Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A campanha persistente de Israel contra a UNRWA é um ataque à educação e libertação palestinas

Palestinos protestam contra a decisão do presidente dos EUA Trump de parar de financiar a UNRWA. Em 8 de setembro de 2018 [Wisam Hashlamoun]

A comunidade internacional ainda não entendeu, ou se recusa a ver a determinação de Israel de combater cada suposta vitória dos palestinos com mais violações. Essas contramedidas implementadas por Israel, principalmente para impedir que a Agência das Nações Unidas para os Refugiados da Palestina (UNRWA) cumpra seu mandato, concentram-se agora em interromper a educação dos estudantes palestinos.

Seis escolas da UNRWA em Jerusalém estão enfrentando um possível fechamento e estão sendo substituídas por instituições gerenciadas pelo Ministério da Educação de Israel. É, sem dúvida, uma afronta à UNRWA e à comunidade internacional, mas são os palestinos que pagarão o preço de tal movimento político, a saber, a dissolução da conexão entre o povo, sua história e sua memória.

O membro do Comitê Executivo da Organização de Libertação da Palestina, Hanan Ashrawi, descreveu as conseqüências de alterar a educação palestina de forma sucinta. Os esforços de Israel, disse ela, são “ações ilegais destinadas a alterar a composição histórica, cultural e demográfica da Jerusalém ocupada”. No entanto, em termos do desprezo de Israel pela comunidade internacional, a declaração de Ashrawi elimina o fato de que existe uma coesão incontestada entre o projeto colonial de Israel e a ONU.

LER: Israel e EUA juntam esforços para maior controle da UNRWA, diz jornal

Fechar as escolas da UNRWA e, assim, acabar com a possibilidade de as crianças palestinas serem ensinadas em um ambiente que priorize a necessidade de reter conhecimento sobre a história da Palestina deve se justapor à intenção da ONU de permitir que Israel colonize terras palestinas. Todas as medidas tomadas após o estabelecimento de Israel, supostamente provisórias até que uma resolução seja alcançada, se estenderam a catástrofes incontroláveis. A educação palestina é um exemplo disso. Coagir os estudantes palestinos a seguir um plano de estudos determinado por Israel é mais um passo no plano do Estado colonial-colonizador de marginalizar a narrativa de refugiados palestinos.

A UNRWA chama atenção devido à sua missão humanitária, que é guiada pelos impedimentos de se envolver politicamente em termos de direitos políticos dos palestinos. Por outro lado, Israel não enfrenta oposição internacional ao seu plano de eliminar a definição de “refugiado palestino”. A ONU está preocupada apenas com a sobrevivência de sua agência. As autoridades palestinas devem reconhecer essa discrepância e abster-se de ecoar declarações da ONU que não fazem nada além de apontar as óbvias violações israelenses. Durante meses, a discussão sobre o financiamento da UNRWA teve precedência sobre os direitos palestinos. Na pressa de defender o mandato e a existência da UNRWA, os palestinos foram excluídos de sua própria história, porque a narrativa para salvar a organização foi determinada por diplomatas internacionais. Perdeu-se uma oportunidade para os palestinos fazerem suas exigências em relação à UNRWA, a fim de manter os refugiados como meros receptores sem voz da ajuda humanitária.

À medida que a nova campanha de Israel contra a UNRWA passa a ensinar as crianças palestinas à narrativa colonial, os líderes palestinos devem deixar claro que essa é mais uma forma de deslocamento enfrentado por Israel, complementando a desapropriação histórica da população palestina. O colapso de um segmento da educação palestina, em particular quando se trata de refugiados, terá um impacto permanente na sociedade palestina em termos de preservação da memória. Substituir as escolas da UNRWA e forçar o currículo israelense às instituições de ensino palestinas deve ser um lembrete de quão necessário é priorizar a narrativa dos refugiados, não em termos do planejamento mal administrado pela ONU de ajuda humanitária, mas como a fonte da qual a educação e a libertação palestinas ser organizado.

LER: UNRWA: Situação em Gaza vai de “mal a pior”

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoBlogBlogs - PoliticsIsraelOpiniãoOriente MédioPalestine
Show Comments
Show Comments