Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Partido Trabalhista do Reino Unido vota por parar o comércio de armas com Israel

Bandeiras palestinas são vistas na conferência do Partido Trabalhista durante a moção para encerrar a venda de armas britânicas a Israel. Em 25 de setembro de 2019 [Asa Winstanley/Twitter]

O Partido Trabalhista britânico votou ontem (23) a favor de uma moção para que a Grã-Bretanha deixe de negociar com Israel se este não cumprir as leis internacionais de direitos humanos.

A moção, intitulada “Política Externa Ética”, foi proposta pelo Grupo Constituinte de Hove (CLP) e pelo Birkenhead CLP e só entrará em vigor se o Partido Trabalhista vencer a próxima eleição geral e a moção for aprovada pelo parlamento.

A moção inclui uma chamada para “trabalhar globalmente por uma aliança” que rejeite acordos comerciais com Israel que não reconheçam os direitos dos palestinos e declara o plano de paz proposto pelo presidente dos EUA, Donald Trump – apelidado de “acordo do século” – uma “tentativa únilateral” de destruir os direitos palestinos ”.

O texto também pede a qualquer futuro governo trabalhista que aplique o direito internacional em relação aos assentamentos nos territórios palestinos ocupados ilegalmente.

O delegado do Hove CLP, Ali Brownlie Bojang, disse que “a solução de um governo trabalhista deve incluir a autodeterminação e o direito de retorno (dos palestinos) às suas casas, protegidos pelo direito internacional e expressos em inúmeras resoluções da ONU”.

Ela concluiu: “Como socialistas, estamos sempre com os oprimidos. Conferencistas, eu proponho: Palestina livre! ”

A moção foi aplaudida de pé e brados “Palestina Livre!”, em meio a um mar de bandeiras palestinas.

Vanessa Stillwell, da Jewish Voice for Labour, de Dulwich e da CLP de West Norwood, falou em defesa do texto, dizendo que apoiava o líder do partido Jeremy Corbyn como o maior “líder antirracista que este partido já teve”, e recebeu aplausos arrebatadores.

A moção foi aprovada quase por unanimidade pelos delegados da conferência, ao final da sessão sobre Assuntos Internacionais.

Em resposta, a diretora dos Amigos dos Trabalhadores em Israel (LFI), Jennifer Garber, acusou o partido de ser a “casa dos odiadores de Israel e dos racistas anti-judeus”, conforme post abaixo, e descreveu o sucesso da moção como um “dia sombrio na história do Partido Trabalhista”. .

No entanto, o coletivo Artists for Palestine UK (Artistas do Reino Unido pela Palestina), cujos apoiadores incluem a atriz Miriam Margolyes e Nick Seymour , da banda Crowded House, foi rápido em responder às acusações da LFI.

Em um tweet, eles disseram: “* Nossa comunidade judaica congratula-se com a moção porque ansiamos por plenos direitos, igualdade e libertação da ocupação e controle militares, para todas as pessoas em Israel-Palestina, independentemente de raça ou credo.”

Categorias
Europa & RússiaIsraelNotíciaOriente MédioPalestinaReino Unido
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments