Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Egito prende catorze cristãos coptas durante protesto contra destruição de uma igreja

Cristãos coptas egípcios protestam contra ataques às suas igrejas, em 15 de abril de 2016 [Tarek Al-Gabas/Apaimages]

Forças de segurança do Egito prenderam catorze cristãos coptas e agrediram um padre na província de Beheira, durante protesto contra a destruição de sua igreja, na aldeia de Kom Al-Darah, em Abdul Haq.

As forças de segurança dispararam gás lacrimogêneo contra os manifestantes e agrediram o padre Jesse Sobhi, que tentou interromper a demolição. Quatro mulheres estão entre os presos, segundo o website Copts United.

Os relatos também indicam uma série de invasões policiais a residências de cidadãos coptas, nas quais as forças de segurança confiscaram documentos de identidade nacionais.

Ghali Iskander, advogado da igreja, alegou que os coptas utilizavam o edifício há 15 anos, quando então o conselho municipal de Abu Al-Matamir emitiu decisão para removê-lo. Também demoliram uma mesquita na mesma aldeia.

Em termos oficiais, o governo apoia os direitos da comunidade copta; na prática, não é o caso. De fato, críticos afirmam que a perseguição aos coptas é ainda mais severa sob o regime de Abdel Fattah el-Sisi do que sob o governo de seus predecessores.

Os coptas no Egito – onde a religião é designada no documento de identidade – encontram dificuldades para aderir a clubes esportivos e times de futebol, obter posições acadêmicas de destaque, entre outras formas de discriminação. Também são excluídos do serviço de inteligência e da segurança estatal.

LEIA: Egito prende jornalista Shaima Sami

A história cristã sequer está presente no programa de ensino.

Os coptas do Egito reclama que autoridades nacionais fazem muito pouco para protegê-los de situações de risco, como linchamentos regulares no interior do país e outras agressões, o que manifesta uma cultura de impunidade e incitação.

Em 9 de outubro de 2011, os coptas marcharam à sede da televisão estatal Maspero no Cairo, capital do país, para protestar pacificamente contra a ineficácia das autoridades em punir agressores contra suas igrejas.

Considera-se então a primeira noite de um dos piores massacres cristãos na história moderna do Egito, quando um veículo blindado militar avançou deliberadamente contra a multidão e matou ao menos dez manifestantes. O episódio resultou em mais vinte mortes e mais de 200 feridos.

LEIA: Governo do Egito explora o coronavírus para expandir poderes de Sisi

Categorias
ÁfricaEgitoNotícia
Show Comments
Show Comments