Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Egípcios recusam a decisão de Sisi de enviar tropas na Líbia

O parlamento do Egito deu luz verde hoje, em uma sessão de portas fechadas, ao possível envio de tropas na Líbia para apoiar o aliado do Cairo, Khalifa Haftar, se forças rivais apoiadas pela Turquia recapturarem a cidade de Sirte . Em 20 de julho de 2020 [Foto por AFP via Getty Images]
O parlamento do Egito deu luz verde hoje, em uma sessão de portas fechadas, ao possível envio de tropas na Líbia para apoiar o aliado do Cairo, Khalifa Haftar, se forças rivais apoiadas pela Turquia recapturarem a cidade de Sirte . Em 20 de julho de 2020 [Foto por AFP via Getty Images]

Os egípcios lançaram ontem a hashtag árabe I not delegate (Eu não deleguei) para expressar sua rejeição à decisão do Parlamento de autorizar o presidente Abdel Fattah Al-Sisi a enviar forças para fora do país sob o pretexto de “preservar a segurança nacional”.

Em um discurso televisionado em 20 de junho, Al-Sisi, que apoia o Exército Nacional da Líbia (LNA) do general Khalifa Haftar, deu a entender aos comandantes e soldados em uma região na fronteira com a Líbia que havia a possibilidade de que “missões militares externas” fossem mobilizadas. “Se necessário”, considerando que “a intervenção direta na Líbia recebeu legitimidade”.

Na segunda-feira, o parlamento do Egito aprovou o envio de forças armadas ao exterior para combater “milícias criminosas” e “grupos terroristas estrangeiros” em uma “frente ocidental”, em uma aparente referência à Líbia.

Ativistas online disseram, no entanto, que esta é uma tentativa de Al-Sisi de desviar o foco da sua má gestão do combate ao coronavírus no país e das negociações sobre a Grande Barragem da Renascença Etíope (DRGE), que ameaça prejudicar o acesso dos egípcios à água.

LEIA: Egito busca apoio regional contra a Turquia na Líbia

O sindicato médico do Egito disse anteriormente que mais de 100 profissionais morreram do coronavírus e mais de 3.000 foram infectados pela doença. Em maio, a entidade alertou que o sistema de saúde estava prestes a entrar em colapso e culpou o governo por não fornecer EPI adequado ou testes suficientes para médicos que entraram em contato com infecções conhecidas.

Desde o início da pandemia no Egito, as autoridades reprimiram os profissionais de saúde que criticaram a forma como o governo lidou com a crise.

O Egito tem oficialmente 89.745 casos de coronavírus e 4.440 mortes – as mais altas da região -, mas especialistas acreditam que os números reais são muito maiores.

Pelo menos dez médicos e seis jornalistas foram detidos desde que o vírus apareceu no Egito, enquanto 117 médicos, 39 enfermeiros e 32 farmacêuticos morreram do COVID-19.

Categorias
ÁfricaEgitoLíbiaNotíciaTurquia
Show Comments
Show Comments