Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Hagia Sophia: líderes religiosos e políticos estão perdendo a chance de corrigir erros históricos

Hagia Sophia em Istanbul, Turkey, 1º de julho de 2020 [Flickr]
Hagia Sophia em Istanbul, Turkey, 1º de julho de 2020 [Flickr]

Aparentemente, o líder da Igreja Católica Romana, Papa Francisco, está “muito angustiado” com a decisão de reverter a Hagia Sophia, construção da era bizantina, em uma mesquita; a mesma é um museu desde 1934. Ele divulgou suas opiniões na última edição do jornal do Vaticano L´Osservatore Romano.

A razão pela qual ele e toda uma série de outras vozes de fé e sem fé de vários quadrantes do mundo estão angustiados está fora do meu alcance. Imagino que a Hagia Sophia, originalmente construída como uma catedral a serviço do Império Bizantino Cristão, continuará a ser um grande atrativo turístico para os visitantes que se dirigem a Istambul, independentemente do seu estatuto.

Dado o destino de vários outros locais de culto, pergunto-me se as críticas têm mais a ver com política do que com oração. O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, é uma figura polarizadora entre os líderes mundiais, mas é mais ou menos adorado em todo o mundo muçulmano sunita por sua defesa dos muçulmanos e do islamismo. Aparentemente, sem medo de perturbar os que estão no poder na Europa, Washington, Moscou, Pequim e outros lugares, Erdogan tem criticado muito o tratamento dado aos refugiados. Seu apoio não varia, sejam eles palestinos, rohingya, caxemires, uigures, sírios, iraquianos, iemenitas, afegãos, líbios ou outros resgatados em zonas de conflito e desastres humanitários. Isso não aumenta sua popularidade nas capitais do mundo.

LEIA: Tribunal da Turquia decide que transformar Hagia Sophia em museu é ilegal

As intervenções militares da Turquia na Síria e na Líbia também abalaram vários presidentes e governantes, alguns dos quais são aliados da OTAN e outros membros muçulmanos. A decisão de Erdogan de comprar equipamentos militares da Rússia claramente perturbou os americanos e a OTAN.

A defesa de vulneráveis, enfermos, órfãos e viúvas já foi domínio de líderes religiosos, mas a verdade é que as figuras de fé de hoje raramente desfrutam da adulação dada tão livremente a Erdogan. Há também outra verdade inconveniente: muitas pessoas de fé se sentem abandonadas por seus líderes espirituais, e é por isso que as congregações estão em declínio ao redor do mundo.

Eu penso se o Papa Francisco ficaria muito mais angustiado pelo fato de que, na América e na Europa, por exemplo, centenas de igrejas foram abandonadas, demolidas ou vendidas. Talvez ele não queira chamar a atenção para o fracasso da Igreja Católica Romana em proteger seu rebanho após os escândalos extremamente prejudiciais sobre padres pedófilos.

Interior de Hagia Sophia em Istambul, Turquia, em 1º de julho de 2020 [Flickr]

Interior de Hagia Sophia em Istambul, Turquia, em 1º de julho de 2020 [Flickr]

Por mais que eu tente, não me lembro de nenhum líder religioso ou figura histórica, preservacionista de construções ou protetor de patrimônio, gritando em protesto quando a mesquita Al-Ahmar (vermelha), do século 13, foi transformada em uma boate para os foliões israelenses. De fato, antes de se tornar um covil para beber, foi um seminário judeu e depois se transformou em um escritório de campanha eleitoral usado pelo Partido Kadima – fundado pelos falecidos e não lamentados ​​Ariel Sharon e Tzipi Livni – antes de se tornar uma butique.

No ano passado, um tribunal de Nazaré em Israel recebeu uma ação movida por Khair Tabari, secretário de uma agência religiosa islâmica palestina (Waqf), solicitando a entrega da mesquita Al-Ahmar. “Fiquei tonto quando notei o vandalismo dentro da mesquita, como pode ser visto pelos restos dos versos do Alcorão que foram removidos do púlpito e substituídos pelos Dez Mandamentos em hebraico”, disse Tabari ao Al-Quds Al-Arabi de Londres. Muitas outras mesquitas históricas foram bombardeadas, demolidas ou profanadas por Israel desde 1948, com pouco ou nenhum protesto da comunidade internacional.

Quando o presidente dos EUA, Donald Trump, “entregou” as Colinas de Golã sírias ocupadas a Israel em 2018, embora houvesse condenação pela ONU, mas com protestos que logo se esgotaram, a cidade fantasma de Quneitra não foi mencionada. Em maio de 2001, o então Papa católico romano João Paulo II, rezou no casco bombardeado de uma igreja no lugar.

LEIA: Instituto islâmico da Turquia celebra decisão de converter Hagia Sofia a mesquita novamente

Era o terceiro dia de uma visita histórica à Síria e o Papa rezou em um dos poucos prédios que restavam de pé depois que os israelenses se retiraram em 1974. Eles dinamitaram a maior parte da cidade que ocuparam por sete anos antes de partir. Quando a visitei em 2010, pude ver claramente antenas de radar israelenses e forças militares nas colinas com vista para Quneitra. A oração do papa João Paulo II se deu dentro das ruínas da Igreja Ortodoxa Grega, no que foi a parada politicamente mais sensível de sua peregrinação a locais cristãos na Síria. No entanto, ele se absteve de criticar a destruição deliberada e a contaminação dos túmulos pelos soldados israelenses em retirada , tudo testemunhado por jornalistas.

O papa estava seguindo os passos de São Paulo, que famosamente converteu-se ao cristianismo “no caminho de Damasco”. Sua visita à Síria também se concentrou na reconciliação entre cristãos e muçulmanos, cimentada pela primeira visita de um pontífice a um local de culto muçulmano,a mesquita omíada em Damasco, onde fica a tumba de São João Batista.

Ex-presidente da Turquia Mustafa Kemal Ataturk

Ex-presidente da Turquia Mustafa Kemal Ataturk

Não podemos ter certeza, é claro, mas acredito que o papa João Paulo II teria mostrado mais compreensão do anúncio feito pelo presidente turco na sexta-feira, de que as orações muçulmanas no patrimônio mundial da Unesco, a Hagia Sophia, começariam em 24 de julho. Do ponto de vista jurídico, é claro, o decreto de Erdogan estava apenas cancelando uma decisão ilegal do governo turco de 1934, liderada pelo fundador secularizador da moderna Turquia, Mustafa Kemal Ataturk.

A decisão de preservar a igreja transformada em mesquita que virou museu não teve legitimidade, já que o edifício e a terra da Hagia Sophia foram protegidos por um Waqf estabelecido pelo sultão Mehmet II em 1453. A ação original que confirma isso ainda está nos arquivos de Ankara. O rico líder otomano e conquistador de Constantinopla, como era conhecido na época, comprou o prédio das autoridades cristãs da época.

Entre os que alegam estar indignados com a decisão de Erdogan, estão as autoridades gregas, que são obviamente experientes na destruição de mesquitas e monumentos religiosos da era otomana, dadas as centenas que foram destruídas nos anos seguintes à declaração da independência da Grécia no século XIX. Edifícios otomanos históricos foram convertidos em prisões militares, cinemas, escritórios, albergues e armazéns, enquanto inúmeras mesquitas foram fechadas para culto e, sim, foram convertidas em igrejas.

A Rússia também condenou Erdogan por dividir e trazer nações para a “colisão” direta. Essa é uma terminologia interessante de um país que está apoiando o ditador genocida Bashar Al-Assad em uma guerra civil que viu metade da população síria deslocada e centenas de milhares de mortos. O comportamento de Moscou, no cenário internacional, em termos de anexação da Crimeia e apoio militar ao marechal de campo renegado Khalifa Haftar na Líbia, assim como Assad na Síria, sua intromissão nas eleições ocidentais, o envenenamento de Salisbury e o assassinato de Litvinenko, servem para expor a hipocrisia da Rússia.

LEIA: Rússia considera decisão da Turquia sobre Hagia Sophia ‘um assunto interno’

Indiscutivelmente, a maior exibição do uso de duas medidas, porém, veio da Unesco, que tem a arrogância de dizer que o Comitê do Patrimônio Mundial “analisará o status de Hagia Sophia” como Patrimônio Mundial. Não me lembro da ONU pulando para cima quando soldados israelenses dispararam tiros na Igreja da Natividade em Belém, onde um grupo de palestinos buscou refúgio em 2002. Também não houve palavras de condenação da Igreja da Inglaterra, embora o papa João Paulo II tenha expressado alguma preocupação.

Igreja da Natividade [File photo]

Igreja da Natividade [File photo]

Um ponto de interesse que vale ressaltar, é a saída de Israel e Estados Unidos (este último gastou mais tempo e energia preservando as instalações de petróleo do Iraque do que os locais de patrimônio mundial) da Unesco em 2017.

Em seu próprio artigo sobre esta questão, o correspondente do MEMO na Faixa de Gaza, Motasem A Dalloul, expressou sua preocupação com a Mesquita Al-Aqsa em Jerusalém ocupada e perguntou por que Israel tem permissão para a judaização do terceiro local mais sagrado do Islã e de outros locais cristãos e santidades muçulmanas. Ele direcionou suas críticas mais fortes ao fato de a Grande Mesquita de Córdoba continuar sendo uma catedral, assim como a Mesquita de Sevilha.

“Se o mundo realmente se importa com mudanças nos locais históricos de culto”, escreveu Dalloul, “talvez devesse voltar sua atenção para Córdoba, por exemplo, onde a grande mesquita na Espanha foi transformada em catedral após a conquista cristã em 1492. Muitos outros exemplos existem de igrejas que antes eram mesquitas; a forma das janelas emparedadas é uma demonstração. Atualmente é necessária justiça baseada em fatos em todo o mundo, e o simples fato é que Hagia Sophia foi comprada das autoridades cristãs antes de ser usada como mesquita, não exclui o fato de ter sido pela força. ”

Antes que líderes espirituais e políticos oportunistas tentem impulsionar suas agendas de interesse próprio, a decisão da Turquia sobre Hagia Sophia deve ser vista pelo que é: uma oportunidade para corrigir um erro histórico. Em vez de criticar Erdogan, talvez eles devessem imitá-lo em seus próprios quintais e tomar medidas para corrigir o que seus antepassados ​​fizeram de errado, ou pelo menos considerar reparações, conforme sugerido pelo movimento Black Lives Matter e outros. Colocar a política antes das orações nunca é uma boa idéia para pessoas que sabem pouco sobre religião – exceto o Papa Francisco – e menos ainda sobre sua própria história.

LEIA: Unesco poderá rever Hagia Sophia como patrimônio mundial

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEUAEuropa & RússiaOpiniãoOrganizações InternacionaisRússiaTurquia
Show Comments
Show Comments