Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Líbano resgatará cidadãos retidos no exterior a partir de 5 de abril

Forças de segurança montam pontos de verificação nas ruas, em estado de emergência declarado devido ao surto de coronavírus em Beirute, Líbano, em 22 de março de 2020 [Hussam Chbaro / Agência Anadolu]

O governo do Líbano concordou ontem em facilitar o retorno dos cidadãos libaneses ao exterior a partir de 5 de abril, anunciou o ministro da Informação, Manal Abdel Samad, em comunicado.

O ministro das Relações Exteriores Nassif Hitti disse à emissora local Al-Jadeed ontem que aproximadamente 20.000 libaneses no exterior já se registraram para retornar.

Os cidadãos foram solicitados a registrar seu pedido de retorno às embaixadas e consulados locais depois que o governo ordenou uma paralisação nacional em 15 de março, como parte das medidas para combater a propagação da doença.

A política de expatriados do governo, que inicialmente estipulou que os cidadãos não poderiam retornar antes de 12 de abril, quando o encerramento nacional estendido terminaria, atraiu críticas de líderes políticos.

O presidente do Parlamento e líder do Movimento Amal, Nabih Berri, ameaçou suspender a participação de seu ministro no gabinete do país, se este não agisse para trazer libaneses retidos no exterior durante a pandemia.

Outros líderes, incluindo o chefe das forças libanesas Samir Geagea e o líder do Hezbollah Hassan Nasrallah, ecoaram o pedido de Berri por repatriamento rápido.

Na sessão de gabinete na terça-feira, o primeiro-ministro Hassan Diab prometeu garantir o retorno seguro dos expatriados, dizendo que “não podemos dar nenhum passo vacilante e nenhuma das forças políticas pode suportar ter em sua consciência a propagação do [vírus] e o colapso do sistema de saúde “.

Diab acrescentou que medidas estritas seriam impostas para impedir que os retornados espalhem a doença.

O coronavírus afeta a economia mundial – Charge [Sabaaneh / MiddleEastMonitor]

O ministro da Informação Samad confirmou a decisão, acrescentando que todos os passageiros seriam avaliados antes de embarcar em vôos para o Líbano e separados por um assento vazio. Os retornados também deverão usar máscaras e luvas durante a viagem.

De acordo com a agência de notícias local An-Nahar, “exames médicos e testes rápidos também serão realizados para os repatriados e há discussões sobre a possibilidade de serem criados centros de quarentena obrigatórios por meio da locação de hotéis ou grandes complexos pelo período de duas semanas a partir da chegada em Beirute. ”

Samad acrescentou que o gabinete pode fazer alterações no procedimento de devolução após discussões na quinta-feira, mas enfatizou que será dada prioridade aos idosos, àqueles que precisam de atenção médica e indivíduos com vistos curtos.

Segundo An-Nahar, os retornados serão solicitados a cobrir o custo de seu voo, que será operado pela estatal Middle East Airlines (MEA).

O Aeroporto Internacional Rafic Hariri, em Beirute, fechado desde 18 de março, deve reabrir no fim de semana para permitir o retorno de libaneses presos no exterior através de vôos da MEA.

O Líbano está agora na terceira semana de um bloqueio em todo o país para conter a disseminação do coronavírus, embora milhares tenham desrespeitado as ordens do governo. Vários visitaram bancos em busca de salários mensais e foram às ruas para exigir indenização por trabalho perdido.

Até o momento, o Ministério da Saúde do Líbano registrou 479 casos, incluindo 37 recuperações e 12 mortes por coronavírus.

LEIA: Líbano deve estender o estado de ‘mobilização geral’ por 15 dias

Categorias
CoronavírusLíbanoNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments