Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Palestinos voltam a usar pedras como armas contra a ocupação na Cisjordânia

Manifestantes palestinos jogam pedras nos soldados israelenses em frente a um posto de controle em Hebron, Cisjordânia, em protesto contra os assentamentos ilegais de Israel. Em 28 de fevereiro de 2020. [Mamoun Wazwaz/Agência Anadolu]

Palestinos e israelenses ainda estão surpresos com a recente operação de guerrilha que ocorreu na cidade de Ya’bad, nos arredores de Jenin, na parte norte da Cisjordânia. Durante a operação, um soldado israelense da elite da Brigada Golani foi morto quando um jovem palestino atirou com uma grande pedra que o matou instantaneamente.

A surpresa entre palestinos e israelenses foi que a arma usada era uma pedra, e não uma arma, um rifle, um dispositivo explosivo ou um coquetel molotov. Era uma pedra, a arma mais antiga conhecida pelos palestinos. É simples e não pode ser apreendida ou confiscada em confronto com as armas mais avançadas e modernas que Israel usa no século XXI.

Na história recente, as pedras têm sido a principal arma para os palestinos na Cisjordânia, simbolizando a persistência irreversível em resistir à ocupação, independentemente da diferença no equilíbrio de poderes.

As pedras foram as primeiras armas dos levantes sucessivos e as mais difundidas entre os palestinos, graças à sua disponibilidade irrestrita, tornando-as uma questão militar, política e de segurança para Israel.

À luz da política arbitrária de segurança adotada pela ocupação israelense e pela Autoridade Palestina (PA) contra a resistência na Cisjordânia e o confisco intrusivo de todos os tipos de armas, não há mais outros meios senão pedras para os palestinos impedirem que o exército israelense continue a eliminá-los, matá-los e confiscar suas terras.

Os palestinos adotaram o uso de pedras ao longo de seus anos de resistência à ocupação, na medida em que se tornaram o foco principal da repressão israelense. O uso de pedras era a maneira mais famosa de resistência, pois elas eram coletadas e preparadas em todos os bairros, ruas, becos, residências e telhados.

LEIA: Israel dispersa protestos do Dia de Nakba na Cisjordânia

O uso de pedras tem objetivos de longo alcance e é uma indicação segura de que o povo palestino se levantou e tomou a iniciativa mais uma vez, compreendendo todas as lições das experiências anteriores de luta com esse tipo de arma primitiva usada com métodos inovadores. É uma afirmação palestina da capacidade de continuar e, na prática, um fato revolucionário, permitindo impor uma nova realidade no curso do conflito com a ocupação israelense.

Recuando três décadas, durante a revolta da primeira Intifada Palestina, classificada entre as revoluções mundiais modernas e conhecida como “revolução do arremesso de pedras”, nenhum rebelde antes acreditava que as pedras poderiam confrontar o exército que cercava os palestinos com sua tanques, canhões e tiros.

Palestinos jogam pedras com o uso de estilingues nas forças israelenses durante uma manifestação na “Grande Marcha do Retorno” na fronteira Israel-Gaza, no leste de Gaza, em 27 de setembro de 2019. [Ashraf Amra/Agência Anadolu]

Era natural e esperado que a resistência palestina evoluísse durante essas três décadas, e embora em Gaza ela se transformasse no que parecia ser um exército regular e treinado, equipado com armas fabricadas localmente, isto não se desenvolveu da mesma maneira na Cisjordânia, devido às medidas de Israel e da Autoridade Palestina contra qualquer ação nesse sentido.

Tudo isso fez das pedras a arma de defesa mais famosa da Cisjordânia, com seus múltiplos usos, especialmente durante os tumultuados confrontos com a ocupação. Estes deram às pedras uma vantagem importante e elas se tornaram ferramentas eficazes para atacar as forças do exército e suas máquinas militares. As pedras também foram usadas para erguer barreiras, bloquear estradas e construir montes e barricadas.

A operação recente em Jenin não estava fora de contexto na Cisjordânia. Alguns anos atrás, as massas palestinas usavam pedras extensivamente contra comboios e equipamentos militares, patrulhas a pé e centros de colonos. As operações proeminentes nas quais as pedras foram usadas como ferramenta principal aumentaram e as estatísticas emitidas pelo porta-voz militar israelense geralmente eram de aumento constante no uso de pedras durante os confrontos com as forças do exército.

O uso de pedras não requer sessões de treinamento ou de conscientização, e a resistência palestina pode jogá-las e retirá-las, garantindo sua segurança. Pedras não exigem uma organização central ou liderança forte. Quando usados criativamente, privam os israelenses de considerar o que está acontecendo na Cisjordânia como um estado de guerra, o que permitiria ao exército adotar várias formas de combate, dentre as quais a artilharia pesada.

A resistência palestina na Cisjordânia conseguiu, com o uso de pedras, custar à ocupação israelense sua vantagem estratégica na guerra relâmpago que lhe convinha. A ideologia militar da ocupação é baseada em tecnologia avançada e força militar impressionante que leva a uma vitória militar que vem dando à ocupação uma sensação de segurança por anos.

O elemento mais importante no uso de pedras é que o povo palestino sob ocupação sofre da fraqueza fundamental do desequilíbrio de poder. Isso pode ter forçado a resistência a travar sua batalha contra a ocupação por meio de resistência popular desarmada. É uma combinação da resistência diária, representada pelos levantes constantes e pelo uso de ferramentas e métodos primitivos na luta, para puxar o tapete sob os pés do ocupante.

O uso de pedras na Cisjordânia também tomou várias formas em campos e bairros populosos, com becos estreitos e retorcidos, especialmente em campos de refugiados. Tais formas incluíam atirar de pedras à mão contra soldados e colonos e seus meios de transporte, acampamentos e edifícios, e atirar grandes pedras de telhados para atingir um grande comandante ou soldado do exército ou colonos de ocupação , como foi o caso na recente operação de Ya’bad.

LEIA: Histórias das netas dos refugiados e seu papel para manter viva a memória da Nakba das avós

A resistência na Cisjordânia percebeu que o tanque israelense não foi projetado para combater um menino ou jovem palestino que lhe erguia uma pedra, e que eles retiram sua infinita força e coragem do público, armados com forte vontade nacional e com armas morais. Isso custou à ocupação qualquer concepção de eficácia da superioridade material de suas armas. As pedras tiveram um papel significativo em chocar o mundo enquanto observavam os palestinos confrontando os soldados da ocupação e seus jipes militares com suas pedras.

Assim, os palestinos, especialmente na Cisjordânia, que sofrem com uma severa escassez de armas de fogo, concluíram que pedras como armas não precisam de suprimentos, acordos de munição, linhas de suprimentos, apoio externo ou relações internacionais. As estradas e colinas estão cheias de pedras na Cisjordânia, os combatentes da resistência só precisam estender a mão para pegá-las e jogá-las na direção de seus ocupantes. Esse tipo de guerra espontânea não pode ser controlado, parado ou escalado. Ela deu asas para voar alto, longe e livremente, apesar do arsenal mortal, incluindo armas nucleares, aviões e mísseis da ocupação. Todos estão desamparados diante dos jovens palestinos que jogam pedras nos comboios israelenses e em seus soldados.

Uma pedra é uma pedra, mas nas mãos dos combatentes da resistência na Cisjordânia, elas se transformaram em projéteis poderosos. Qualquer pessoa que observe o estado dos soldados da ocupação certamente pode sentir o medo e o terror que sentem ao serem atingidos por eles. Esta é uma amostra das lições aprendidas com a recente operação de Ya’bad e pode inspirar futuras operações.

ASSISTA: Na Nakba, em 1948, mais de 800 mil palestinos foram expulsos de suas terras

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestine
Show Comments
Show Comments