Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Indiano é internado após israelenses confundirem-no com chinês, em ataque relacionado ao coronavírus

Am-Shalem Singson foi atacado por dois israelenses, aos gritos de “Chinês” e “Corona”, embora não seja chinês tampouco esteja infectado. Singson é um judeu que emigrou da Índia a Israel [Mustafa Fatih Yavuz/Twitter]

Um imigrante indiano foi confundido com chinês e brutalmente agredido por dois israelenses em ataque racista relacionado ao surto do coronavírus.

Segundo informações divulgadas pela imprensa israelense no sábado (14), Am-Shalem Singson – cidadão de 28 anos da cidade de Manipur, na Índia, que emigrou a Israel em 2017 – foi violentamente agredido por dois homens israelenses que o confundiram com chinês.

Os israelenses, não identificados, gritaram contra ele “Chinês” e “Corona! Corona!”, em referência à pandemia de coronavírus, que teve início na província chinesa de Hubei. As informações são do jornal Times of Israel.

“Disse aos dois agressores que eu sequer era chinês, mas sim judeu da comunidade de Bnei Menashe, embora não haja qualquer justificativa para atacar um cara chinês ou qualquer outra pessoas”, afirmou Singson, segundo a reportagem. “Mas estavam completamente loucos e me chutaram com força enquanto gritavam ‘Corona! Corona!’.”

Singson está hospitalizado no Hospital de Poriya, em Tiberíades. Segundo os relatos, o imigrante indiano sofreu “ferimentos graves no peito e pulmões.” Sua condição, no entanto, é estável.

Após o ataque, o departamento responsável por monitorar casos de racismo do Centro de Ações Religiosas de Israel alegou preocupações sobre o crescimento do racismo entre israelenses. “Mais de 10.000 pessoas da China e Leste Asiático trabalham em Israel hoje”, reportou.

“O pânico [em torno do coronavírus] não devem torná-los alvos. Em algumas epidemias anteriores, foram os judeus falsamente acusados de espalhar a doença. Vamos aprender com essa lição humanitária.”

Michael Freund, fundador da organização judaica Shavei Israel, sediada em Israel, afirmou “espanto pelo cruel ataque racista” contra Singson. “Os Bnei Menashe [judeus indianos] são nossos irmãos e irmãs e qualquer um que erga a mão contra eles deve ser levado à justiça. Exijo ação e investigação da polícia sobre este incidente imediatamente.”

Segundo o jornal Times of Israel, mais de 4.000 membros da comunidade Bnei Menashe vivem em Israel, e cerca de 6.500 judeus indianos permanecem na Índia aguardando “retorno da diáspora”.

Embora agressões racistas contra imigrantes judeus relacionadas ao coronavírus sejam uma crise recente nos territórios ocupados por Israel, ataques racistas são frequentes contra palestinos, além de outras nacionalidades, como árabes e africanos – judeus e não judeus. Israel é denunciado pelos palestinos como estado de apartheid.

LEIA: Confirmações de coronavírus em Israel aumentam 40% em 24 horas

Categorias
Ásia & AméricasChinaCoronavírusÍndiaIsraelNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments