Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Norte-americano é acusado de contrabandear artefatos egípcios pelo aeroporto JFK

Artefato egípcio [Ministério de Antiguidades do Egito]
Artefato egípcio [Ministério de Antiguidades do Egito]

Um homem do Brooklyn foi indiciado ontem, acusado contrabandear centenas de artefatos egípcios antigos, alguns deles com quase 4.000 anos de idade, através do Aeroporto Internacional JFK, no início deste ano.

Segundo o anúncio dos promotores federais, o cidadão americano, Ashraf Omar Eldarir, foi acusado de contrabandear bens culturais egípcios para os EUA. Ele foi preso em fevereiro, depois de chegar ao país no mês anterior com três malas cheias de antiguidades não declaradas.

As embalagens continham 590 artefatos egípcios antigos embrulhados em bolhas e espuma. No entanto, Eldarir disse às autoridades alfandegárias dos EUA que ele carregava mercadorias no valor de apenas US$ 300. Quando os itens foram inspecionados e desembrulhados, areia e sujeira se espalharam, com alguns deles cheirando a “terra úmida”, sugerindo que eles haviam sido escavados apenas recentemente.

LEIA: Coronavírus: Robô do Egito distribui exames

“Esses tesouros culturais viajaram por séculos e milênios, apenas para acabar sem cerimônia em uma mala suja no JFK”, disse Richard P Donoghue, advogado dos EUA no distrito leste de Nova York.

Um agente diz no twitter que se orgulha de ter colaborado com agências parceiras para interceptar os artefatos. “O que começou com uma inspeção rotineira de bagagem no aeroporto levou a uma acusação.” – diz ele

Entre as centenas de relíquias recuperadas pelos policiais, havia amuletos de ouro de um conjunto funerário; um alívio com a cartela de um rei ptolomaico que originalmente fazia parte de um edifício ou templo real; e figuras de túmulos de modelos de madeira com roupas de linho datadas de aproximadamente 1900 aC

Eldarir foi acusado desse contrabando, e outro envolvendo uma viagem anterior, na qual ele trazia um antigo alívio policromático egípcio.

“O suposto contrabando de Eldarir de 590 artefatos saqueados do Egito é outro exemplo de um indivíduo que busca lucrar roubando a história de outra nação”, disse Peter C Fitzhugh, agente especial encarregado da investigação de segurança nacional.

Se condenado, Eldarir enfrenta uma pena máxima de 20 anos de prisão em cada acusação. Ainda não foi marcada uma data para sua aparição no Tribunal Federal do Brooklyn.

LEIA: Facebook bane venda de artefatos históricos sob denúncias de pilhagem

Categorias
ÁfricaÁsia & AméricasEgitoEUANotícia
Show Comments
Show Comments