Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Será uma catástrofe se coronavírus se espalhar pelas prisões israelenses

Prisioneiro. Foto divulgada em 8 de agosto pelo Facebook.

As autoridades penitenciárias israelenses anunciaram que vários prisioneiros palestinos na prisão de Megiddo estão infectados com o coronavírus. Esta notícia é causa de grande ansiedade a milhares de famílias palestinas com parentes detidos por Israel, incluindo prisioneiros políticos que resistiram à ocupação e presos comuns.

Os prisioneiros palestinos, em particular, correm um risco muito alto de contrair o vírus nas prisões de Israel devido às condições em que são forçados a viver. De fato, o risco começa antes mesmo da prisão. Ao serem transferidos do tribunal para a prisão, ou entre prisões, são mantidos em celas destinadas a um máximo de quatro prisioneiros. No entanto, os guardas israelenses costumam espremer mais de 20 em cada cela; sem espaço para sentar, eles devem ficar juntos.

LEIA: Palestino com sintomas de coronavírus é despejado de posto de controle por israelenses

Além disso, eles têm algemas de metal, que são reutilizadas em dezenas de diferentes prisioneiros diariamente. Sem limpeza e esterilização adequadas, esses apetrechos são uma importante fonte de infecção em potencial.

O ônibus no qual os prisioneiros palestinos são transferidos é uma ameaça em si, pois seus assentos são feitos de metal e estão lotados. Os prisioneiros sentam-se muito próximos um do outro com as mãos e os pés algemados. Na quadra, eles são novamente colocados em celas superlotadas enquanto aguardam a audiência, às vezes por horas a fio com mais de dez pessoas no espaço destinado a quatro.

Uma vez na prisão, há oito presos em cada cela. Eles usam o mesmo banheiro e compartilham utensílios para comer, pois não há o suficiente para que cada prisioneiro tenha o seu. Eles dormem em beliches, por isso estão sempre próximos uns dos outros; as chances de infecção sãoaltíssimas.

Israel e o medo do coronavírus [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

O tratamento médico que provavelmente será oferecido aos prisioneiros palestinos com coronavírus será, sem dúvida, tão básico quanto o normalmente fornecido pelos médicos da prisão. Até doenças graves são tratadas com analgésicos, antibióticos, pomadas ou colírios. Quaisquer prisioneiros que exijam tratamento mais complexo são adicionados à lista para exame em um hospital; e podem esperar meses antes que isso aconteça. Se precisam de uma consulta de acompanhamento, devem aguardar novamente. Quando o vírus se espalhar e os hospitais israelenses estiverem ocupados tratando seus pacientes, não há dúvida de que os prisioneiros palestinos estarão no final da fila.

Cada seção dentro das prisões israelenses possui aproximadamente 100 prisioneiros e eles compartilham uma única grande máquina de lavar roupas. Isso significa que as roupas de prisioneiros doentes e saudáveis são lavadas juntas. Além disso, 100 prisioneiros compartilham cinco chuveiros em sua seção.

É por isso que será uma catástrofe se o coronavírus tomar conta das prisões de Israel, e nossos entes queridos estarão em grande perigo. Por mais que se fale de limpeza e isolamento profundos, suas vidas estão conectadas e as instalações, transferências, interrogatórios e julgamentos da prisão simplesmente não estão prontos para uma pandemia. Que o Todo-Poderoso proteja nossas famílias e tenha piedade delas. Amém.

LEIA: Estados árabes precisam ser completamente honestos sobre o coronavírus

Este artigo foi traduzido de Arabicpost, 22 de março de 2020

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestineSlide Grande
Show Comments
Show Comments