Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Migrantes desesperados presos em Lesbos procuram abrigo

Refugiados e migrantes do acampamento destruído de Moria cozinham em chamas durante o início da noite na ilha de Lesbos, em 11 de setembro de 2020. - [Angelos Tzortzinis/ AFP via Getty Images]
Refugiados e migrantes do acampamento destruído de Moria cozinham em chamas durante o início da noite na ilha de Lesbos, em 11 de setembro de 2020. - [Angelos Tzortzinis/ AFP via Getty Images]

Migrantes desesperados que ficaram sem abrigo na ilha de Lesbos depois que um incêndio destruiu o maior campo de refugiados da Grécia enfrentaram a polícia na sexta-feira, quando as autoridades começavam a montar centenas de barracas para tentar conter a crise, informou a Reuters.

Com mais de doze mil ex-ocupantes do superlotado centro de recepção Moria, agora acampando nos campos e ao longo das estradas, sem comida ou água e ameaçados por uma possível disseminação de infecções por coronavírus, a necessidade de uma solução tornou-se cada vez mais urgente.

Mas o governo grego foi forçado a agir com cautela devido à crescente revolta entre os residentes de uma ilha cuja localização a poucos quilômetros da costa turca os manteve na linha de frente da crise de imigração da Europa por anos.

“Moria é uma monstruosidade”, disse Dimitris Koursoubas, um alto funcionário responsável pela migração nas ilhas do norte do Mar Egeu, dizendo que o incêndio que destruiu o campo na quarta-feira apresentou uma “oportunidade trágica” para que se  encontre uma solução.

LEIA: Pelo menos 37 milhões de pessoas tornaram-se refugiados pela “guerra ao terror” dos EUA

“Queremos todos os migrantes fora, por razões nacionais. Moria acabou, ”ele disse.

Os migrantes, a maioria da África, Síria ou Afeganistão, estão desesperados para sair da ilha e um grupo de várias centenas se reuniu a alguns quilômetros do porto principal de Mitilene, perto de um supermercado onde helicópteros deixaram  tendas e suprimentos.

Gritando “Liberdade!” e “Sem polícia!” e acenando cartazes feitos à mão com os dizeres “Nenhum novo acampamento” ou “Por favor, ajude-nos!” eles enfrentaram a polícia que os bloqueou na estrada para a cidade.

Autoridades gregas dizem acreditar que o incêndio no centro de Moria foi deliberadamente aceso por migrantes que reagiram às medidas de quarentena depois que a covid-19 foi detectada no campo na semana passada.

A emergência mais uma vez destacou a resposta irregular da Europa a uma crise de vários anos que viu mais de um milhão de migrantes chegarem às suas costas, muitas vezes a bordo de navios frágeis e fugindo de guerras e pobreza no Oriente Médio e além.

LEIA: Grécia secretamente expulsa mais de mil refugiados, ao abandoná-los no mar

Categorias
AfeganistãoÁsia & AméricasCoronavírusEuropa & RússiaGréciaNotíciaOriente MédioSíria
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments