Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Trump ou Biden, não importa. Palestina e seu povo serão traídos

Donald Trump (esq.), em Des Moines, Iowa, em 14 de outubro de 2020 [Alex Edolman/ AFP via Getty Images]. Joe Biden (dir.) em Miramar, Flórida, em 13 de outubro de 2020 [Jim Watson/ AFP via Getty Images]
Donald Trump (esq.), em Des Moines, Iowa, em 14 de outubro de 2020 [Alex Edolman/ AFP via Getty Images]. Joe Biden (dir.) em Miramar, Flórida, em 13 de outubro de 2020 [Jim Watson/ AFP via Getty Images]

As principais concessões políticas a Israel feitas pelo presidente dos EUA, Donald Trump, influenciam tanto o estado de ocupação quanto a Autoridade Palestina, em termos de quem cada um preferiria ver vencendo as prévias presidenciais do próximo mês. Uma pesquisa recente revelou a preferência do público israelense por Trump, enquanto a Autoridade Palestina tomou a posição oposta. “Se vamos viver mais quatro anos com o presidente Trump, Deus nos ajude, Deus os ajude e Deus ajude o mundo inteiro”, disse o primeiro-ministro da AP, Mohammad Shtayyeh, a autoridade da UE.

Como é típico da AP, a liderança está tentando escolher entre ação aberta e encoberta, determinando que a primeira seja o pior cenário possível. Não há percepção, ou pelo menos nenhuma admissão, de que Israel possa jogar ambas as possibilidades presidenciais a seu favor, porque a AP se amarrou ao jogo de espera designado pela comunidade internacional.

Biden pode não apoiar uma anexação, que é uma das principais controvérsias que a AP  está discutindo. No entanto, o movimento da normalização pode abrir um novo capítulo para a diplomacia dos EUA com Israel, mesmo se Biden decidir reverter algumas decisões de Trump, como aquelas que excluem a Autoridade Palestina e cortam a ajuda financeira. Um novo presidente dos EUA pode manter as aberturas feitas em relação a Israel, enquanto dá à AP pedaços do que ela perdeu nos últimos quatro anos, garantindo assim um desequilíbrio político contínuo, mesmo se o paradigma de dois estados for ressuscitado e os EUA exigirem novamente a conformidade com os parâmetros internacionais.

LEIA: Os EUA e a disputa geopolítica por meio do investimento em infraestrutura

A AP está vários passos atrás das decisões rápidas dos últimos meses, com uma anexação sendo arquivada em favor da normalização. Enquanto Ramallah implora à comunidade internacional por apoio político, vários líderes mundiais afirmam que são a favor da normalização, que foi construída como impulso para negociações diplomáticas para a solução de dois Estados. A AP é dependente da política de dois estados, e a comunidade internacional não abandonará sua diplomacia, apesar de estar obsoleta. No entanto, é a comunidade internacional que está em poder de determinar como essas relações continuarão e em que termos, o que significa que não haverá escrúpulos em adotar vertentes da política externa dos EUA que são prejudiciais aos palestinos, como é o compromisso sobre dois estados, por exemplo.

Pessoas se reúnem para protestar contra o plano do presidente dos EUA Donald Trump para o Oriente Médio após a oração de sexta-feira, perto do prédio da embaixada dos EUA em Amã, Jordânia, em 31 de janeiro de 2020. [Laıth Al-jnaıdı - Agência Anadolu]

Pessoas se reúnem para protestar contra o plano do presidente dos EUA Donald Trump para o Oriente Médio após a oração de sexta-feira, perto do prédio da embaixada dos EUA em Amã, Jordânia, em 31 de janeiro de 2020. [Laıth Al-jnaıdı – Agência Anadolu]

Resumidamente, a AP está torcendo por Biden, embora saiba que não haverá ganho político para os palestinos em termos de deter o avanço colonial de Israel. Os EUA estão comprometidos com a segurança de Israel, independentemente de quem ocupar a Casa Branca, mesmo que a Autoridade Palestina não pareça entender. Se Biden se tornar presidente e revogar algumas das decisões de Trump, a AP pode sentir que recuperou sua posição diplomática em termos de política dos EUA, mas os candidatos são as duas faces da mesma moeda. Trump ou Biden, realmente não importa. A Palestina e seu povo serão traídos porque essa é a posição padrão dos EUA, não importa quem está sem comando.

Uma vitória de Biden não se traduzirá, portanto, em ganhos para o povo palestino; será apenas uma sequência diferente de perdas. A escolha entre Trump e Biden será, em última análise, uma escolha entre um presidente e outro, não uma escolha entre diferentes políticas e resultados políticos. Este é especialmente o caso, visto que Trump lançou as bases para uma reaproximação entre os EUA e a comunidade internacional em termos de trabalhar em uníssono contra a Palestina, enquanto o furor sobre o “acordo do século” é esquecido no júbilo sobre os Estados árabes ‘ disposição para normalizar as relações com Israel. Tendo isso em mente,qual deles a AP está construindo como um aliado, quando aqueles que ela considera aliados são os aliados dos EUA?

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasBlogs - PoliticsEUAIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments