

LEIA: Kuwait deporta três dissidentes anti Sisi para o Cairo

Categorias
ÁfricaEgitoNotícia
Show Comments
Show Comments