Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Líderes despóticos são ainda mais mortais que o coronavírus

Protestos no Reino Unido contra as ações da Arábia Saudita,Emirados Árabes Unidos, EUA e Reino Unido no Iêmen [Alisdare Hickson / Flickr / cc]

Não estou de maneira alguma menosprezando a gravidade do coronavírus que a Organização Mundial da Saúde classificou como pandemia, no entanto, as pessoas foram intimidadas por esse vírus e com as notícias se espalhando com ele. Houve muitas conspirações sobre como tudo começou, a mais importante delas é que é um tipo de produção biológica lançada pelos EUA contra seu maior concorrente econômico, a China. Essa idéia é posta em questão quando vemos que os EUA alocaram US$ 10 bilhões para enfrentar a doença e declararam estado de emergência.

Outros disseram que a China fez isso sozinha, em um esforço para se livrar de investidores estrangeiros, em apoio à sua economia, que superará os EUA com essa estratégia política. Como resultado do caos causado pelo vírus, investidores estrangeiros foram forçados a vender suas ações em empresas de tecnologia de alto valor a preços baixos e o governo chinês as comprou, permitindo que a China colha cerca de US$ 20 bilhões em dois dias.

LEIA: Confirmações de coronavírus em Israel aumentam 40% em 24 horas

Eles argumentam que esse cenário é verdadeiro porque a China diz que conteve o vírus e pode estar erradicando-o, levando esses outros a afirmar que Pequim já tinha o tratamento pronto antes que o vírus começasse a se espalhar.

Cada lado traz evidências conclusivas para apoiar sua sugestão. Talvez o mais famoso deles seja um romance escrito por Dean Koontz, intitulado “Os Olhos das Trevas”, publicado em 1981, que prevê o coronavírus e o surgimento em Wuhan, China, em 2020. O romance sugere basicamente que o vírus é um produto humano como parte das guerras germinativas que a China está travando contra os Estados Unidos.

No entanto, 27 renomados cientistas publicaram no Lancet que o coronavírus tem uma fonte semelhante ao surto de SARS e veio da natureza.

Alguns foram longe demais e viram a crise de uma perspectiva puramente islâmica, citando ditos proféticos que datam de 1.400 anos atrás. Eles relacionaram esse vírus ao fim do mundo e o consideraram um ato de vingança pela brutal repressão da China contra os uigures muçulmanos. Eles, no entanto, esquecem que os muçulmanos não estão imunes à propagação do vírus.

O ministro egípcio de Doações Religiosas chegou a acusar a Irmandade Muçulmana de pedir a disseminação do vírus em todo o mundo!

Até agora, o número de pessoas infectadas pelo vírus é muito menor que o número de pessoas que têm cólera ou tuberculose. Atualmente, existem menos de 200.000 casos de coronavírus em uma população global de mais de 7,7 bilhões. Dos infectados, a grande maioria se recupera completamente; aqueles que morreram do vírus tiveram doenças subjacentes.

Como o vírus surgiu não é tão importante.

Também deploro a utilização política, econômica e religiosa do coronavírus para derrotar e difamar os oponentes políticos e levar ao colapso das trocas globais. Trump congratulou-se com o declínio dos preços do petróleo, o que aumentou a possibilidade de conspiração entre alguns defensores da “teoria da conspiração”, especialmente que esse declínio ocorreu imediatamente após Trump tomar a decisão de proibir voos da maior parte da Europa, enfurecendo seus aliados.

Mesquitas foram fechadas em alguns países árabes, até a Grande Mesquita de Meca e a Mesquita do Nobre Profeta na Arábia Saudita, sob o pretexto de esterilização. Umrah foi proibido e o Hajj também pode ser evitado.

Vídeo sobre a suspensão da Umrah enfoca a propagação mundial do coronavirus, cita o representante da OMS, ichael Ryan, sobre preparação para enfrentar pandemia. Dois milhões de muçulmanos visitam Meca e Medina e não se sabe se a peregrinação do Haj será suspensa.

Esse pânico e terror fizeram com que cidades globais, normalmente centros de atividades, virassem cidades fantasmas, com cafés, clubes, lojas, restaurantes e escolas fechadas, e centenas de milhões presos em casa. O primeiro-ministro britânico Boris Johnson expressou melhor esse estado de medo e pânico quando disse: “O vírus vai se espalhar ainda mais. Devo dizer a você que mais famílias vão perder entes queridos antes do tempo”.

LEIA: Turquia, Alemanha, França e Reino Unido ‘reúnem-se’ online diante do surto de coronavírus

Esse movimento global contra o coronavírus não ocorre quando as pessoas estavam morrendo de fome no hemisfério sul ou sendo mortas pelo uso de armas letais vendidas pelo Ocidente. E se o mundo prestasse atenção às guerras provocadas pelo homem e à agressão contra os fracos, a fim de tomar seus bens?

O coronavírus não alcançará o nível de brutalidade e violência dos regimes coloniais e autoritários. O número de pessoas que os EUA mataram em suas guerras no Afeganistão e no Iraque superam as mortes causadas pelo vírus. Além de um milhão de sírios mortos pelo assassino Bashar Al-Assad e das centenas de milhares de iemenitas mortos pelo arrogante príncipe herdeiro saudita Mohammed Bin Salman com seu colega, o príncipe herdeiro dos Emirados Árabes Unidos..

Os dois prínicipes compartilham o sangue da guerra do Yémen [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
Arábia SauditaArtigoÁsia & AméricasChinaCoronavírusEUANotíciaOMSOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente Médiovídeos e histórias fotográficas
Show Comments
Show Comments