Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Sucessor de Qasem Soleimani promete executar uma vingança ‘viril’

Milhares de pessoas participaram de procissão funeral para Qasem Soleimani, comandante das forças al-Quds, unidade de elite da Guarda Revolucionária do Irã, assassinado por ataque a drone americano, em Teerã, Irã, 6 de janeiro de 2019 [Fatemeh Bahrami/Agência Anadolu]

Esmail Qaani, novo comandante das Forças al-Qud, unidade de elite da Guarda Revolucionária do Irã, prometeu que a vingança pelo assassinato de seu predecessor, o general Qasem Soleimani – morto por ataque a drone ordenado pelo Presidente dos Estados Unidos Donald Trump, perto do Aeroporto Internacional de Bagdá –, será executada de “forma viril”.

Ao discursar ontem (20) em cerimônia para oficializá-lo como sucessor de Soleimani, Qaani reiterou que o assassinato do general iraniano ocorreu de modo “covarde”.

“Porém, com a graça de Deus e por meio dos esforços daqueles que lutam pela liberdade em todo o mundo, e que desejam vingança pelo seu sangue, retaliaremos ao inimigo de modo bastante viril”, declarou Qaani.

Com base em uma “ameaça iminente” pouco verossímil imposta aos Estados Unidos pelo general iraniano, o governo americano decidiu realizar um ataque aéreo e executar Soleimani, em Bagdá, capital do Iraque, no dia 3 de janeiro deste ano. A operação americana levou a uma resposta retaliatória do Irã, ao conduzir ataques a mísseis contra bases americanas no Iraque, resultando em danos estruturais e, conforme relatos, soldados americanos feridos.

A série de eventos levou Estados Unidos e Irã às margens de um conflito bélico. As tensões parecem ter se atenuado após a resposta iraniana.

Entretanto, o Supremo Líder do Irã, Aiatolá Ali Khamenei, exigiu publicamente que os Estados Unidos retirem todas as suas tropas da região e prometeu “dura vingança” após a morte de Soleimani. Segundo Khamenei, os ataques a mísseis foram somente um “tapa na cara”.

As forças al-Quds são parte da operação regional da Guarda Revolucionária do Irã, que representa a um contingente de 125.000 oficiais, e responde diretamente ao aiatolá Khamenei.

LER: Khamenei fica ao lado dos guardas do Irã após distúrbios devido a avião abatido

Categorias
Ásia & AméricasEstados UnidosIrãNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments