Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O impacto da ocupação israelense na água da Palestina

Garota palestina enche garrafas com água de nascente em Salfit, Cisjordânia, em 27 de junho de 2016 [Nedal Eshtayah / Apaimages]

A Cisjordânia, com suas condições de natureza (climática, topográfica, geológica) e localização geográfica, é de grande importância para os recursos hídricos da Palestina. Desde a ocupação da Palestina em 1948, Israel vem privando o povo palestino de seus direitos à água; As autoridades de ocupação israelense emitiram dezenas de ordens militares para controlar toda a água da Palestina e obter o direito de tomar medidas absolutas sobre a água, e destas ordens:

  1. A ordem militar nº 92 estipula que “todos os assuntos relacionados à água devem ter controle total do oficial de água israelense”.
  2. A ordem militar nº 58, de 19 de agosto de 1967, declara que “é estritamente proibido o estabelecimento de qualquer nova instalação de água palestina sem licença, e o oficial de água terá o direito de rejeitar qualquer solicitação palestina sem justificar”.
  3. A ordem militar nº 158, de 1 de outubro de 1967, que estipula que todos os poços, fontes e projetos de água serão colocados sob a autoridade direta do governador militar israelense.
  4. A ordem militar nº 291 de 1967 declara que “todos os recursos hídricos nos territórios palestinos se tornaram propriedade da potência ocupante”.
  5. A ordem militar 948 declara: “Todo cidadão palestino deve obter a aprovação do governante militar israelense se quiser realizar algum projeto relacionado à água”.

LEIA: Taxa média de água para cada palestino é de 87 litros por dia

De acordo com essas ordens, Israel aplicou uma série de medidas, como:

  • Determinar a quantidade de água que os proprietários dos poços podem obter na Cisjordânia e na Faixa de Gaza.
  • Impedir a escavação de novos poços para fins agrícolas e restringir a concessão de novas licenças de perfuração de poços e o uso de fontes.
  • Confiscar poços de água dos agricultores palestinos para os assentamentos israelenses se beneficiarem.
  • As autoridades de ocupação determinaram aos palestinos a profundidade de escavação de poços não superiores a 120 metros.
  • Privar os palestinos de seus direitos das águas do rio Jordão.
  • O roubo de grande quantidade de poços de água palestinos por meio de escavações dentro de assentamentos israelenses e estima-se que sejam aproximadamente 50 poços dentro de assentamentos na margem oeste e 43 poços na faixa de Gaza.
  • Barragens são estabelecidas para reservar a água dos vales e impedir que chegue aos territórios palestinos, como fazem no Vale de Gaza.
  • Transferência de água de alta qualidade dos assentamentos israelenses para as cidades israelenses dentro da entidade ocupada.
  • O estado de ocupação israelense através da empresa (microT) vende água aos palestinos a preços muito altos que excedem o preço da venda aos ocupantes sionistas muitas vezes.
  • As forças de ocupação israelense impuseram severas restrições aos municípios palestinos que restringem o suprimento de água para cidades e vilas palestinas, já que 150 comunidades palestinas na Cisjordânia ainda não estão conectadas à rede de distribuição de água e sofrem com a escassez de água.
  • O governo da ocupação se recusou a fornecer a quantidade especificada de água às províncias da Cisjordânia e da Faixa de Gaza, de acordo com o acordo de Oslo.
  • O estado de ocupação contribui muito para poluir as águas subterrâneas palestinas, drenando a água dos assentamentos que retornam às áreas arenosas e vales palestinos, onde há água fresca disponível.

LEIA: Secretário-geral da OLP afirma que Israel já apropriou-se de 95% do Vale do Jordão

O Estado de ocupação explora cerca de 85% do estoque de águas subterrâneas na Cisjordânia, o que equivale a 600 milhões de metros cúbicos, cobrindo 25% das necessidades do Estado de ocupação, 70% dos assentamentos israelenses estão localizados na bacia leste do tanque na Cisjordânia, e Israel consome mais de um bilhão de metros cúbicos da água do rio Jordão; Isso é mais do que a parcela de Israel, de acordo com o plano de Johnston, estimado em cerca de 565 milhões de metros cúbicos, e em um relatório do Instituto de Estudos da Harvard para o Oriente Médio, Israel procura transferir 400 milhões de metros cúbicos de água do rio Litani no Líbano para israelenses por gravidade.

De acordo com todos os dados acima, a potência ocupante israelense tem procurado controlar as águas árabes e palestinas sem qualquer base legal pela força da ocupação real e absorveu as águas subterrâneas e superficiais, violando todas as normas e leis internacionais que não reconhecem a exploração injusta, que não leva em consideração os interesses da população palestina. Os colonos sionistas receberam água abundante em seus projetos agrícolas e industriais em terras ocupadas da Cisjordânia, em violação da Quarta Convenção de Genebra de 1949 e da Convenção de Haia de 1907.

LEIA: Israel afundará 10 poços na Cisjordânia

A política de Israel para a água da Palestina[Sarwar Ahmed/ Monitor do Oriente Médio]

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments