Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O Hamas revela aspectos ocultos de suas relações com a Arábia Saudita

'A prisão do primeiro representante do Hamas na Arábia Saudita, Mohammad Al-Khudari, estabeleceu um precedente perigoso nas normas políticas, diplomáticas e morais e não pode ser tolerada'

Mohammed Nazzal, membro do departamento político do Hamas, revelou pela primeira vez os detalhes do encontro entre os líderes do movimento e o príncipe herdeiro saudita Mohammed Bin Salman em 2015. Ele também revelou que os dois monarcas sauditas anteriores doaram milhões de riais para o movimento e que continuam suas comunicações com a Arábia Saudita para libertar dezenas de seus membros detidos desde abril de 2019.

Em 22 de abril, Nazzal, vice-presidente do movimento no exterior, revelou os detalhes de uma reunião anterior que reuniu os líderes do movimento, liderada por Khaled Meshaal, ex-chefe de seu departamento político e Bin Salman, em abril de 2015. Essa reunião resultou em na libertação do líder do movimento na Arábia Saudita e de seu ex-gerente financeiro, Maher Salah, depois de ser preso por vários meses por supostamente transferir dinheiro do reino para o exterior.

Nazzal confirmou durante uma entrevista ao canal de satélite Al-Sharq, o qual faz oposição ao regime egípcio e é transmitido pela Turquia, que ele se encontrou pessoalmente com o falecido príncipe herdeiro saudita Sultan Bin Abdulaziz e o príncipe Turki Bin Faisal, ex-chefe da inteligência saudita, sem especificar uma data.

Nazzal acrescentou que o falecido rei saudita Fahd Bin Abdul Aziz doou US $ 1,3 milhão ao Hamas em 1998 e que o anterior rei saudita Abdullah Bin Abdul Aziz doou US $ 2,6 milhões durante a visita do líder do movimento Sheikh Ahmed Yassin ao reino, após sua libertação das prisões israelenses.

Uma fonte de alto escalão do movimento Hamas, que permaneceu anônima, disse ao Monitor do Oriente Médio que “o movimento geralmente não revela as fontes das doações que recebe, nem no nível de países, organizações ou indivíduos, e talvez seja a primeira vez que divulga suas fontes e identifica os nomes daqueles que doaram “.

Ele acrescentou que “a recente divulgação do relacionamento do movimento com a Arábia Saudita, seja em termos de suas reuniões com os líderes políticos do reino ou de obter doações financeiras, deve ser justa com a liderança política histórica na Arábia Saudita, que foi um grande e constante defensor da causa palestina e do Hamas. É também uma expressão de espanto com a nova posição adotada pelo rei Salman Bin Abdulaziz e seu príncipe herdeiro Mohammad Bin Salman em relação à questão palestina em geral, e ao Hamas em particular, mencionando as posições de seus antecessores, que estavam fornecendo apoio político, moral e financeiro ao Hamas. ”

LEIA: Chefe do Hamas faz apelo ao rei saudita para que liberte prisioneiros palestinos

Vale ressaltar que a prisão do primeiro representante do Hamas na Arábia Saudita, Mohammad Al-Khudari, estabeleceu um precedente perigoso nas normas políticas, diplomáticas e morais, e não pode ser tolerada. Acusá-lo de pertencer a uma entidade “terrorista” e fornecer apoio financeiro a ela é bastante irônico, pois Al-Khudari foi escolhido para representar o movimento na Arábia Saudita com base em um entendimento com o príncipe Turki Al-Faisal, chefe da Inteligência Geral Serviço na época, e há registros disso desde 1993. Al-Khudari permaneceu nesse cargo por mais de 15 anos, coletando doações à vista das autoridades oficiais sauditas e sempre coordenou com o chefe do arquivo na Inteligência Geral Serviço, Major-General Mohammed Saeed Al-Ghamdi.

É claro que o Hamas foi forçado a divulgar gradualmente alguns detalhes do relacionamento com a Arábia Saudita, com base na injustiça que está sofrendo e devido às implicações conhecidas do relacionamento do reino com o Hamas. O que foi revelado foram apenas algumas, não todas, das doações feitas pelos líderes sauditas e elas são consideradas um ponto positivo a favor do reino. Na verdade, (a revelação) faz justiça ao país.

Os palestinos participam de um protesto em solidariedade aos prisioneiros nos cárceres sauditas, em frente ao escritório da Cruz Vermelha, na cidade de Gaza, em 16 de outubro de 2019. [Ashraf Amra / Apaimages]

Membros seniores do Hamas disseram ao Monitor do Oriente Médio: “Podemos dizer com grande confiança que não há nada de novo em termos de mediação entre o reino e o Hamas, e que a retomada do relacionamento não requer mediadores, mas exige vontade política do lado saudita. Isso ocorre porque existe vontade política da parte do Hamas que não parou de procurar a melhor forma de relacionamento com a Arábia Saudita, com base em seu entendimento e consciência da importância estratégica desse relacionamento, tanto para a questão palestina quanto para a segurança nacional árabe, dos quais a Arábia Saudita é parte integrante “.

LEIA: Saudi activists accused of launching hashtag ‘Palestine is not my cause’ 

Antes do atual desacordo entre o Hamas e a Arábia Saudita, este último sempre dava espaço para a arrecadação de fundos para o movimento no país. Todos os anos, durante o Ramadã, os líderes do movimento visitavam o reino, hospedados em caráter oficial, e se reuniam com altos funcionários. No entanto, o relacionamento entre a Arábia Saudita e o Hamas testemunhou uma tensão mais próxima do afastamento após a prisão de Al-Khudari e outros 60 apoiadores em março de 2020, acusados pelo judiciário saudita de pertencer a uma entidade “terrorista”.

Poderíamos dizer que há três razões por trás das declarações de Nazzal. A primeira delas é a tentativa do Hamas de pressionar a Arábia Saudita em relação aos detidos do movimento. A segunda é que é uma ocasião para lembrar o atual regime saudita das relações históricas que vincularam o movimento ao reino em épocas anteriores, a fim de contribuir para a libertação de detidos, especialmente idosos e líderes, mesmo que as mediações para resolver o problema ainda estejam em andamento. A terceira razão é a ausência de qualquer voz influente dentro do reino que exija sua libertação.

Antes das últimas declarações de Nazzal, o relacionamento do Hamas com a Arábia Saudita alcançou um nível qualitativo de tensão com a iniciativa de Abdul-Malik Al-Houthi, líder dos houthis no Iêmen, leal ao Irã, em 26 de março, de libertar dois pilotos sauditas troca da libertação dos detidos do Hamas no reino. O Hamas deu boas-vindas à iniciativa, enquanto Riad permaneceu em silêncio.

O movimento confirma que suas relações com a Arábia Saudita sempre ocorreram de maneira oficial e que todas as suas ações são legais de acordo com a lei saudita. O Hamas não tomou nenhuma ação na Arábia Saudita que não esteja dentro de um contexto específico para servir a causa palestina e continua seu contato com mais de uma parte para garantir a libertação de seus detentos no país. O movimento também observa que as declarações de Nazzal foram feitas para esclarecer fatos, para não embaraçar nenhuma parte.

A relação entre a Arábia Saudita e o Hamas pode ser descrita como complexa e testemunha altos e baixos, apesar de alcançar um nível difícil de escalada após a prisão de quadros do Hamas pelo reino em 2019. Parece que a revelação de Nazzal sobre as doações do reino ao movimento foi precedida pelas tentativas de muitas partes de mediar e encontrar uma solução discreta para a questão de seus prisioneiros e o desejo de não revelar a crise ao público. No entanto, todas as iniciativas e mediações foram malsucedidas, o que gerou frustração com o Hamas, levando-o a divulgar as informações.

LEIA: Arábia Saudita levará cidadãos palestinos e jordanianos aos tribunais

Não há dúvida de que o relacionamento da Arábia Saudita com o Hamas é definido como histórico e sólido, mas o estágio mais recente dessas relações é de tensão, chegando ao ponto de estranhamento e de o movimento ser descrito como uma organização terrorista. Isso pode ser devido às posições EUA-Israel hostis ao Hamas, mas como a Arábia Saudita é um estado central na região e o Hamas é um elemento ativo dentro dele, isso exige que o reino esteja aberto a todos os componentes palestinos. Isso o ajudará a implementar sua estratégia para expandir sua influência na região. Quanto à briga da Arábia Saudita com o Hamas, ela não serve à sua política externa.

As declarações de Nazzal também podem ser interpretadas como uma manifestação de fechar as portas com a Arábia Saudita e limitar o problema do relacionamento do Hamas com o atual regime representado pelo rei Salman e seu príncipe herdeiro, Mohammed, e não com o reino em geral. Ao fazer isso, a crise fica contida a relação com um grupo específico dentro do reino, e não com todos eles.

Os motivos por trás das declarações de Nazzal, sobre os quais um comentário saudita não foi divulgado, estão no fato de que eles são uma resposta à rejeição de Riyad a qualquer mediação que o movimento envia para libertar seus detidos, o que o fez elogiar os ex-reis sauditas e criticar a política do atual rei e seu filho, o príncipe herdeiro. As declarações frustradas do reino podem complicar a crise entre os dois lados, sem resolvê-la, dada a política de teimosia e inflexibilidade adotada pela atual liderança saudita em relação ao movimento.

O quão hipócritas são os líderes árabes, vendendo a Palestina para os EUA [Sabaaneh/ Monitor do Oriente Médio]

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
Arábia SauditaArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments