Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Presidente do Líbano diz que país está em recessão

Presidente libanês Michel Aoun em Beirute, Líbano, em 24 de outubro de 2019 [Presidência do Líbano/ Agência Anadolu]

O presidente libanês Michel Aoun anunciou hoje que seu país entrou em uma crise sem precedentes, caracterizada por uma recessão econômica, uma severa escassez de moedas estrangeiras, altos índices de desemprego e pobreza e inflação.

LEIA: Animais envenenados aparecem nas ruas do Líbano, após notícias falsas

As declarações de Aoun foram feitas em um discurso diante de membros do Grupo Internacional de Apoio ao Líbano (ISGL), em reunião no Palácio Presidencial, no leste de Beirute, na presença do Primeiro Ministro Hassan Diab.

O presidente libanês declarou: “Por essas razões, e para impedir o esgotamento das reservas, o estado decidiu suspender o pagamento de Eurobonds e a nomeação de dois consultores financeiros e jurídicos internacionais para atuar como conselheiros do governo”.

O ISGL, que foi fundado em 2013, anunciou em sua reunião em Paris no ano passado que a comunidade internacional está disposta a ajudar o Líbano a superar a atual crise financeira, desde que seja estabelecido um governo eficaz, credível e capaz para combater a corrupção.

“Contamos com a promessa de ajuda de US$ 11 bilhões que recebemos na conferência CEDRE em Paris, que será principalmente dedicada ao investimento em projetos de infraestrutura”, disse Aoun.

Ele acrescentou: “Hoje estamos enfrentando todas essas crises e repercussões e agradecemos qualquer ajuda dos amigos do Líbano. (…) Estamos trabalhando para preparar um plano econômico e financeiro abrangente para corrigir os desequilíbrios da economia. ”

“O Líbano está testemunhando hoje duas das piores crises que afetaram o mundo em 75 anos.” – disse o presidente. Ao lado da epidemia de covid-19, ele aponta a crise dos refugiados, que teria custado mais de US $ 25 bilhões ao governo.

Mais de um milhão de refugiados sírios que vivem no Líbano estão registrados no Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR). O governo libanês estima que o número real de sírios q no país é de 1,5 milhão.

O coordenador especial da ONU para o Líbano, Jan Kubis, disse que a crise do covid-19 representa um desafio sem precedentes para o Líbano, além das dificuldades econômicas, levando o país a um estado de desespero mais profundo.

LEIA: Leis do Líbano na pandemia colocam refugiados em risco, diz observatório

Categorias
CoronavírusLíbanoNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments