Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel inaugura assentamento ilegal de nome Trump nas Colinas de Golan

O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahuao dedicar ao presidente dos EUA, Donald Trump, um assentamento nas Colinas de Golan em 16 de junho de 2019 [USAmbIsrael / Twitter]

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, inaugurou um assentamento ilegal nas colinas sírias ocupadas de Golan, em homenagem ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.A inaugurar, ontem, o assentamento – chamado de “Ramat Trump”, em hebraico, que quer dizer “Colinas Trump” – ele saudou o presidente americano como um “grande amigo” de Israel. A medida ampliará o assentamento existente de Bruchim, localizado nas colinas sírias ocupadas por Israel durante a guerra de 1967.

No início deste ano, o presidente Trump reconheceu unilateralmente as Colinas de Golã como território israelense, ignorando a lei internacional sob a qual elas permanecem como território ocupado. O gesto de ontem foi apresentado como a tentativa de Israel de homenagear e agradecer a Trump por sua decisão. Netanyahu ontem expressou este agradecimento, chamando o evento de um “dia histórico” e dizendo, em uma reunião do governo, que “vamos estabelecer uma nova comunidade, algo que não aconteceu em muitos anos, e será em homenagem ao presidente Donald Trump”.

O Presidente americano respondeu à inauguração, escrevendo no Twitter: “Obrigado, Primeiro Ministro Netanyahu e Israel por esta grande honra!”

Membros do governo Trump também celebraram o novo acordo, com o embaixador dos EUA em Israel, David Friedman, twittando: “Um grande dia no Golan. PM Netanyahu e eu tivemos a honra de dedicar “Colinas Trump” – a primeira vez que Israel dedicou uma vila em homenagem a um presidente em exercício, desde Harry Truman (1949). Feliz Aniversário, Sr. Presidente !! ”

Netanyahu também usou a cerimônia de inauguração como uma oportunidade para abordar os interesses regionais de Israel, declarando: “Todo mundo sabe o que tem acontecido na última década, do outro lado dessa fronteira [na Síria]. Se não fosse por nós, este lugar [as Colinas de Golã] seria povoado por milícias iranianas fanáticas – nunca deixaremos isso acontecer. ”

A ação de ontem foi criticada como sendo pouco mais do que um golpe de relações públicas, com comentaristas apontando que Netanyahu não tem autoridade para estabelecer uma nova cidade enquanto ele permanecer como chefe de um governo interino. Até que novas eleições sejam realizadas em 17 de setembro – a segunda deste ano, depois que Netanyahu não conseguiu formar uma coalizão no mês passado – o governo não pode avançar com os planos para desenvolver o acordo.

Zvi Hauser, um membro do Knesset (MK) para a aliança Blue and White (Kahol Lavan) – que atualmente serve como a oposição de fato – ressaltou que “qualquer um que ler as letras miúdas nesta decisão histórica entenderá que isso não é nada” mais do que uma política falsa e não vinculativa ”. E acrescentou: “Não há orçamento, nenhum planejamento, nenhum local para um acordo e não há nenhuma decisão vinculante para implementar o projeto. Mas pelo menos eles insistiram em um nome para o assentamento.

A decisão de nomear uma cidade com o nome do presidente Trump foi tomada pela primeira vez em abril, apenas um mês depois que o americano anunciou que os EUA reconheceriam a soberania israelense sobre as colinas de Golan. A decisão foi veementemente criticada pela comunidade internacional, incluindo Rússia, Tunísia e outros estados árabes. Também foi vista como a mais recente de uma série de decisões dos EUA para favorecer Israel, ou seja, o reconhecimento de Jerusalém como a capital de Israel em dezembro de 2017 e a mudança da embaixada dos EUA para a Cidade Santa em maio de 2018.

Categorias
Ásia & AméricasEUAIsraelNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments