Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Juventude palestina busca um respiro nas mídias sociais

Jovens palestinos criativos se reúnem para discutir como usar as mídias sociais. Em 2011 [Mercy Corps]

As mídias sociais desempenham um papel vital na transformação do estilo de vida das pessoas. Incluem redes sociais,  sites e blogs na internet, aos quais as pessoas podem se conectar facilmente. Mas para os palestinos, significam mais do que isso, especialmente para o povo de Gaza. As mídias sociais  passaram a ser usadas na esperança de uma ponte sobre a falta de liberdade de movimento. Elas se tornam imperativas na cultura popular palestina, onde os jovens buscam  uma paisagem diferente da realidade viva. É vital garantir um ambiente melhor para a vida, contatos sociais, reconhecimento e promoção cultural da juventude palestina.

De acordo com um relatório de 2019 publicado pela web do StatCounter, “aproximadamente 65% dos palestinos na Cisjordânia ocupada e na Faixa de Gaza usam o Facebook, enquanto mais de um milhão usam o WhatsApp e mais de 300.000 usam o Twitter e o Instagram. ”

Desde o surgimento das redes sociais, como o Twitter e o Facebook, como principais ferramentas de notícias, os jornalistas palestinos fizeram um bom trabalho. Esses sites se tornaram uma rotina diária para as pessoas e a principal fonte de informação nos últimos anos. Jornalistas cidadãos procuram relatar eventos que ocorrem social e politicamente para levá-los ao povo palestino por meio de suas mídias e nas redes.

Um dos jornalistas de Gaza sua página pessoal no twitter para notícias diárias.

Devido às circunstâncias extremas em que a Palestina vive, é raro um palestino ter total controle sobre sua vida. Eles precisam superar todas as dificuldades impostas pela ocupação para escolher a vida que desejam viver, os lugares que desejam frequentar e as universidades nas quais desejam estudar. Um dos maiores desafios, por exemplo, é encontrar um emprego. A juventude palestina considera as mídias sociais uma nova maneira de buscar emprego e uma forma de o povo palestino entrar na internet. De acordo com o Bureau Central de Estatísticas da Palestina (PCBS), o desemprego na Palestina aumentou em 2019 para atingir cerca de 33% da força de trabalho em comparação com 31% em 2018, onde o número de desempregados chega a 351.500 na Cisjordânia e 219.300 em Gaza faixa. Atualmente, 47% dos jovens em Gaza estão desempregados.

Lubna Harazin é um exemplo de jovem palestina que não conseguiu encontrar um emprego após a formatura. Ela aprendeu várias habilidades, empregou-as em sites de mídia cidadã e depois as comercializou através delas. Lubna diz: “Comecei vender serviços nesses sites explicando minha habilidade e vantagem competitiva que me diferencia do resto das pessoas no mesmo campo. Durante meu trabalho neste campo, formei uma grande rede de relacionamentos e isso me ajudou a obter um número maior de empregos. Agora estou completamente dependente da minha renda nas mídias sociais ”

LEIA: Uma garota de Gaza rompe com a ideia de que marcenaria é profissão masculina

Lubna em seu trabalho em Gaza, Palestina.

Mídias sociais são vistas  como uma maneira de mostrar os talentos dos jovens palestinos à luz das restrições impostas pela ocupação israelense. Sahar Redwan é uma dentista palestina de Gaza; além disso, ela tem um talento único em desenho. Ela usa o desenho como uma ferramenta de comunicação com seus pacientes. “No começo, era apenas para meus pacientes e aqueles que estão perto de mim.” – Sahar lembra. “Fiquei contente quando meus pacientes me disseram confiar no meu trabalho, porque quem domina os mínimos detalhes do desenho domina os mínimos detalhes da profissão odontológica”. Ela acrescentou: “Depois disso, percebi que posso compartilhar meu talento com o mundo exterior, uso as mídias sociais para fazer as pessoas conhecerem meu talento por causa das restrições impostas pela ocupação israelense. Esses obstáculos me impedem de viajar e me comunicar diretamente com o outro mundo ou até desenvolver meu talento para alcançar a internacionalidade “

Por outro lado, a ocupação israelense não hesita em aniquilar qualquer oportunidade que possa ser uma tábua de salvação para o povo palestino. Esse medo da força e criatividade da juventude palestina levou a ocupação israelense a pedir ao Facebook para tomar procedimentos contra a juventude palestina. Já em 2017, a ministra da Justiça de Israel, Ayelet Shaked, disse  que  “Tel Aviv havia apresentado 158 pedidos à gigante da mídia social nos últimos quatro meses (daquele ano), de remoção de conteúdo que considerava incitação ”. E que simplesmente “o Facebook atendeu a 95% dos pedidos”.

Na verdade, o Facebook agiu naquele período contra 200 contas palestinas, incluindo a remoção de postagens e fotos. A isto, um ativista reagiu dizendo que “o Facebook está em guerra contra os palestinos” e acrescentou que o Facebook nunca tomou uma ação semelhante contra o que descreveu como dezenas de páginas israelenses do Facebook conhecidas por incitar a violência contra palestinos e suas propriedades.

À medida que a tecnologia cresce, a mídia social entrou na  rotina das pessoas. Enquanto elas acompanham os acontecimentos mundiais de maneira mais simples, o povo palestino enfrenta mais do que isso. Por causa das restrições que lhes foram impostas pela ocupação israelense e pela má situação econômica, as mídias sociais se mostraram um respiro e ferramenta para a comunicação com o resto do mundo.

Jovens estudantes, trabalhadores, artistas, cineastas, músicos palestinos procuram  mostrar e operar sua criatividade e diversidade em um espaço público virtual sem fronteiras. A juventude palestina nas redes sociais quer participar, ser visível, ouvida e vista.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments