Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Sob pressão, Egito diz que hospitais devem acomodar profissionais de saúde infectados

Um voluntário (esq) prende máscara de um homem em rua da capital egípcia, Cairo, em 20 de março de 2020 [Khaled Desouki/ AFP/ Getty Images]
Um voluntário (esq) prende máscara de um homem em rua da capital egípcia, Cairo, em 20 de março de 2020 [Khaled Desouki/ AFP/ Getty Images]

Em meio a uma onda de indignação e demissão de médicos egípcios, cujo principal sindicato acusa o governo de não equipar e proteger seus profissionais de saúde enquanto combatem a pandemia do covid-19, o ministro assistente de Saúde Mohamed Fawzi disse ontem que 320 hospitais estão se preparando para receber pacientes, acrescentando que atualmente não há escassez de leitos ou ventiladores, inclusive em unidades de terapia intensiva.

LEIA: Todos os funcionários do Hospital Al-Azhar do Egito estão infectados por coronavírus

Fawzi acrescentou que o ministério espera que o próximo período testemunhe o “pico” da propagação do vírus no país.

Ele acrescentou que os equipamentos de proteção também estão disponíveis para os profissionais médicos, enquanto os hospitais têm camas reservadas para os profissionais de saúde que contraem o vírus.

No último sábado, Walid Yahia, um médico de 32 anos, morreu de coronavírus após ser infectado no trabalho. Isso provocou indignação entre os médicos que disseram que o sistema de saúde falhou em proteger Yahia ou em garantir uma cama para ele no hospital.

No início desta semana, os médicos do Hospital Geral de Mounira renunciaram em massa para protestar contra a morte de Walid.

Categorias
ÁfricaCoronavírusEgitoNotícia
Show Comments
Show Comments