Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Líbano declara estado de emergência por medo de coronavírus

O Líbano declarou ontem estado de emergência e ordenou quarentena de duas semanas por temores de coronavírus.

O primeiro-ministro libanês Hassan Diab e o ministro da Informação, Manal Abdel Samad Najd, anunciaram as novas medidas após as reuniões do Conselho Supremo de Defesa e do Gabinete na tarde de ontem.

Diab ordenou o fechamento das fronteiras aéreas, terrestres e marítimas de quarta-feira, 18 de março a 29 de março, mas excluiu a UNIFIL, missões diplomáticas e aeronaves de carga.

Os moradores receberam ordens de ficar em suas casas, exceto em viagens urgentes, embora nenhum toque de recolher tenha sido anunciado.

Bancos e empresas relacionadas ao suprimento de alimentos foram isentos de ordens de fechamento, mas foram instruídos a operar na “extensão mínima necessária para garantir o fluxo de trabalho”.

“Reuniões em locais públicos e privados” foram proibidas, incluindo o fechamento de instituições públicas, incluindo escolas e universidades, exceto aquelas que desempenham funções vitais, como instalações de saúde e a Electricite du Liban, a concessionária estatal de energia.

A medida ocorre depois que o Sindicato dos Proprietários de Restaurantes, Cafés, Boates e Doces anunciou na quarta-feira o fechamento voluntário de todos os filiados por duas semanas, na tentativa de combater a propagação da doença.

Nabila Awad, âncora do canal de televisão libanês MTV já havia declarado situação de emergência durante uma transmissão ao vivo em 11 de março e criticou o governo por sua resposta lenta.

O governo também enfrentou críticas por permitir que aviões do Irã, país com o maior surto da região, continuem pousando em Beirute.

Apesar das críticas, o Presidente Michel Aoun disse que “todas as medidas necessárias foram tomadas, com velocidade exemplar, para combater essa epidemia e impedir sua propagação em nosso país e entre os nossos cidadãos”.

Ele acrescentou que “as medidas que foram tomadas e a rapidez com que foram executadas nos níveis público e privado, em meio a circunstâncias econômicas e financeiras muito complicadas, tiveram o reconhecimento de organismos internacionais”.

O presidente executivo do partido das forças libanesas, Samir Geagea, também criticou as medidas do governo para combater a propagação da doença e cobrou “medidas relativas aos campos de refugiados palestinos e à presença síria no Líbano, a saber, o fechamento de todos os campos e impedir pessoas entrando ou saindo deles ”.

Geagea apelou ao favoritismo ao povo libanês “que deveria permanecer vivo, mas – Deus não permita – morrerá a menos que sejam tomadas as medidas necessárias”.

Tayseer Khaled, membro do Comitê Executivo da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), condenou as declarações de Geagea, chamando de “[discriminação] racista” e “desumana entre libaneses e não libaneses em uma questão humanitária …”.

Antes da reunião de emergência de ontem, as autoridades libanesas restringiram os vôos dos principais centros de coronavírus.

Na quarta-feira passada, o governo proibiu oficialmente voos do Irã, Itália, China e Coréia do Sul e deu aos cidadãos libaneses e suas famílias na França, Egito, Síria, Iraque, Alemanha, Espanha e Reino Unido quatro dias para retornarem antes de suspender viagens para e desses países.

Até o momento, o Ministério da Saúde do Líbano confirmou 99 casos de coronavírus e relatou três mortes.

LEIA: Abu Dhabi fecha o Louvre local e Ferrari World devido ao coronavírus

Categorias
LíbanoNotíciaOriente Médiovídeojornalismo
Show Comments
Show Comments