Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Violência aumenta no Iêmen após fim de trégua por coronavírus

Um trabalhador da área sanitária está sentado na traseira de um caminhão na cidade costeira de Aden, no sul do Iêmen, em 3 de maio de 2020 [Saleh Al-Obeidi / AFP via Getty Images]
Um trabalhador da área sanitária está sentado na traseira de um caminhão na cidade costeira de Aden, no sul do Iêmen, em 3 de maio de 2020 [Saleh Al-Obeidi / AFP via Getty Images]

A coalizão liderada pela Arábia Saudita no Iêmen disse que interceptou e destruiu um míssil balístico disparado pelo movimento houthi alinhado ao Irã em direção ao sul do reino na terça-feira, depois de interceptar vários drones na noite anterior.

A violência aumentou entre a aliança apoiada pelo Ocidente e o grupo Houthi, depois que um cessar-fogo de seis semanas solicitado pela pandemia de coronavírus expirou no mês passado.

Um comunicado da coalizão disse que o míssil foi lançado na região sul de Najran. Ele disse anteriormente que havia destruído vários drones armados disparados contra a cidade de Khamis Mushait, no sul da cidade, na segunda-feira.

LEIA: Migrantes no Iêmen sofrem abusos e agressões como ‘transmissores de doenças’

Um porta-voz militar de Houthi disse em um post no Twitter que o ataque de Khamis Mushait foi uma resposta a ataques aéreos da coalizão. Não houve confirmação imediata do ataque com mísseis.

Na segunda-feira, o ministro da Saúde de Houthi disse em um post no Twitter que um ataque aéreo da coalizão matou 13 pessoas, incluindo quatro crianças, na província de Saada. O porta-voz da aliança militar, Coronel Turki al-Malki, disse que a acusação estava sendo investigada, mas que a coalizão não havia ouvido a alegação de nenhum outro “partido confiável”.

Na capital de Houthi, Sanaa, na terça-feira, vários moradores disseram que aviões de guerra da coalizão atingiram locais militares ao sul e oeste da cidade.

Mais tarde, a coalizão afirmou ter realizado ataques aéreos pesados contra alvos houthis em Sanaa e nas províncias vizinhas de Omran, informou o Ekhbariya estatal saudita divulgado em uma declaração da coalizão, sem dar mais detalhes.

Os houthis expulsaram Sanaa do governo do Iêmen, apoiado pela Arábia Saudita, no final de 2014, levando a coalizão a intervir.

O aumento da violência ocorre quando o Iêmen combate a disseminação do coronavírus entre uma população gravemente desnutrida.

A Organização das Nações Unidas (ONU) diz que o vírus está se espalhando sem mitigação em um país com sistemas de saúde destruídos e capacidade inadequada de testes e que as infecções provavelmente são muito maiores do que os relatórios oficiais.

O governo apoiado pela Arábia Saudita, no sul, anunciou 834 casos, incluindo 208 mortes. Os houthis, que controlam a maioria dos grandes centros urbanos, não fornecem números desde 16 de maio, quando as autoridades disseram que havia quatro casos, com uma morte.

LEIA: Coranavírus completa o colapso do sistema de saúde do Iêmen

Categorias
CoronavírusIêmenNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments