Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

750 filhos de combatentes europeus presos na Síria

Mulheres que se casaram com membros do Daesh e seus filhos [Twitter]

Atualmente, até 750 filhos de combatentes estrangeiros, especificamente cidadãos da UE, estão presos em acampamentos no nordeste da Síria, com muitos deles com menos de seis anos de idade.

O maior dos campos e o mais conhecido é o campo Al-Hawl, controlado peas Forças Democráticas da Síria (SDF), liderada pelos curdos; supostamente abrigando cerca de 70.000 pessoas, das quais a grande maioria são mulheres e crianças.

“Entre eles, o maior grupo de crianças na faixa de 300 é considerado francês”, de acordo com Dominique Parent, do Escritório Regional de Direitos Humanos da ONU, que informou ontem os deputados ao Parlamento Europeu da situação. Os filhos restantes de combatentes europeus na Síria consistem em 200 da Holanda, 160 da Bélgica e 60 cidadãos do Reino Unido.

A revelação da extensão do número de crianças nascidas de combatentes estrangeiros no conflito sírio ocorre em meio a um debate significativo nos países europeus e ocidentais, em particular sobre se devem permitir que os ex-combatentes e seus filhos retornem a seus países.

Após a derrota territorial do Daesh no ano passado e a captura de muitos de seus combatentes e de suas famílias, tem havido uma preocupação crescente com os cidadãos da UE que se juntaram ao grupo, muitos dos quais agora se arrependem de suas escolhas e pretendem voltar às suas vidas nos países de origem. Devido à sua antiga afiliação ao Daesh e ao risco percebido de que representem uma ameaça extremista ao retornarem, os países europeus se recusaram amplamente a conceder-lhes acesso e, em muitos casos, revogaram sua cidadania, gerando controvérsia sobre a ética de tal movimento, especialmente em relação às crianças nascidas no conflito.

A deputada Maria Arena, que preside a subcomissão de direitos humanos do Parlamento Europeu, enfatizou: “Se uma criança é cidadã de um Estado membro, sua proteção deve prevalecer sobre quaisquer preocupações políticas.” A questão é ainda mais difícil devido ao fato de que que os SDF supostamente não permitirão que as crianças retornem sem suas mães, que geralmente são membros simpatizantes do Daesh.

As 750 crianças nascidas nacionais na UE estão entre as cerca de 28 mil crianças de mais de 60 países que estão atualmente presas no nordeste da Síria, dos quais menos de 20% têm pelo menos 12 anos e metade delas tem menos de cinco. Cerca de 20 mil crianças são iraquianas, e as 8 mil restantes são de outros países.

Categorias
IraqueNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioSíriaUE
Show Comments
Show Comments