Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

#JerusalemDanceChallenge: música sul-africana toca profundamente os palestinos

Canção de Jerusalema [Master KG / Youtube]
Canção de Jerusalema [Master KG / Youtube]

Jerusalema – uma canção gospel sul-africana com uma batida contagiante e uma dança cativante – captou a imaginação do mundo. A canção do músico e DJ sul-africano Master KG (nome verdadeiro Kgaogelo Moagi), com vocal da cantora Nomcebo Zikode, foi vista mais de 76 milhões de vezes no YouTube.

Mas foi o #JerusalemaDanceChallenge que conquistou o mundo. Em fevereiro, fãs angolanos postaram coreografias próprias ao ritmo de Jerusalema. O vídeo se tornou viral e o #JerusalemaDanceChallenge nasceu. Desde então, milhares de vídeos de pessoas imitando os passos da dança – de profissionais de saúde na França, Suécia e África do Sul, a jantares em restaurantes na Itália e na Romênia e em diferentes ambientes na África, no Reino Unido, nos Estados Unidos, no Caribe e Europa – foram enviados para Facebook, Twitter, Instagram e TikTok.

E esta semana, o desafio da dança abriu caminho nas ruas da ocupada Jerusalém Oriental.

O coletivo musical de Jerusalém, Jaw (que significa “humor” ou “atmosfera” em árabe), enviou uma versão palestina do #JerusalemaDanceChallenge na terça-feira. Filmado com a participação da pequena comunidade afro-palestina de Jerusalém na área de Babul Majlis da Cidade Velha, adjacente ao complexo da mesquita Al-Aqsa, os dançarinos locais criaram sua própria versão única da dança de Jerusalema, adicionando elementos de dabkeh. Em 12 horas de seu lançamento, o vídeo já havia sido visto mais de 10.000 vezes e foi amplamente divulgado via WhatsApp e outros aplicativos de mensagens na África do Sul.

Para os palestinos, no entanto, isso não é uma moda passageira da dança. O vídeo de três minutos termina com uma mensagem poderosa:

De Jerusalém à África do Sul com amor. Esta dança dos jovens de Jerusalém é dedicada aos nossos amigos da África do Sul. Como nossos líderes antes de nós, vamos nos unir com energia renovada para a liberação coletiva. Da Palestina à África do Sul, Amandla Awethu, o futuro é nosso.

LEIA: Novos segredos sobre retirada israelense da Cisjordânia, que jamais se materializou

De acordo com o porta-voz da Jaw, Samer Hussam Abu-Esheh, música e dança são uma parte essencial da luta palestina contra a ocupação e colonização israelense: “Não se tratava apenas da dança. Precisávamos abordar as questões mais profundas que afetam os jovens na Palestina e na África do Sul, como justiça, liberdade e paz ”.

Embora a canção seja escrita e executada em isiZulu (uma das 11 línguas oficiais da África do Sul), sua mensagem, diz Abu-Esheh, ressoa fortemente entre os palestinos. A letra é uma súplica a Deus, pedindo proteção, orientação e para ser levada de volta para casa.

Jerusalema ikhaya lami (Jerusalém é minha casa)

Ngilondoloze (guarde-me)

Nome Uhambe (caminhe comigo)

Zungangishiyi lana (não me deixe aqui)

Jerusalema ikhaya lami (Jerusalém é minha casa)

Ndawo yami ayikho lana (meu lugar não é aqui)

Mbuso wami awukho lana (Meu reino não está aqui)

“Mas é como se tivesse sido escrito por um palestino porque essas palavras simples descrevem o desejo de milhares de palestinos em retornar a Quds [Jerusalém] e milhões de refugiados palestinos que desejam retornar à Palestina”, explica Abu Esheh.

Grupos de solidariedade palestina na África do Sul estão entusiasmados com o vídeo de Jaw e a mensagem que o acompanha para a juventude sul-africana, “uma expressão criativa de solidariedade e amor para os jovens da África do Sul”.

“Estamos particularmente impressionados com a positividade e energia de todos os envolvidos no vídeo e seu desejo de enfrentar os problemas enfrentados pelos jovens da Palestina e da África do Sul”, disse William Shoki da Coalizão Sul-Africana BDS. A coalizão representa várias dezenas de grupos da sociedade civil que trabalham em solidariedade com os palestinos para acabar com a ocupação israelense.

Enquanto isso, Mestre KG está animado ao ver que Jerusalema chegou a Jerusalém, dizendo que ficou emocionado ao ver como a música transcendeu as fronteiras da África do Sul e do continente africano, e tem pessoas em todo o mundo dançando em seu ritmo vibrante.

Desafio de dança Jerusalema [Ofentse Mwase Films / Youtube]

Desafio de dança Jerusalema [Ofentse Mwase Films / Youtube]

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaÁfrica do SulArtigoOriente MédioPalestinaTendências do Twitter
Show Comments
Show Comments