Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Estados Unidos confiscam carga de quatro petroleiros do Irã com destino à Venezuela

Navio-petroleiro iraniano Fortune é ancorado na refinaria de El Palito, na Venezuela, 25 de maio de 2020 [AFP/Getty Images]
Navio-petroleiro iraniano Fortune é ancorado na refinaria de El Palito, na Venezuela, 25 de maio de 2020 [AFP/Getty Images]

Os Estados Unidos confiscaram a carga de quatro navios-petroleiros iranianos que transportavam suprimentos à Venezuela, mantendo a escalada de sua campanha sanções e pressão máxima ao Irã e países alinhados.

A medida foi anunciada por oficiais dos Estados Unidos ontem (13). Em condição de anonimato, relataram à rede Associated Press que as embarcações não foram fisicamente confiscadas e que não houve uso de força militar ao apreender a carga.

As autoridades americanas advertiram proprietários, seguradoras e capitães dos navios sobre a imposição de sanções, caso não cedessem o carregamento. A carga agora está sob propriedade dos Estados Unidos.

Previamente, promotores reportaram que os quatro navios transportavam 1.1 milhões de barris de combustível à Venezuela. Os petroleiros, no entanto, não conseguiram chegar à nação sul-americana e desapareceram do radar, antes de dois deles ressurgirem perto de Cabo Verde.

LEIA: Irã passa da exportação do petróleo para a petroquímica

Apesar do impacto das ações, o Embaixador do Irã na Venezuela Hajad Soltani rejeitou a ideia de que representa um sucesso para as sanções norte-americanas, ao destacar que os navios não eram iranianos, tampouco seus proprietários.

Nesta quinta-feira (13), no Twitter, Soltani alegou: “Trata-se de mais outra mentira e ato de guerra psicológica perpetrados pela máquina de propaganda dos Estados Unidos. O terrorista Trump não pode compensar sua humilhação e derrota diante do Irã ao utilizar de falsa publicidade.”

Ainda não está claro onde os navios – Bella, Bering, Pandi e Luna – estão localizados atualmente, junto da carga, principalmente pelo fato de que seus capitães desligaram os instrumentos de radar nos últimos meses, a fim de esconder seu paradeiro.

O Bering, por exemplo, desapareceu do mapa em 11 de maio, perto da Grécia, no Mar Mediterrâneo. O Bella sumiu em 2 de julho, em torno das Filipinas. Pandi e Luna foram vistos pela última vez juntos, no Golfo de Omã, em 10 de julho.

O transporte de combustíveis à Venezuela, supostamente organizado pelo empresário iraniano Mahmoud Madanipour e ligado à Guarda Revolucionária do Irã (unidade de elite do exército), conquistou uma vitória em maio último, quando petroleiros iranianos chegaram ao país sul-americano para entregar gasolina.

Houve especulação sobre as ações dos Estados Unidos diante do desacato de ambos os países às suas sanções. Posteriormente, revelou-se que o Irã estava pronto para atacar as embarcações norte-americanas, caso tentassem interromper a rota dos petroleiros.

Desta vez, no entanto, a postura dos Estados Unidos foi aparentemente mais dura. Promotores registraram um processo judicial em 1° de julho, a fim de confiscar os petroleiros com destino à Venezuela.

LEIA: Trump promete novo acordo EUA-Irã, caso reeleito

Categorias
Ásia & AméricasEUAIrãNotíciaOriente MédioVenezuela
Show Comments
Show Comments