Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel aos 71 anos: uma leitura de seu posicionamento estratégico

Jovens israelenses marcham pela Cidade Velha de Jerusalém segurando a bandeira de Israel para marcar o 'Dia de Jerusalém' em 16 de maio de 2007 [Menahem Kahana / AFP / Getty Images]

Israel marcou o 71º aniversário de sua criação na Palestina com um sentimento esmagador de orgulho e poder; acreditando que atingiu o pico de seu status estratégico. No entanto, ainda existem desafios e riscos que podem aumentar no futuro e atingir as bases de sua sobrevivência, notavelmente seus setores de segurança, economia e assentamentos. Este artigo oferece uma revisão do posicionamento estratégico de Israel, em termos de suas conquistas e riscos potenciais.

Realizações estratégicasIsrael foi capaz de se tornar a maior congregação de judeus do mundo, o que sempre foi um objetivo sionista fundamental. Em seu 71º aniversário, anunciou que sua população chegou a 6,74 milhões de judeus, constituindo 46,5% de todos os judeus do mundo.

Sua superioridade militar significa que Israel venceu a maior parte de suas guerras com os árabes e ocupou a maior parte da Palestina, bem como as colinas sírias de Golan. O exército israelense está classificado entre os principais do mundo, empregando as armas mais avançadas com total apoio e cooperação dos EUA. Há também uma próspera indústria de armas em Israel e um arsenal nuclear de aproximadamente 200 ogivas, o que lhe confere superioridade estratégica na região.

Os partidos políticos israelenses são muitos e têm várias inclinações – direita, esquerda e religiosa -, mas geralmente concordam com o básico e a estrutura geral do projeto sionista. Eles conseguiram administrar suas diferenças dentro de um sistema político efetivo que mantém Israel sionista no caminho certo para atingir suas metas e objetivos finais. A maioria dos partidos mantém abordagens seculares aceitáveis para o Ocidente, com um núcleo fortemente nacionalista e religioso capaz de agressão excessiva contra o povo palestino.

Com uma economia avançada, Israel alcançou condições econômicas avançadas semelhantes às dos países europeus e criou um ambiente atraente para os assentamentos judaicos. Em 2018, o Produto Interno Bruto de Israel foi de US $ 369 bilhões, com um PIB per capita de US $ 41.560.

Trabalhadores da construção civil constroem assentamentos ilegais em Jerusalém ocupada [Sliman Khader / Apaimages, File photo]

Avanço industrial, científico e tecnológico tornaram Israel significativamente superior nos setores de alta tecnologia, onde é considerado um dos líderes globais. Exportações cresceram para um total de US $ 50,5 bilhões em 2018, incluindo componentes eletrônicos, serviços e software de computação, serviços de telecomunicações, aeronaves, equipamentos médicos e cirúrgicos e inteligência artificial.

Com apoio internacional e influência global sem precedentes, Israel conseguiu se impor no cenário internacional. Reforçou a sua “legitimidade” e relações políticas, especialmente desde os Acordos de Oslo e o processo nominal de paz. Também manteve sua posição como um estado aparentemente acima da lei, agindo com impunidade em sua ocupação militar, opressão e cerco à Palestina e ao povo palestino. Seu principal aliado são os EUA, que usaram seu veto no Conselho de Segurança da ONU para bloquear qualquer tentativa de responsabilizar Israel por suas ações. Outros estados ocidentais alinham-se atrás dos EUA neste apoio. Assim, tem sido capaz de evitar e ignorar dezenas de resoluções internacionais que apoiam os direitos palestinos. Além disso, muitos países consideram as boas relações com Israel como a chave para manter Washington feliz e se beneficiar da generosidade dos EUA.

Israel conseguiu investir nos acordos do processo de paz a seu favor, especialmente os Acordos de Oslo. Dezenas de estados forjaram ligações políticas com Israel, o que tem sido capaz de neutralizar as principais forças árabes e tirar de cena muitas facções palestinas. Ao mesmo tempo, continuou a impor seus projetos de judaização e assentamentos nos territórios palestinos ocupados, especialmente na Cisjordânia e em Jerusalém. Ao fazê-lo, esvaziou a “solução de dois estados” de qualquer significado real e está tentando encerrar o assunto palestino e infligir aos palestinos o que é chamado de “acordo do século” em cooperação com os EUA.

O estado sionista tem sido capaz de minimizar o projeto nacional palestino e transformar a Autoridade Palestina, criada por Oslo, em uma ferramenta da ocupação. Os palestinos sempre esperaram que a AP um dia se tornasse o governo de um estado palestino independente dentro das fronteiras de 4 de junho de 1967, mas agora é uma entidade que serve à ocupação israelense mais do que as aspirações do povo da Palestina. A AP gasta grandes quantias de dinheiro em suas forças de segurança, que coordenam seu trabalho com o exército e a polícia israelenses, e se movem contra grupos de resistência. Além disso, o orçamento e a economia da AP estão diretamente ligados ao da própria ocupação.

Graças, em grande parte, às suas relações abertas e encobertas com os países árabes e muçulmanos, Israel conseguiu penetrar no meio árabe e islâmico em volta. De fato, os governos regionais estão agora caindo sobre si mesmos para normalizar as relações com Israel, desenvolvendo vínculos e respondendo positivamente ao “acordo do século” antes mesmo de o Estado sionista ter cumprido suas obrigações sob Oslo e o processo de paz.

Desafios e riscosIsrael enfrenta uma série de desafios e riscos, que podem se transformar a médio e longo prazo em uma “séria ameaça”, além da firmeza do povo palestino e o aumento da população na Palestina histórica. Há agora mais palestinos que judeus em Israel e nos territórios ocupados; Prevê-se que haverá mais 300.000 palestinos do que judeus nos próximos cinco anos. Essa “bomba-relógio demográfica” representa um grande desafio para o projeto sionista e a futura identidade da terra ocupada.

Apesar do compromisso da Organização de Libertação da Palestina e da AP com o agora moribundo processo de paz, os grupos de resistência mantiveram seu apoio popular em oposição a negociações que não levaram a lugar algum, bem como a decepção dos Acordos de Oslo. À medida que as capacidades de resistência dos grupos na Faixa de Gaza se desenvolveram, o povo esteve firme em face do cerco de 12 anos liderado por Israel. Com uma estimativa de 60.000 pessoas armadas baseadas no Faixa de Gaza, agora é considerada uma base de resistência e inspiração global para combatentes da liberdade em todos os lugares. Além disso, os esforços de resistência continuam na Cisjordânia ocupada, apesar das enormes dificuldades, sobretudo a colaboração ativa das forças de segurança da AP com seus pares israelenses.

A continuação dos sentimentos anti-Israel entre os povos do Oriente Médio, juntamente com o fracasso de Israel em se tornar uma entidade natural na região, significa que a maioria dos esforços de normalização permanece dentro dos círculos oficiais, e não em um nível popular. Assim, quaisquer mudanças políticas regionais que reflitam as aspirações do povo levarão Israel de volta à estaca zero, cercadas por entidades hostis com o potencial de se tornar uma séria ameaça ao estado sionista.

Um protesto contra o sionismo [foto do arquivo]

Israel conseguiu administrar o processo de paz em seu benefício, mas a arrogância e a ganância de sucessivos governos bloquearam o caminho para que qualquer acordo “razoável” seja alcançado, mesmo com os partidos árabes e palestinos pró-paz. Como tal, o fracasso do processo de paz poderia abrir as portas para o povo palestino se reunir em torno da resistência e anular quaisquer ganhos israelenses.

Ameaças estrangeiras reais e percebidas ao estado sionista permanecem em vigor, incluindo a “ameaça iraniana” e as forças de resistência nos países vizinhos à Palestina, bem como a possibilidade de outra onda de revoluções em toda a região. Além disso, diz-se que o ambiente popular pró-resistência é forte nos países ao redor de Israel e em outros países árabes e muçulmanos mais distantes.

A sociedade israelense conseguiu absorver imigrantes de mais de cem países, falando dezenas de idiomas; tem sido relativamente bem-sucedido na gestão de suas diferenças lingüísticas e culturais. No entanto, existem algumas diferenças que podem aumentar, especialmente quando a segurança e as condições econômicas se deteriorarem, com um desejo resultante e crescente de deixar a “terra prometida” para retornar às terras natais dos migrantes. Além disso, há diferenças reais entre os judeus sefarditas e asquenazes no que diz respeito ao sentido de pertencer a Israel, bem como a afiliações religiosas e seculares. Manifestações de corrupção e o colapso da sociedade são generalizados, assim como o desejo de uma vida de luxo e prazer. A “geração fundadora” de Israel passou em grande parte, e suas lendárias qualidades de luta morreram com eles; Um número crescente de israelenses está se registrando como objetores conscienciosos do serviço militar nos territórios palestinos ocupados.

Os palestinos que vivem na diáspora conseguiram preservar sua identidade nacional, e mais de três quartos deles vivem no ambiente estratégico em torno de Israel. Eles rejeitaram várias formas de naturalização em seus países de acolhida e desenvolveram instituições e sociedades que afirmam seu direito de retorno e a liberação da Palestina.

Além disso, apesar da influência de Israel na arena internacional, há uma tendência crescente de pessoas em todo o mundo simpatizarem e apoiarem o apelo pelos direitos dos palestinos. As percepções negativas sobre Israel estão crescendo mesmo no coração de seu apoio como os EUA e a Europa. O movimento de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) está em ascensão. Esta é uma grande preocupação para Israel, cujo governo está gastando milhões de dólares tentando contê-lo.

Em geral, o poder do projeto sionista permanece sem precedentes, mas os desafios e riscos que enfrenta são grandes e reais. Eles podem até inclinar a balança em favor dos palestinos em um futuro não muito distante.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasBDSEUAIsraelNotíciaOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments