Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Turquia entra em 2020 de olho no Mediterrâneo

Refugiados sírios chegam na Grécia [Anadolu]

A Turquia anunciou que está enviando tropas para a Líbia para lidar com um novo afluxo de refugiados da província noroeste da Síria, Idlib. Milhões estão fugindo dos ataques brutais do presidente Bashar Al-Assad e das crises humanitárias na Síria. No último mês de 2019, centenas de milhares de sírios chegaram à fronteira com a Turquia como resultado dos ataques lançados pelo regime sírio e forças russas aliadas em Idlib.

Se os sírios começarem a atravessar a fronteira da Turquia em 2020, “a Turquia não suportará esse fardo de migração sozinha”, alertou o presidente Recep Tayyip Erdogan.

A Turquia já abriga cerca de 3,7 milhões de refugiados sírios e continuará as negociações com a UE em um esforço para forçar o organismo global a contribuir financeiramente para atender às necessidades dos refugiados sírios, ajudar a combater o terrorismo no Oriente Médio e lidar com as dura situação com Grécia em relação ao Mediterrâneo Oriental.

A retomada das negociações sobre a adesão de Ancara à UE não é esperada para este ano.

Em 2019, a Turquia desafiou o alerta dos EUA de que poderia ser punida com sanções pela aquisição de US$ 2,5 bilhões do sistema de defesa antimísseis -400 da Rússia. No entanto, Ancara prosseguiu com o acordo e recebeu o primeiro desses sistemas, enquanto os EUA, em retaliação, retiraram formalmente a oferta de compra pela Turquia de seu sistema de mísseis Patriot.

As autoridades turcas reclamaram que, nos últimos anos, os EUA não têm sido um parceiro confiável. Sua aliança no norte da Síria com as Unidades de Proteção do Povo (YPG) – afiliada ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), que lança é é listada como grupo terrorista pelos EUA e UE – e seu fracasso em cooperar com os pedidos de extradição de Fethullah Gulen – que as autoridades turcas acusam de planejar a tentativa de golpe de julho de 2016 – levaram uma barreira entre os antigos aliados.

As relações entre Ancara e Washington continuarão a ser problemáticas em 2020, enquanto a Turquia luta para explicar como a compra do sistema S-400 não significa que está “dando as costas” à OTAN e ou que os EUA falham ao apoiar inequivocamente os interesses de segurança da Turquia na região.

Enquanto isso, as relações russo-turco continuarão a crescer com base nos interesses mútuos dos dois países, que os farão acordos sobre energia sustentável, comércio e indústria de defesa.

Na Turquia, 2020 começou com o parlamento ratificando uma moção que autoriza o governo a enviar tropas para a Líbia a pedido do Governo de Acordo Nacional (GAN) reconhecido internacionalmente. A chegada dos militares turcos faz parte de um esforço para proteger os direitos de ambos os países.

A decisão ocorreu depois que o GAN e Ancara assinaram acordos históricos de segurança e marítimos, que determinarão a agenda da diplomacia e segurança da Turquia este ano.

Como resultado, a crise em curso sobre o compartilhamento das fontes de hidrocarbonetos da região do Mediterrâneo Oriental será um dos tópicos cruciais para a Turquia em 2020. Em janeiro do ano passado, Chipre grego, Grécia, Israel, Itália, Jordânia, Palestina e Egito realizaram um reunião no Cairo para anunciar o estabelecimento do Fórum do Gás do Mediterrâneo Oriental para cooperar na produção, consumo e comercialização de recursos regionais. Este ano, a Turquia mostrará sua disposição de exercer seus direitos soberanos no Mediterrâneo Oriental, conforme a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar de 1982 (UNCLOS), que estipula que todos os estados têm direitos aos recursos na área ao seu redor, de acordo com suas respectivas zonas econômicas exclusivas.

Como a Turquia pretende aumentar suas exportações para US$ 190 bilhões em 2020, ela procurará transformar seus ganhos econômicos por meio da Iniciativa do Cinturão e Rota da China, que terá rotas comerciais ligando a China a outras nações asiáticas, além de África e Europa. Os esforços para conseguir isso podem ser fortalecidos pelos EUA e pela China, que continuam a guerra comercial.

No futuro, a prioridade da Turquia será preservar sua estabilidade regional e manter um equilíbrio entre o poder brando e o duro na região. Para fazer isso, Ankara se concentrará principalmente no Mediterrâneo e na Síria, enquanto olha para os interlocutores mais importantes: Moscou, Washington e Bruxelas.

LER: Turquia afirma que cessar-fogo será implementado em Idlib, na Síria, ainda em janeiro

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasChinaEUAEuropa & RússiaGréciaOpiniãoOriente MédioRússiaSíriaTurquia
Show Comments
Show Comments