Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Líbano quer novo julgamento de libanês americano por tortura e morte de prisioneiros

Amer Fakhoury, cidadão dos EUA preso ao voltar ao Líbano, em 28 de setembro de 2019

Um juiz militar do Líbano ordenou um novo julgamento do americano libanês Amer Fakhoury, que foi absolvido na segunda-feira.

O juiz Ghassan Khoury pediu ao Tribunal de Apelações Militar para reverter a absolvição e emitir um mandado de prisão para Fakhoury.

O cidadão libanês-americano é acusado de tortura e assassinato de vários presos enquanto servia como guarda penitenciário na prisão de Khiam, no sul do Líbano, nas décadas de 1980 e 1990.

Grupos de direitos humanos chamaram a prisão de centro de tortura, com pelo menos dez pessoas morrendo durante o período de Fakhoury.

Membro do Exército do Líbano do Sul (SLA), uma milícia apoiada por Israel dissolvida em 2000, acredita-se que Fakhoury tenha sido apelidado de “Açougueiro de Khiam”.

As acusações contra Fakhoury foram retiradas porque o prazo de prescrição expirou quando os crimes alegados passaram de uma década, informou a Agência Nacional de Notícias (NNA) na segunda-feira.

No entanto, Khoury pediu que Fakhoury fosse julgado novamente sob a acusação de seqüestro, tortura e detenção de cidadãos libaneses, além de “matar e tentar matar outros”, segundo a NNA.

Um ex-detento disse ao jornal L’Orient Le Jour no ano passado que “[os carcereiros] costumavam chicotear nossos corpos com cabos elétricos até que nossa pele fosse dilacerada. Amer Fakhoury foi quem orquestrou as sessões de tortura ”.

Fakhoury está proibido de deixar o Líbano pelos próximos dois meses. A mídia local, no entanto, informou que Fakhoury foi libertado e tentou deixar o país.

O apelo ocorre após um protesto popular no Líbano contra a absolvição de Fakhoury, que provocou tumultos e revoltas nas prisões.

Em uma declaração, o Hezbollah disse que “este é um dia triste para o Líbano e a justiça”.

A família e os advogados de Fakhoury, no entanto, disseram que “sua posição na prisão de Khiam era estritamente logística” e que “ele não tinha contato com prisioneiros”.

A família libanesa-americana pediu a libertação de Fakhoury citando o recém-diagnosticado câncer em estágio 4, que o impediu de participar de sessões de interrogatório recentes.

Os EUA pressionaram o Líbano a libertar Fakhoury, ameaçando novas sanções contra o Hezbollah, enquanto os senadores Shaheen e Cruz introduziram uma legislação em fevereiro que imporia sanções a autoridades libanesas consideradas envolvidas na detenção ilegal, prisão ou abuso de um cidadão dos EUA.

Fakhoury está sob custódia desde 12 de setembro, quando voltou ao Líbano depois de mais de duas décadas para visitar a família.

LEIA: Líbano declara estado de emergência por medo de coronavírus

Categorias
LíbanoNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments