Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Dezesseis soldados dos EUA foram levados a hospital do Kuwait após ataque ao Irã

Sites iraquianos publicaram fotos que, segundo eles, vazaram de dentro da base de Al-Asad, na província de Anbar, após o ataque com mísseis iranianos, em retaliação ao assassinato do general Qassem Soleimani em Bagdá. [Arabi21]

Um jornal de língua árabe do Kuwait informou ontem que 16 militares dos EUA foram transferidos para um hospital militar no Kuwait após o ataque de mísseis retaliatórios do Irã contra a Base Aérea de Ain Al-Assad, no Iraque, no início deste mês. Algumas vítimas sofreram queimaduras graves e outras tiveram ferimentos por estilhaços. Os ataques aéreos iranianos atingiram dois locais em resposta ao assassinato americano do principal general iraniano Qassem Soleimani em Bagdá, em 3 de janeiro.

Al-Qabas citou fontes informadas dizendo que as tropas foram levadas de avião para um hospital em Camp Arjifan, na Base Aérea de Ahmed Al-Jaber, sob forte segurança. A fonte acrescentou que os soldados feridos foram submetidos a cirurgia e estão sendo mantidos na UTI do hospital.

Segundo o jornal, vários outros militares americanas que sofreram ferimentos leves nas respostas iranianas estão sendo tratadas no Iraque.

Na semana passada, o Pentágono revelou que pelo menos 11 funcionários dos EUA ficaram feridos no mesmo incidente e foram levados de avião às instalações médicas, sugerindo que estavam sendo submetidos a exames preventivos de concussão. Aparentemente, oito foram levados para a Alemanha, enquanto três foram levados para o acampamento Arjifan. Não está claro se incluem os 16 feridos relatados ontem.

A declaração do Comando Central dos EUA contradiz o presidente dos EUA, Donald Trump, que anunciou no Twitter um dia após o ataque que: “Nenhum americano foi ferido no ataque da noite passada pelo regime iraniano. Não sofremos baixas.

As autoridades iranianas sustentam que os EUA perderam pelo menos 80 soldados e tiveram até 200 feridos no ataque. Pelo menos uma dúzia de mísseis balísticos foram disparados na base de Al-Assad e em Erbil.

Um comandante da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC), brigadeiro-general Ali Hajizadeh, disse em entrevista coletiva que, embora o Irã não tenha procurado diretamente matar soldados americanos, “dezenas de militares americanos provavelmente foram mortos e feridos e foram transferidos para Israel e Jordânia em nove missões de voos C-130. ”Ele acrescentou que, se o Irã pretendesse matar as tropas americanas, poderia ter planejado operações com alta quantidade de baixas para matar 500 soldados americanos na primeira fase, e 4 mil a 5 mil outros na segunda e terceira fases.

O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, descreveu a operação militar como “um tapa na cara” dos EUA. Um comandante sênior do IRGC assegurou que uma “vingança mais dura” virá em breve.

Categorias
Ásia & AméricasEUAIrãKuwaitNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments