Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

50 ex-ministros e líderes europeus criticam ‘acordo do século’ de Trump

Manifestantes britânicos se reuniram do lado de fora da embaixada dos EUA em Londres para protestar contra o chamado 'Acordo do Século' de Donald Trump. Em 1º de fevereiro de 2020 [Organizadores]

Dezenas de ex-ministros e líderes europeus das Relações Exteriores criticaram o chamado “acordo do século” do governo Trump, descrevendo seus detalhes como semelhantes ao “apartheid”.

Em uma carta publicada hoje pelo Guardian, as 50 figuras européias – incluindo ex-primeiros-ministros e altos ministros – pediram medidas para se opor ao plano.

“Como europeus dedicados à promoção do direito internacional, paz e segurança em todo o mundo, expressamos nossa profunda preocupação com o plano do presidente Trump para o Oriente Médio”, começa a carta.

“O plano contradiz parâmetros acordados internacionalmente para o processo de paz no Oriente Médio, resoluções relevantes da ONU, incluindo a resolução 2334 do conselho de segurança e os princípios mais fundamentais do direito internacional”, continua.

“Em vez de promover a paz, traz o risco de alimentar o conflito – às custas de civis israelenses e palestinos, e com graves implicações para a Jordânia e toda a região.

O plano “recebeu uma oposição generalizada na região, na Europa e nos Estados Unidos”, diz a carta.

“Permite anexar grandes e vitais partes do território palestino ocupado e legitima e incentiva atividades ilegais de assentamentos israelenses”, e reconhece “apenas as reivindicações de um lado por Jerusalém e não oferece uma solução justa para a questão dos refugiados palestinos”.

Em linguagem forte, os ex-altos funcionários descrevem o plano de Trump como “uma formalização da realidade atual no território palestino ocupado, no qual dois povos vivem lado a lado sem direitos iguais”, acrescentando que esse resultado tem características semelhantes ao apartheid “.

“O mapa apresentado no plano propõe enclaves palestinos sob controle militar israelense permanente, que evocam associações assustadoras com os bantustões da África do Sul”, afirmou ainda a carta.

A carta termina com uma chamada à ação da “comunidade internacional, particularmente da União Européia”, com o objetivo de “preservar a dignidade e os direitos dos palestinos, o futuro da democracia israelense e a ordem internacional mais ampla baseada em regras”.

A carta foi assinada pelo ex-secretário de Relações Exteriores britânico, Jack Straw, pela ex-ministra do Gabinete do Reino Unido e ministra das Relações Exteriores para as Nações Unidas, os Direitos Humanos e o Tribunal Penal Internacional (TPI), Sayeeda Warsi, e por ex-representantes da França, Alemanha, Irlanda, Itália, Noruega, Suécia e Suíça entre outros.

Categorias
Ásia & AméricasEUAEuropa & RússiaIsraelNotíciaOriente MédioPalestineUE
Show Comments
Show Comments