Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Hora de rasgar os acordos de Oslo

O presidente dos EUA, Bill Clinton (4º dir.) na histórica cerimônia de assinatura dos Acordos de Oslo entre Israel e OLP em 13 de setembro de 1993 na Casa Branca em Washington, DC, ao lado do Ministro das Relações Exteriores de Israel Shimon Peres (esq), das Relações Exteriores da Rússia Ministro Andrei Kozyrev (2º esq.), Primeiro Ministro israelense Yitzhak Rabin (3º E), Presidente da OLP Yasser Arafat (3º dir.), Secretário de Estado dos EUA Warren Christopher (2º dir.) e o diretor político da OLP Mahmoud Abbas (dir). [Luke Frazza/ AFP via Getty Images]
O presidente dos EUA, Bill Clinton (4º dir.) na histórica cerimônia de assinatura dos Acordos de Oslo entre Israel e OLP em 13 de setembro de 1993 na Casa Branca em Washington, DC, ao lado do Ministro das Relações Exteriores de Israel Shimon Peres (esq), das Relações Exteriores da Rússia Ministro Andrei Kozyrev (2º esq.), Primeiro Ministro israelense Yitzhak Rabin (3º E), Presidente da OLP Yasser Arafat (3º dir.), Secretário de Estado dos EUA Warren Christopher (2º dir.) e o diretor político da OLP Mahmoud Abbas (dir). [Luke Frazza/ AFP via Getty Images]

Nenhuma pessoa sã pode recusar-se a considerar a reconciliação entre as partes em conflito, especialmente se forem da mesma terra. É difícil acreditar que a reconciliação seja possível entre duas partes que caminham na direção oposta, mesmo que rezem para que a parte que vai contra a história, a geografia e a religião mude seu caminho e siga o outro. Isso criaria pelo menos um ponto de encontro no qual a reconciliação não seria apenas possível, mas também uma obrigação.

Digo isso após as tentativas da Turquia de ajudar na reconciliação entre o Fatah e o Hamas, depois que o chefe da Autoridade de Coordenação de Segurança, Mahmoud Abbas, pediu ao presidente Recep Tayyip Erdogan para apoiar os esforços de reconciliação palestinos.

Não há dúvida de que os palestinos precisam de reconciliação agora mais do que nunca. Os desafios que enfrentam são muitos e perigosos, e a unidade dentro das fileiras palestinas é necessária para enfrentar a conspiração para liquidar a causa palestina liderada por Donald Trump, Israel e os regimes árabes sionistas. Eles precisam de unidade para enfrentar a normalização árabe com o inimigo sionista, antes que ela se intensifique e se espalhe por toda a região.

Ainda não está claro qual papel a Turquia pode desempenhar na reconciliação palestina e se criará o ambiente apropriado para acabar com a divisão. A Turquia arcará com o custo desta iniciativa, enquanto o Ocidente e os países árabes sionistas estão à espreita para sabotá-la? Ancara terá sucesso onde Cairo, Meca, Moscou e Beirute falharam?

Foi nessa atmosfera que os líderes do Fatah e do Hamas se reuniram em Ancara e, após as sutilezas diplomáticas usuais, anunciaram um acordo para realizar eleições legislativas e presidenciais em seis meses. Esta não foi a primeira vez que tal anúncio foi feito, mas eles nunca realmente ocorreram. É como se a reconciliação palestina significasse realizar eleições, embora, se fossem realizadas, provavelmente aumentariam a divisão antes e depois do dia da votação. Então, como a reconciliação será alcançada?

LEIA: A maior esperança da Palestina está em seu povo

Por mais de quatorze anos, esforços para reconciliar os palestinos têm sido feitos pelo Egito e outros países. As sutilezas usuais foram seguidas por conversas aqui e ali, resultando em declarações, acordos e negócios que são imediatamente arquivados na lixeira.

Precisamos entender por que tais esforços sempre falham e, para isso, precisamos fazer a pergunta óbvia: com base em que a reconciliação é alcançada entre facções ideologicamente opostas? O Hamas acredita na resistência à ocupação de Israel para libertar a Palestina, desde o Rio Jordão até o Mar Mediterrâneo. O Fatah desviou-se desse caminho e vendeu o sangue dos mártires e sua própria alma no mercado de Oslo.

Acordos de Oslo, 25º aniversário - charge [Sabaaneh/ Monitor do Oriente Médio]

Acordos de Oslo, 25º aniversário – charge [Sabaaneh/ Monitor do Oriente Médio]

O Fatah que negociou em Madri e Oslo não é o mesmo movimento que foi fundado com base na luta de libertação e resistência. Transformou-se em um movimento que criminaliza e combate a resistência e prende seus heróis.

Este é o doloroso paradoxo e o infeliz fim de uma grande luta. Onde antes seus líderes eram valorizados e respeitados, eles agora estão dominados pelo abraço mortal do sionismo.

Desde que a Organização para a Libertação da Palestina assinou os Acordos de Oslo com Israel em 13 de setembro de 1993, segundo os quais o estado de ocupação foi reconhecido e a cláusula para libertar a Palestina do rio para o mar foi removida da Carta Nacional da OLP, o povo palestino tem perdido. Não ganhou nada, mas perdeu quase tudo, incluindo mais terras e mais sangue. Com este maldito acordo, os israelenses tomaram o que não puderam fazer durante a guerra, agora sob a proteção de um “processo de paz” que foi incapaz de impedi-los de roubar cada vez mais terras palestinas para construir assentamentos ilegais. Eles também foram autorizados a matar e prender lutadores pela liberdade palestinos, com a cooperação dos “caras de Oslo” sob o pretexto de uma colaboração de segurança “sagrada” com a ocupação. O principal papel da Autoridade Palestina criada em Oslo é proteger Israel, seus assentamentos e os colonos, bem como suprimir a resistência palestina.

O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu propôs um novo princípio de “paz pela paz” em vez da “terra pela paz” de Oslo, que inclui a retirada de Israel das terras árabes ocupadas. Na assinatura do acordo de normalização com os Emirados Árabes Unidos e Bahrein, ele afirmou que isso se deve à força de Israel. Ele também desconsiderou Oslo e afirmou que este não estipulava que Israel deveria se retirar dos territórios ocupados.

Então, onde está a paz à qual a “Autoridade de Coordenação de Segurança” ainda se apega e usa como desculpa ou justificativa para sua apresentação sob o pretexto de uma escolha “estratégica”? A história nos mostra que os usurpadores nunca buscam a paz com suas vítimas, mas procuram eliminá-las. A vítima que pede paz quando está fraca, não o faz com dignidade nem orgulho. A paz requer força para impô-la em campo, caso contrário, é uma rendição nos termos da parte mais forte. Os palestinos agora têm força ou poder para forçar seu inimigo a buscar um acordo de paz, como fizeram depois da primeira intifada?

LEIA: A coordenação da segurança com Israel e a normalização são duas faces da mesma moeda

Ainda existem aqueles que querem ser despojados de sua única fonte de força para satisfazer seu inimigo e o enganoso mundo ocidental. Em seu discurso perante a Assembleia Geral da ONU, Mahmoud Abbas prometeu combater o terrorismo, sabendo muito bem que os EUA e o inimigo sionista acreditam que a resistência legítima à ocupação ilegítima é “terrorismo” e designam o Hamas como uma “entidade terrorista”. Ele ignora o fato de que a resistência é um direito das pessoas sob ocupação, porque ele quer bajular os sionistas e o Ocidente, e levar seus fundos para a AP corrupta, é claro.

Se Abbas for realmente sincero na reconciliação com o Hamas, em prol da unidade do povo palestino, e não simplesmente para bloquear o caminho de seu rival, Mohammed Dahlan, a quem os israelenses e seus aliados árabes sionistas estão preparando para sucedê-lo, ele deve rasgar os acordos e tirar seu casaco de Oslo. Ele deve carregar um rifle no ombro e vestir o keffiyeh palestino, um símbolo de orgulho e dignidade, para curar a fenda e reunir o povo. Isso permitirá enfrentar os desafios atuais, principalmente os termos injustos do chamado acordo do século.

Ele vai fazer isso? Ele provavelmente não vai, mas se o fizer, vou tirar meu chapéu para ele e me curvar a ele com todas as pessoas livres do mundo em apreço e respeito.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEUAEuropa & RússiaIsraelNoruegaOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments